×
×

IPHAN 2015

Arqueólogo

Questão 1

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
1
Em seu significado mais primitivo, a palavra patrimônio
 
tem origem atrelada ao termo grego pater, que significa “pai” ou
 
“paterno”. De tal forma, patrimônio veio a se relacionar com tudo
 
aquilo que é deixado pela figura do pai e transmitido para seus
5
filhos. Com o passar do tempo, essa noção de repasse acabou
 
sendo estendida a um conjunto de bens materiais que estão
 
intimamente relacionados com a identidade, a cultura ou o
 
passado de uma coletividade.
 
Essa última noção de patrimônio passou a ganhar força no
10
século XIX, logo que a Revolução Francesa salientou a
 
necessidade de eleger monumentos que pudessem refutar o
 
esquecimento do passado. Nesse período, levando-se em conta
 
as noções historiográficas da época, os monumentos deveriam
 
expressar os fatos de natureza singular e grandiosa. Sendo
15
assim, a preservação do passado colocava-se presa a uma
 
noção de “melhoria”, “evolução” e “progresso”.
 
Além dessas primeiras noções, o conceito de patrimônio
 
também estava articulado a um leque de valores artísticos e
 
estéticos. Preso ainda à construção de monumentos e
20
esculturas, o patrimônio deveria carregar em seu bojo a
 
tradicional obrigação que a arte tinha em despertar o senso de
 
beleza e harmonia entre seus expectadores. Com isso, as
 
produções artísticas e culturais que poderiam evocar a
 
identidade e o passado das classes populares, ficavam
25
plenamente excluídas em tal perspectiva.
 
Avançando pelo século XX, observamos que as noções
 
sobre o espaço urbano, a cultura e o passado, foram ganhando
 
outras feições que interferiram diretamente na visão sobre
 
aquilo que pode ser considerado patrimônio. Sobre tal
30
mudança, podemos destacar que a pretensa capacidade do
 
patrimônio em reforçar um passado e uma série de valores
 
comuns, acabou englobando outras possibilidades que
 
superaram relativamente o interesse oficial do Estado e as
 
regras impostas pela cultura erudita.
35
A conceituação atual do patrimônio acabou estabelecendo
 
a existência de duas categorias distintas sobre o mesmo. Uma
 
mais antiga e tradicional refere-se ao patrimônio material, que
 
engloba construções, obeliscos, esculturas, acervos
 
documentais e museológicos, e outros itens das belas-artes.
40
Paralelamente, temos o chamado patrimônio imaterial, que
 
abrange regiões, paisagens, comidas e bebidas típicas, danças,
 
manifestações religiosas e festividades tradicionais.
 
Ainda hoje, vemos que os governos assumem o papel de
 
preservar e determinar a construção dos patrimônios de uma
45
sociedade. Uma gama de técnicos, acadêmicos e funcionários é
 
destinada à função de preservar todos esses itens, que
 
articulam e garantem o acesso às memórias e experiências de
 
um povo. Com isso, podemos ver que o conhecimento do
 
patrimônio abarca uma preocupação em democratizar os
50
saberes e fortalecer a noção de cidadania.
 
Com a diversificação dos grupos que integram a
 
sociedade, podemos ver que os patrimônios também incentivam
 
o diálogo entre diferentes culturas. Não raro, todas as vezes
 
que fazemos um passeio turístico, temos a oportunidade de
55
contemplar e refletir mediante os objetos e manifestações que
 
formam o patrimônio do lugar que visitamos. Nesse sentido, a
 
observação dos patrimônios abre caminho para que tenhamos a
 
oportunidade de nos reconhecer e reconhecer os outros.
Texto adaptado abaixo, de Rainer Sousa, transcrito do site Brasil Escola.
De acordo com o que se depreende do texto, assinale a alternativa correta.

Questão 2

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
1
Em seu significado mais primitivo, a palavra patrimônio
 
tem origem atrelada ao termo grego pater, que significa “pai” ou
 
“paterno”. De tal forma, patrimônio veio a se relacionar com tudo
 
aquilo que é deixado pela figura do pai e transmitido para seus
5
filhos. Com o passar do tempo, essa noção de repasse acabou
 
sendo estendida a um conjunto de bens materiais que estão
 
intimamente relacionados com a identidade, a cultura ou o
 
passado de uma coletividade.
 
