×
Agente Administrativo Fiscal de Tributos Técnico em Informática Assistente Social Contador Pedagogo Técnico de Enfermagem Agente de Controle Interno Enfermeiro
×

Pref. Imigrantes/ES 2016

Técnico Ambiental

Questão 1

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
1
Abraços podem durar um tempo enorme. A gente se inclina na direção do outro, cheio de sentimentos
 
conturbados, e ele nos segura com força, como se tentasse comunicar alguma coisa. É possível sentir um coração
 
batendo contra o outro, perceber no peito a outra respiração. Tantas coisas estão contidas nesse gesto, tanta ternura,
 
tanta dúvida. Amor. Quando o abraço se desfaz, fica um sorriso indeciso, uma expressão incompleta nos olhos, o
5
movimento de um corpo que se afasta e parece dizer adeus.
 
Como todo mundo, tenho sentimentos ambivalentes sobre relacionamentos que acabam. São momentos tristes,
 
terrivelmente tristes. Mas, ao fim e ao cabo, inevitáveis. A gente não pode passar a vida preso a coisas que já não
 
respiram. Mesmo cheios de dúvidas e ainda repletos de carinho, em algum momento é preciso romper, andar,
 
recomeçar. O abraço que não quer terminar é lindo, mas abre uma porta para lugar nenhum. É necessário sair dele para
10
ser de novo uma pessoa inteira – e ter a chance, adiante, de estar inteiro em outro abraço.
 
Esses momentos de ruptura são essenciais em nossa vida. As separações, assim como os encontros, nos definem –
 
inclusive por que costumam levar um tempo enorme. A gente passa um ano juntos, apaixonados, e podemos levar o
 
dobro nos separando de verdade, fazendo a ruptura das almas. Separar dois corpos é fácil, mas como se faz para tirar o
 
outro de dentro de si?
15
Com todos os problemas e dificuldades, gosto de pensar nesse período de sentimentos estendidos como o tempo
 
da delicadeza. (Obrigado, Chico Buarque, por esta e tantas outras coisas.) A paixão terminou, o amor é uma lembrança
 
irresgatável, mas ainda há presença e ternura. Enormes. A raiva ficou para trás. A frustração gastou-se. O ciúme raspa as
 
unhas nas paredes do porão, lá embaixo, mas a cada dia incomoda menos. Os sentimentos dolorosos – quase todos –
 
deram lugar a uma sensação agridoce de cumplicidade. Ainda não é possível desejar que ela ou ele seja feliz em outra
20
companhia, mas esse dia chegará, um dia.
 
Acredito – enfim – que é possível deixar de amar amando. O afastamento pode ser feito com ódio, mas fica uma
 
ferida imensa, dura de cicatrizar. Podemos cortar as pontes repentinamente, com medo de um sofrimento duradouro,
 
mas isso vai nos assombrar no futuro, na hora de amar de novo. Enfim, há diferentes maneiras de deixar de amar. Eu
 
acho possível – e louvável – sair da intimidade do outro com um sorriso nos lábios e lágrimas nos olhos. Sair, mas ficar
25
feliz em vê-lo, contente de ouvi-la, ainda ter vontade de contar a essa pessoa que nos conhece tão bem tudo que
 
aconteceu na semana passada, mas escolhendo não contar – por pudor, e porque, afinal, já não cabe.
 
Sou capaz de antecipar o olhar de descrédito do leitor e da leitora. Não é assim que funciona, ele ou ela dirá. Se os
 
sentimentos são bons, as pessoas não se separam. Mas isso não é verdade. As pessoas rompem cheias de bons
 
sentimentos, transbordando deles, a ponto de não saber o que fazer com tudo aquilo. Exceto as exceções, exceto os
30
traumas e barbaridades, a gente não deixa de querer de uma hora para outra. A paixão acaba, é certo. O amor, aquele
 
de querer ficar colado para sempre, também acaba. Mas há sentimentos lindos que ainda ligam ex-casais. Tão lindos
 
que entalam na garganta, que temos vontade de abraçar e não largar. Lembra?
 
Pois então, respeitemos os nossos sentimentos delicados. As relações terminam, mas isso não é o fim dos afetos.
 