Essa última noção de patrimônio passou a ganhar força no
10
século XIX, logo que a Revolução Francesa salientou a
 
necessidade de eleger monumentos que pudessem refutar o
 
esquecimento do passado. Nesse período, levando-se em conta
 
as noções historiográficas da época, os monumentos deveriam
 
expressar os fatos de natureza singular e grandiosa. Sendo
15
assim, a preservação do passado colocava-se presa a uma
 
noção de “melhoria”, “evolução” e “progresso”.
 
Além dessas primeiras noções, o conceito de patrimônio
 
também estava articulado a um leque de valores artísticos e
 
estéticos. Preso ainda à construção de monumentos e
20
esculturas, o patrimônio deveria carregar em seu bojo a
 
tradicional obrigação que a arte tinha em despertar o senso de
 
beleza e harmonia entre seus expectadores. Com isso, as
 
produções artísticas e culturais que poderiam evocar a
 
identidade e o passado das classes populares, ficavam
25
plenamente excluídas em tal perspectiva.
 
Avançando pelo século XX, observamos que as noções
 
sobre o espaço urbano, a cultura e o passado, foram ganhando
 
outras feições que interferiram diretamente na visão sobre
 
aquilo que pode ser considerado patrimônio. Sobre tal
30
mudança, podemos destacar que a pretensa capacidade do
 
patrimônio em reforçar um passado e uma série de valores
 
comuns, acabou englobando outras possibilidades que
 
superaram relativamente o interesse oficial do Estado e as
 
regras impostas pela cultura erudita.
35
A conceituação atual do patrimônio acabou estabelecendo
 
a existência de duas categorias distintas sobre o mesmo. Uma
 
mais antiga e tradicional refere-se ao patrimônio material, que
 
engloba construções, obeliscos, esculturas, acervos
 
documentais e museológicos, e outros itens das belas-artes.
40
Paralelamente, temos o chamado patrimônio imaterial, que
 
abrange regiões, paisagens, comidas e bebidas típicas, danças,
 
manifestações religiosas e festividades tradicionais.
 
Ainda hoje, vemos que os governos assumem o papel de
 
preservar e determinar a construção dos patrimônios de uma
45
sociedade. Uma gama de técnicos, acadêmicos e funcionários é
 
destinada à função de preservar todos esses itens, que
 
articulam e garantem o acesso às memórias e experiências de
 
um povo. Com isso, podemos ver que o conhecimento do
 
patrimônio abarca uma preocupação em democratizar os
50
saberes e fortalecer a noção de cidadania.
 
Com a diversificação dos grupos que integram a
 
sociedade, podemos ver que os patrimônios também incentivam
 
o diálogo entre diferentes culturas. Não raro, todas as vezes
 
que fazemos um passeio turístico, temos a oportunidade de
55
contemplar e refletir mediante os objetos e manifestações que
 
formam o patrimônio do lugar que visitamos. Nesse sentido, a
 
observação dos patrimônios abre caminho para que tenhamos a
 
oportunidade de nos reconhecer e reconhecer os outros.
Texto adaptado abaixo, de Rainer Sousa, transcrito do site Brasil Escola.
Assinale a alternativa cuja palavra dos parênteses não substitui corretamente o vocábulo destacado na frase, comprometendo a verdadeira compreensão do texto.

Questão 3

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
1
Em seu significado mais primitivo, a palavra patrimônio
 
tem origem atrelada ao termo grego pater, que significa “pai” ou
 
“paterno”. De tal forma, patrimônio veio a se relacionar com tudo
 
aquilo que é deixado pela figura do pai e transmitido para seus
5
filhos. Com o passar do tempo, essa noção de repasse acabou
 
sendo estendida a um conjunto de bens materiais que estão
 
intimamente relacionados com a identidade, a cultura ou o
 
passado de uma coletividade.
 
Essa última noção de patrimônio passou a ganhar força no
10
século XIX, logo que a Revolução Francesa salientou a
 
necessidade de eleger monumentos que pudessem refutar o
 
esquecimento do passado. Nesse período, levando-se em conta
 
as noções historiográficas da época, os monumentos deveriam
 
expressar os fatos de natureza singular e grandiosa. Sendo
15
assim, a preservação do passado colocava-se presa a uma
 
noção de “melhoria”, “evolução” e “progresso”.
 
Além dessas primeiras noções, o conceito de patrimônio
 
também estava articulado a um leque de valores artísticos e
 
estéticos. Preso ainda à construção de monumentos e
20
esculturas, o patrimônio deveria carregar em seu bojo a
 
tradicional obrigação que a arte tinha em despertar o senso de
 
beleza e harmonia entre seus expectadores. Com isso, as
 
produções artísticas e culturais que poderiam evocar a
 
identidade e o passado das classes populares, ficavam
25
plenamente excluídas em tal perspectiva.
 
Avançando pelo século XX, observamos que as noções
 
sobre o espaço urbano, a cultura e o passado, foram ganhando
 
outras feições que interferiram diretamente na visão sobre
 
aquilo que pode ser considerado patrimônio. Sobre tal
30
mudança, podemos destacar que a pretensa capacidade do
 
patrimônio em reforçar um passado e uma série de valores
 
comuns, acabou englobando outras possibilidades que
 
superaram relativamente o interesse oficial do Estado e as
 
regras impostas pela cultura erudita.
35
A conceituação atual do patrimônio acabou estabelecendo
 
a existência de duas categorias distintas sobre o mesmo. Uma
 
mais antiga e tradicional refere-se ao patrimônio material, que
 
engloba construções, obeliscos, esculturas, acervos
 
documentais e museológicos, e outros itens das belas-artes.
40
Paralelamente, temos o chamado patrimônio imaterial, que
 
abrange regiões, paisagens, comidas e bebidas típicas, danças,
 
manifestações religiosas e festividades tradicionais.
 
Ainda hoje, vemos que os governos assumem o papel de
 
preservar e determinar a construção dos patrimônios de uma
45
sociedade. Uma gama de técnicos, acadêmicos e funcionários é
 
destinada à função de preservar todos esses itens, que
 
articulam e garantem o acesso às memórias e experiências de
 
um povo. Com isso, podemos ver que o conhecimento do
 
patrimônio abarca uma preocupação em democratizar os
50
saberes e fortalecer a noção de cidadania.
 
Com a diversificação dos grupos que integram a
 
sociedade, podemos ver que os patrimônios também incentivam
 
o diálogo entre diferentes culturas. Não raro, todas as vezes
 
que fazemos um passeio turístico, temos a oportunidade de
55
contemplar e refletir mediante os objetos e manifestações que
 
formam o patrimônio do lugar que visitamos. Nesse sentido, a
 
observação dos patrimônios abre caminho para que tenhamos a
 
oportunidade de nos reconhecer e reconhecer os outros.
Texto adaptado abaixo, de Rainer Sousa, transcrito do site Brasil Escola.
De acordo com a norma-padrão da Língua Portuguesa e em relação às análises do trecho abaixo, assinale a alternativa incorreta.

“Ainda hoje, vemos que1 os governos assumem o papel de preservar e determinar a construção dos patrimônios de uma sociedade. Uma gama de técnicos, acadêmicos e funcionários é destinada à função de preservar todos esses itens, que2 articulam e garantem o acesso às memórias e experiências de um povo. Com isso, podemos ver que3 o conhecimento do patrimônio abarca uma preocupação em democratizar os saberes e fortalecer a noção de cidadania.”

Questão 4

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
1
Em seu significado mais primitivo, a palavra patrimônio
 
tem origem atrelada ao termo grego pater, que significa “pai” ou
 
“paterno”. De tal forma, patrimônio veio a se relacionar com tudo
 
aquilo que é deixado pela figura do pai e transmitido para seus
5
filhos. Com o passar do tempo, essa noção de repasse acabou
 
sendo estendida a um conjunto de bens materiais que estão
 
intimamente relacionados com a identidade, a cultura ou o
 
passado de uma coletividade.
 
Essa última noção de patrimônio passou a ganhar força no
10
século XIX, logo que a Revolução Francesa salientou a
 
necessidade de eleger monumentos que pudessem refutar o
 
esquecimento do passado. Nesse período, levando-se em conta
 
as noções historiográficas da época, os monumentos deveriam
 
expressar os fatos de natureza singular e grandiosa. Sendo
15
assim, a preservação do passado colocava-se presa a uma
 
noção de “melhoria”, “evolução” e “progresso”.
 
Além dessas primeiras noções, o conceito de patrimônio
 
também estava articulado a um leque de valores artísticos e
 
estéticos. Preso ainda à construção de monumentos e
20
esculturas, o patrimônio deveria carregar em seu bojo a
 
tradicional obrigação que a arte tinha em despertar o senso de
 
beleza e harmonia entre seus expectadores. Com isso, as
 
produções artísticas e culturais que poderiam evocar a
 
identidade e o passado das classes populares, ficavam
25
plenamente excluídas em tal perspectiva.
 