Não há que ter vergonha de gostar da ex que você mesmo deixou, não há problema em pensar com carinho (e sem
35
raiv(A) naquele desgraçado que não quis continuar. Dentro de nós há tanta coisa ruim que não deveríamos resistir
 
quando se manifesta uma doçura. Melhor abraçá-la bem forte, acolhê-la como um amor que estivesse de volta. Apenas
 
para uma visita, mas, ainda assim, bem-vindo.
(Ivan Lins. Disponível em: http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/ivan-martins/noticia/2016/06/o-tempo-da-delicadeza.html.)
No primeiro parágrafo o autor fala sobre o abraço para

Questão 2

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
1
Abraços podem durar um tempo enorme. A gente se inclina na direção do outro, cheio de sentimentos
 
conturbados, e ele nos segura com força, como se tentasse comunicar alguma coisa. É possível sentir um coração
 
batendo contra o outro, perceber no peito a outra respiração. Tantas coisas estão contidas nesse gesto, tanta ternura,
 
tanta dúvida. Amor. Quando o abraço se desfaz, fica um sorriso indeciso, uma expressão incompleta nos olhos, o
5
movimento de um corpo que se afasta e parece dizer adeus.
 
Como todo mundo, tenho sentimentos ambivalentes sobre relacionamentos que acabam. São momentos tristes,
 
terrivelmente tristes. Mas, ao fim e ao cabo, inevitáveis. A gente não pode passar a vida preso a coisas que já não
 
respiram. Mesmo cheios de dúvidas e ainda repletos de carinho, em algum momento é preciso romper, andar,
 
recomeçar. O abraço que não quer terminar é lindo, mas abre uma porta para lugar nenhum. É necessário sair dele para
10
ser de novo uma pessoa inteira – e ter a chance, adiante, de estar inteiro em outro abraço.
 
Esses momentos de ruptura são essenciais em nossa vida. As separações, assim como os encontros, nos definem –
 
inclusive por que costumam levar um tempo enorme. A gente passa um ano juntos, apaixonados, e podemos levar o
 
dobro nos separando de verdade, fazendo a ruptura das almas. Separar dois corpos é fácil, mas como se faz para tirar o
 
outro de dentro de si?
15
Com todos os problemas e dificuldades, gosto de pensar nesse período de sentimentos estendidos como o tempo
 
da delicadeza. (Obrigado, Chico Buarque, por esta e tantas outras coisas.) A paixão terminou, o amor é uma lembrança
 
irresgatável, mas ainda há presença e ternura. Enormes. A raiva ficou para trás. A frustração gastou-se. O ciúme raspa as
 
unhas nas paredes do porão, lá embaixo, mas a cada dia incomoda menos. Os sentimentos dolorosos – quase todos –
 
deram lugar a uma sensação agridoce de cumplicidade. Ainda não é possível desejar que ela ou ele seja feliz em outra
20
companhia, mas esse dia chegará, um dia.
 
Acredito – enfim – que é possível deixar de amar amando. O afastamento pode ser feito com ódio, mas fica uma
 
ferida imensa, dura de cicatrizar. Podemos cortar as pontes repentinamente, com medo de um sofrimento duradouro,
 
mas isso vai nos assombrar no futuro, na hora de amar de novo. Enfim, há diferentes maneiras de deixar de amar. Eu
 
acho possível – e louvável – sair da intimidade do outro com um sorriso nos lábios e lágrimas nos olhos. Sair, mas ficar
25
feliz em vê-lo, contente de ouvi-la, ainda ter vontade de contar a essa pessoa que nos conhece tão bem tudo que
 
aconteceu na semana passada, mas escolhendo não contar – por pudor, e porque, afinal, já não cabe.
 
Sou capaz de antecipar o olhar de descrédito do leitor e da leitora. Não é assim que funciona, ele ou ela dirá. Se os
 
sentimentos são bons, as pessoas não se separam. Mas isso não é verdade. As pessoas rompem cheias de bons
 
sentimentos, transbordando deles, a ponto de não saber o que fazer com tudo aquilo. Exceto as exceções, exceto os
30
traumas e barbaridades, a gente não deixa de querer de uma hora para outra. A paixão acaba, é certo. O amor, aquele
 
de querer ficar colado para sempre, também acaba. Mas há sentimentos lindos que ainda ligam ex-casais. Tão lindos
 
que entalam na garganta, que temos vontade de abraçar e não largar. Lembra?
 