Avançando pelo século XX, observamos que as noções
 
sobre o espaço urbano, a cultura e o passado, foram ganhando
 
outras feições que interferiram diretamente na visão sobre
 
aquilo que pode ser considerado patrimônio. Sobre tal
30
mudança, podemos destacar que a pretensa capacidade do
 
patrimônio em reforçar um passado e uma série de valores
 
comuns, acabou englobando outras possibilidades que
 
superaram relativamente o interesse oficial do Estado e as
 
regras impostas pela cultura erudita.
35
A conceituação atual do patrimônio acabou estabelecendo
 
a existência de duas categorias distintas sobre o mesmo. Uma
 
mais antiga e tradicional refere-se ao patrimônio material, que
 
engloba construções, obeliscos, esculturas, acervos
 
documentais e museológicos, e outros itens das belas-artes.
40
Paralelamente, temos o chamado patrimônio imaterial, que
 
abrange regiões, paisagens, comidas e bebidas típicas, danças,
 
manifestações religiosas e festividades tradicionais.
 
Ainda hoje, vemos que os governos assumem o papel de
 
preservar e determinar a construção dos patrimônios de uma
45
sociedade. Uma gama de técnicos, acadêmicos e funcionários é
 
destinada à função de preservar todos esses itens, que
 
articulam e garantem o acesso às memórias e experiências de
 
um povo. Com isso, podemos ver que o conhecimento do
 
patrimônio abarca uma preocupação em democratizar os
50
saberes e fortalecer a noção de cidadania.
 
Com a diversificação dos grupos que integram a
 
sociedade, podemos ver que os patrimônios também incentivam
 
o diálogo entre diferentes culturas. Não raro, todas as vezes
 
que fazemos um passeio turístico, temos a oportunidade de
55
contemplar e refletir mediante os objetos e manifestações que
 
formam o patrimônio do lugar que visitamos. Nesse sentido, a
 
observação dos patrimônios abre caminho para que tenhamos a
 
oportunidade de nos reconhecer e reconhecer os outros.
Texto adaptado abaixo, de Rainer Sousa, transcrito do site Brasil Escola.
De acordo com a norma-padrão da Língua Portuguesa e em relação às classes de palavras, assinale a alternativa cuja classificação das palavras destacadas, no período abaixo, esteja correta.

“Com isso1, as produções artísticas2 e culturais que poderiam evocar a identidade e o passado3 das classes populares, ficavam plenamente4 excluídas em tal perspectiva.”

Questão 5

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
1
Em seu significado mais primitivo, a palavra patrimônio
 
tem origem atrelada ao termo grego pater, que significa “pai” ou
 
“paterno”. De tal forma, patrimônio veio a se relacionar com tudo
 
aquilo que é deixado pela figura do pai e transmitido para seus
5
filhos. Com o passar do tempo, essa noção de repasse acabou
 
sendo estendida a um conjunto de bens materiais que estão
 
intimamente relacionados com a identidade, a cultura ou o
 
passado de uma coletividade.
 
Essa última noção de patrimônio passou a ganhar força no
10
século XIX, logo que a Revolução Francesa salientou a
 
necessidade de eleger monumentos que pudessem refutar o
 
esquecimento do passado. Nesse período, levando-se em conta
 
as noções historiográficas da época, os monumentos deveriam
 
expressar os fatos de natureza singular e grandiosa. Sendo
15
assim, a preservação do passado colocava-se presa a uma
 
noção de “melhoria”, “evolução” e “progresso”.
 
Além dessas primeiras noções, o conceito de patrimônio
 
também estava articulado a um leque de valores artísticos e
 
estéticos. Preso ainda à construção de monumentos e
20
esculturas, o patrimônio deveria carregar em seu bojo a
 
tradicional obrigação que a arte tinha em despertar o senso de
 
beleza e harmonia entre seus expectadores. Com isso, as
 
produções artísticas e culturais que poderiam evocar a
 
identidade e o passado das classes populares, ficavam
25
plenamente excluídas em tal perspectiva.
 
Avançando pelo século XX, observamos que as noções
 
sobre o espaço urbano, a cultura e o passado, foram ganhando
 
outras feições que interferiram diretamente na visão sobre
 
aquilo que pode ser considerado patrimônio. Sobre tal
30
mudança, podemos destacar que a pretensa capacidade do
 
patrimônio em reforçar um passado e uma série de valores
 
comuns, acabou englobando outras possibilidades que
 
superaram relativamente o interesse oficial do Estado e as
 
regras impostas pela cultura erudita.
35
A conceituação atual do patrimônio acabou estabelecendo
 
a existência de duas categorias distintas sobre o mesmo. Uma
 
mais antiga e tradicional refere-se ao patrimônio material, que
 
engloba construções, obeliscos, esculturas, acervos
 
documentais e museológicos, e outros itens das belas-artes.
40
Paralelamente, temos o chamado patrimônio imaterial, que
 
abrange regiões, paisagens, comidas e bebidas típicas, danças,
 
manifestações religiosas e festividades tradicionais.
 
Ainda hoje, vemos que os governos assumem o papel de
 
preservar e determinar a construção dos patrimônios de uma
45
sociedade. Uma gama de técnicos, acadêmicos e funcionários é
 
destinada à função de preservar todos esses itens, que
 
articulam e garantem o acesso às memórias e experiências de
 
um povo. Com isso, podemos ver que o conhecimento do
 
patrimônio abarca uma preocupação em democratizar os
50
saberes e fortalecer a noção de cidadania.
 
Com a diversificação dos grupos que integram a
 
sociedade, podemos ver que os patrimônios também incentivam
 
o diálogo entre diferentes culturas. Não raro, todas as vezes
 
que fazemos um passeio turístico, temos a oportunidade de
55
contemplar e refletir mediante os objetos e manifestações que
 
formam o patrimônio do lugar que visitamos. Nesse sentido, a
 
observação dos patrimônios abre caminho para que tenhamos a
 
oportunidade de nos reconhecer e reconhecer os outros.
Texto adaptado abaixo, de Rainer Sousa, transcrito do site Brasil Escola.
De acordo com a norma-padrão da Língua Portuguesa e em relação à regência verbal, assinale a alternativa cujo verbo destacado não tenha a mesma regência dos verbos destacados no período abaixo.

“Nesse sentido, a observação dos patrimônios abre caminho para que tenhamos a oportunidade de nos reconhecer e reconhecer os outros.”

Questão 6

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
De acordo com a norma-padrão da Língua Portuguesa, assinale a alternativa que apresenta a correta relação entre as orações, estabelecida pela locução conjuntiva destacada no período abaixo.

A pressão para chegar a um acerto se intensificou, na medida em que Atenas enfrenta o vencimento de uma parcela da dívida em 5 de junho.

Questão 7

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
De acordo com a norma-padrão da Língua Portuguesa e em relação às regras de colocação pronominal, assinale a alternativa correta.

Questão 8

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
De acordo com a norma-padrão da Língua Portuguesa e em relação às figuras de estilo, assinale a alternativa que apresenta uma elipse.

Questão 9

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
De acordo com a norma-padrão da Língua Portuguesa e em relação às regras de concordância, assinale a alternativa incorreta.

Questão 10

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
De acordo com a norma-padrão da Língua Portuguesa e em relação às regras de pontuação, assinale a alternativa correta.

Questão 11

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
Com base no que estabelece o Decreto nº 6.844/2009, o qual trata da Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções Gratificadas do IPHAN, e sobre a atuação no território nacional do IPHAN, analise as assertivas abaixo.

I. A autonomia das Superintendências Estaduais se restringe a operacionalizar e a executar as ações do IPHAN em andamento.

II. Os Parques Históricos ficam subordinados diretamente à Diretoria do IPHAN, cabendo às Superintendências Estaduais os cuidados de fiscalização desses locais.

III. Compete ao Departamento Material e Fiscalização autorizar as pesquisas realizadas em sítios arqueológicos brasileiros, sendo o acompanhamento dessas pesquisas feito pelas Superintendências Estaduais e pelo Centro Nacional de Arqueologia.

IV. Às Superintendências Estaduais compete a função de autorizar a saída do país e a movimentação de bens culturais que não estiverem sujeitos à aplicação da legislação federal de proteção.

É correto o que se afirma em

Questão 12

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
Sobre o disposto no Regimento Interno do IPHAN (Portaria nº 92/2012), no que se refere aos órgãos e atividades autárquicas relacionadas à arqueologia, assinale a alternativa correta.

Questão 13

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
Sobre o sujeito ativo de ato de improbidade administrativa, de acordo com o disposto na Lei nº 8.429/1992, assinale a alternativa correta.

Questão 14

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
Sobre as disposições normativas apresentadas ao longo do Código de Ética do Servidor Público Federal (Decreto nº 1.171/1994), analise as assertivas abaixo.

I. Estão sujeitos ao Código de Ética Profissional os servidores públicos civis e militares dos Poderes Executivos Federal, Estadual, do Distrito Federal e Municipal.

II. O servidor não pode omitir ou falsear um fato, ainda que este seja contrário aos interesses do próprio servidor ou da Administração Pública.

III. É vedado ao servidor público deixar de utilizar os avanços tecnológicos e científicos ao seu alcance ou do seu conhecimento para atendimento de suas funções.

IV. É dever fundamental do servidor público acatar a seus superiores hierárquicos de todas as formas e em quaisquer circunstâncias, ainda que a ordem exarada contenha caráter imoral.

É correto o que se afirma em

Questão 15

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
O artigo 117 do Regime Disciplinar dos Servidores Públicos (Lei nº 8.112/1990) impõe uma série de proibições a serem observadas pelo servidor público no exercício de sua atividade laboral. Assinale a alternativa que apresenta uma situação proibida, conforme o dispositivo legal acima mencionado.

Questão 16

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
Sobre o que se entende do conceito e da classificação de agentes públicos, analise as assertivas abaixo.

I. Aquele que é convocado para prestar serviço de mesário nas eleições é considerado agente público da espécie particular colaborador ou honorífico.

II. O magistrado pode ser entendido como sendo servidor de regime especial uma vez que o seu estatuto funcional disciplinador se encontra em lei específica.

III. Entende-se por agente público somente aquele que ocupa cargo, emprego ou função pública.

IV. Servidor público estatutário é aquele que detém relação contratual com o ente público.

É correto o que se afirma em

Questão 17

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
De acordo com a Teoria Pura do Direito, desenvolvida por Hans Kelsen, o ordenamento jurídico pode ser concebido como um conjunto hierarquizado de normas, estruturas na forma de uma pirâmide. Diante dessa informação, assinale a alternativa que apresenta, respectivamente, uma norma situada no cume da pirâmide e a outra situada na base desta, desprezando-se norma situada ao meio da pirâmide.

Questão 18

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
Da análise entre uma lei complementar e uma lei ordinária, sempre surgem dúvidas sobre a diferença hierárquica existente entre essas normas jurídicas. Sobre esse tema, analise as assertivas abaixo.

I. A formação de um novo estado-membro da federação deve ser aprovada no Congresso Nacional via lei complementar.

II. As hipóteses de regulamentação por meio de lei ordinária estão taxativamente previstas na Constituição Federal.

III. O quórum de aprovação de uma lei ordinária é pela maioria simples dos membros presentes da casa legislativa.

IV. A lei ordinária pode tratar de matéria reservada à lei complementar, no entanto, ocorrendo o contrário, haverá vício de inconstitucionalidade formal.

É correto o que se afirma em

Questão 19

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
Sobre o tema da existência de hierarquia entre normas federais, estaduais e municipais, analise as assertivas abaixo.

I. As normas previstas nas Constituições Estaduais não precisam, necessariamente, obedecer às normas da Constituição Federal.

II. Se uma lei federal e lei municipal legislam sobre funcionamento do comércio local, prevalecerá a lei municipal, pois atende à competência dada pela Constituição Federal.

III. Há hierarquia entre as leis federais, estaduais e municipais, devendo as leis municipais estarem em consonância com as leis estaduais, e estas, com as leis federais.

IV. A superveniência de lei federal sobre normas gerais suspende a eficácia de lei estadual, no que lhe for contrário.

É correto o que se afirma em

Questão 20

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
Acerca dos dispositivos constitucionais (artigos 215, 216 e 216-A da Constituição Federal) que tratam da cultura, a qual é objeto de proteção pelo IPHAN, assinale a alternativa correta.

Questão 21

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
Com relação à Instrução Normativa IPHAN nº 01/2015, de 25 de março de 2015, que estabelece procedimentos administrativos a serem observados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional nos processos de licenciamento ambiental dos quais participe, assinale a alternativa correta.

Questão 22

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
De acordo com a Constituição Federativa do Brasil de 1988, assinale a alternativa correta.

Questão 23

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
Sobre as principais Cartas Patrimoniais, é correto afirmar que

Questão 24

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
A Lei nº 9.605/1998 dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente. Sobre os crimes contra o ordenamento urbano e o patrimônio cultural, analise as assertivas abaixo.

I. É crime, com reclusão, de um a três anos e multa, destruir, inutilizar ou deteriorar o bem especialmente protegido por lei, ato administrativo ou decisão judicial.

II. É crime, com detenção de três meses a um ano e multa, alterar o aspecto ou estrutura de edificação ou local especialmente protegido por lei, ato administrativo ou decisão judicial, em razão de seu valor paisagístico, ecológico, turístico, artístico, histórico, arqueológico, etnográfico ou monumental, sem autorização da autoridade competente ou em desacordo com a concedida.

III. Pichar ou por outro meio conspurcar edificação ou monumento urbano, sendo o monumento ou coisa tombada em virtude do seu valor artístico, arqueológico ou histórico, a pena é de detenção, de três meses a um ano, e multa. É correto o que se afirma em

Questão 25

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
De acordo com a Resolução CONAMA nº 237/1997, é correto afirmar que

Questão 26

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
A expressão “dano ambiental” traz, em si, diversas concepções. Considerando sua classificação, é correto afirmar que o dano ambiental de reparabilidade indireta é

Questão 27

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
Um Estudo de Impacto Ambiental (EIA) deve conter, no mínimo, entre outras, as seguintes atividades técnicas, conforme estabelece a Resolução CONAMA nº 001/1986:

I. definição das medidas mitigadoras dos impactos negativos, entre elas, os equipamentos de controle e sistema de tratamento de despejos, avaliando a eficiência de cada uma delas.

II. os objetivos e as justificativas do projeto, sua relação e compatibilidade com as políticas setoriais e os programas governamentais.

III. elaboração do programa de acompanhamento e monitoramento dos impactos positivos e negativos, indicando os fatores e os parâmetros a serem considerados.

É correto o que está contido em

Questão 28

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
O Decreto-Lei nº 25/1937 organiza a proteção do patrimônio histórico e artístico nacional. Sobre o tombamento dos bens, é correto afirmar que

Questão 29

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
De acordo com a Lei nº 3.924/1961, o direito de realizar escavações para fins arqueológicos por particulares, em terras de domínio público ou particular, constitui-se mediante permissão do[a]

Questão 30

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
Na convenção sobre as medidas a serem adotadas para proibir e impedir a importação, exportação, transportação e transferência de propriedades ilícitas dos bens culturais, estabelecida pelo Decreto nº 72.312/1973, os Estados Partes presentes nesta convenção reconhecem que fazem parte do patrimônio cultural de cada Estado os bens pertencentes a cada uma das seguintes categorias, exceto bens culturais

Questão 31

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
Considerando a necessidade de regulamentar os pedidos de permissão e autorização e a comunicação prévia quando do desenvolvimento de pesquisas de campo e escavações arqueológicas no País, a fim de que se resguardem os objetos de valor científico e cultural localizado nas pesquisas, a Portaria do IPHAN nº 07/1988 estabelece que os pedidos de permissão e autorização, assim como a comunicação prévia, devem ser dirigidos ao Secretário da SPHAN acompanhados, entre outras, da seguinte informação:

Questão 32

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
A Ficha de Registro de Sítio Arqueológico deve ser preenchida para o Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Dentre as informações necessárias que devem constar nessa ficha, o compartimento topográfico é a informação que indica a implantação do sítio na paisagem conforme o regimento evolutivo. Sendo assim, é correto afirmar que pertence ao regime erosivo do compartimento topográfico a(o)

Questão 33

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
O Diretor do Departamento de Proteção resolve, por meio da Portaria IPHAN nº 28 de 2003, que o(s)

Questão 34

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
Sobre a restituição de bens culturais furtados, é incorreto afirmar que

Questão 35

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
A Portaria Interministerial nº 60/2015 define que quando a atividade ou empreendimento submetido ao licenciamento ambiental localizar-se em terra indígena ou apresentar elementos que possam ocasionar impacto socioambiental direto na terra indígena, deve-se respeitar o limite de ferrovias, na Amazônia Legal, na distância de

Questão 36

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
Com base nas referências teóricas e nos parâmetros metodológicos da Arqueologia Contemporânea, leia o texto abaixo e, em seguida, assinale a alternativa correta.

“O que fazer com o material arqueológico escavado, coletado e armazenado no laboratório? Parece evidente ter que organizá-lo em classes e subclasses. Para organizá-lo, tem-se, porém, que estabelecer critérios. O estabelecimento de critérios depende de um quadro teórico constituído de um conjunto ordenado de explicações que justifiquem o ordenamento. As explicações, por sua vez, têm que ter seus fundamentos em uma epistemologia que lhes dê validade científica. Para que tenham validade científica, as explicações não podem ser dogmáticas e nem puramente filosóficas ou formais. As explicações precisam ter objetividade factual que permite a mensurabilidade das proposições científicas. A mensurabilidade depende da materialidade.”

Questão 37

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
Com base nos princípios teóricos e metodológicos propostos pela Arqueologia Histórica, leia o texto abaixo e, em seguida, assinale a alternativa correta.

“O que distingue a Arqueologia Histórica não é o período histórico estudado, mas como cada elemento se adaptou e foi transformado pelo processo que, de início, levou o europeu a estabelecer assentamentos coloniais em todo o mundo e, posteriormente, a formar novas nações. Tendo em vista essa consideração, a Arqueologia Histórica que está emergindo atualmente se define como o estudo arqueológico dos aspectos materiais em termos históricos, culturais e sociais concretos, dos efeitos do mercantilismo e do capitalismo que foi trazido da Europa em fins do século XV e que continua em ação até os dias atuais.”

Questão 38

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
Com relação aos princípios da dialética hegeliana, leia o texto abaixo e, em seguida, assinale a alternativa correta.

“As revoluções científicas correspondem à reorganização do aparato conceitual com que a comunidade científica percebe o mundo. Elas são a reestruturação do conhecimento científico. O novo paradigma traz uma racionalidade totalmente nova. Guiados por um novo paradigma, os cientistas adotam novos instrumentos e orientam seu olhar em novas direções.”

Questão 39

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
A palavra Arqueologia é formada por um adjetivo e por um substantivo de origem grega, archaïkós e logos, os quais significam, respectivamente,

Questão 40

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
Com base nos princípios metodológicos da Arqueologia Histórica, leia o texto abaixo e, em seguida, assinale a alternativa correta.

“A memória é um fenômeno sempre atual, um elo vivido no eterno presente. A história, uma representação do passado. Porque é efetiva e mágica, a memória não se acomoda a detalhes que a confortam: ela se alimenta de lembranças vagas, telescópicas, globais ou flutuantes, particulares ou simbólicas, sensível a todas as transferências, cenas, censuras ou projeções. A história, porque a operação intelectual e laicizante demandas análises e discursos críticos. A memória instala a lembrança no sagrado, a história a liberta e a torna sempre prosaica.”

Questão 41

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
A Arqueologia é uma disciplina inserida no campo das ciências humanas e sociais, assim como

Questão 42

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
Assinale a alternativa que apresenta as principais correntes teóricas do pensamento arqueológico.

Questão 43

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
Os arqueólogos partidários da Nova Arqueologia, caracterizada como uma escola de pensamento vinculada à arqueologia anglo-americana dos anos 1960 e 1970, insatisfeitos com a situação da arqueologia tradicional e a história cultural, buscaram novas maneiras de interpretação dos vestígios recuperados em escavações arqueológicas. Assinale a alternativa que apresenta uma das características dessa escola.

Questão 44

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
Assinale a alternativa que apresenta o(s) método(s) mais importante(s) de escavação arqueológica.

Questão 45

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
A análise tecnológica de artefatos e vestígios de artefatos arqueológicos tem como objetivo

Questão 46

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
As datações arqueológicas mais antigas do Brasil, com até 48 mil anos antes do presente, foram obtidas por meio das pesquisas no sítio

Questão 47

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
As hipóteses interdisciplinares sobre a história cultural dos indígenas falantes de línguas do tronco Tupi, principalmente da família linguística Tupi-Guarani, embasadas em dados etnográficos, linguísticos e arqueológicos, propõem que o centro de origem da cultura

Tupi encontra-se no[a]

Questão 48

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
A Arqueologia Histórica estuda o Período

Questão 49

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
Tendo em vista os avanços teóricos do pós-colonialismo, a principal característica na vanguarda do pensamento arqueológico atual é o[a]

Questão 50

IPHAN 2015 - CETRO - Arqueólogo
Acerca da história da Arqueologia Brasileira, em relação à região de Lagoa Santa, assinale a alternativa correta.



Provas de Concursos » Cetro 2015