Pois então, respeitemos os nossos sentimentos delicados. As relações terminam, mas isso não é o fim dos afetos.
 
Não há que ter vergonha de gostar da ex que você mesmo deixou, não há problema em pensar com carinho (e sem
35
raiv(A) naquele desgraçado que não quis continuar. Dentro de nós há tanta coisa ruim que não deveríamos resistir
 
quando se manifesta uma doçura. Melhor abraçá-la bem forte, acolhê-la como um amor que estivesse de volta. Apenas
 
para uma visita, mas, ainda assim, bem-vindo.
(Ivan Lins. Disponível em: http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/ivan-martins/noticia/2016/06/o-tempo-da-delicadeza.html.)
“Mas, ao fim e ao cabo, inevitáveis.” (2º§) A expressão sublinhada pode ser substituída, sem alteração de sentido, por:

Questão 3

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
1
O maior país da América Latina, com a maior população católica
 
do mundo, não nasceu de forma tranquila. Neste livro, com o
 
realismo dos documentos originais, vemos claramente a
 
brutalidade do extermínio dos índios na costa brasileira, berço de
5
sangue cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio
 
de Janeiro.
 
O Brasil real começou a ser construído por homens como o
 
degredado João Ramalho, que raspava os pelos do corpo para se
 
mesclar aos índios e construiu um exército de mestiços caçadores
10
de escravos mais poderoso que o da própria Coroa; personagens
 
improváveis como o jesuíta Manoel da Nóbrega, padre gago
 
incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, esteio
 
da erradicação dos “hereges” antropófagos; líderes implacáveis
 
como Aimberê, ex-escravo que tomou a frente da resistência e
15
Cunhambebe, cacique “imortal”, que dizia poder devorar carne
 
humana porque era “um jaguar”.
 
Incluindo protestantes franceses, que se aliaram aos índios para
 
escapar dos portugueses e da Inquisição, além de mamelucos, os
 
primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que
20
falavam tupi tanto quanto o português e partiram do planalto de
 
Piratininga para caçar índios e estenderam a colônia sertão
 
adentro, surge um povo que desde a origem nada tem da
 
autoimagem do “brasileiro cordial”.
(Texto da orelha do livro A conquista do Brasil, de Thales Guaracy, Planeta, Rio de Janeiro, 2015)
O texto 1, retirado da orelha do livro indicado, tem como finalidade destacar qualidades da obra a que alude; NÃO é uma dessas qualidades o seguinte tópico:

Questão 4

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
1
Abraços podem durar um tempo enorme. A gente se inclina na direção do outro, cheio de sentimentos
 
conturbados, e ele nos segura com força, como se tentasse comunicar alguma coisa. É possível sentir um coração
 
batendo contra o outro, perceber no peito a outra respiração. Tantas coisas estão contidas nesse gesto, tanta ternura,
 
tanta dúvida. Amor. Quando o abraço se desfaz, fica um sorriso indeciso, uma expressão incompleta nos olhos, o
5
movimento de um corpo que se afasta e parece dizer adeus.
 
Como todo mundo, tenho sentimentos ambivalentes sobre relacionamentos que acabam. São momentos tristes,
 
terrivelmente tristes. Mas, ao fim e ao cabo, inevitáveis. A gente não pode passar a vida preso a coisas que já não
 
respiram. Mesmo cheios de dúvidas e ainda repletos de carinho, em algum momento é preciso romper, andar,
 
recomeçar. O abraço que não quer terminar é lindo, mas abre uma porta para lugar nenhum. É necessário sair dele para
10
ser de novo uma pessoa inteira – e ter a chance, adiante, de estar inteiro em outro abraço.
 
Esses momentos de ruptura são essenciais em nossa vida. As separações, assim como os encontros, nos definem –
 
inclusive por que costumam levar um tempo enorme. A gente passa um ano juntos, apaixonados, e podemos levar o
 
dobro nos separando de verdade, fazendo a ruptura das almas. Separar dois corpos é fácil, mas como se faz para tirar o
 
outro de dentro de si?
15
Com todos os problemas e dificuldades, gosto de pensar nesse período de sentimentos estendidos como o tempo
 
da delicadeza. (Obrigado, Chico Buarque, por esta e tantas outras coisas.) A paixão terminou, o amor é uma lembrança
 
irresgatável, mas ainda há presença e ternura. Enormes. A raiva ficou para trás. A frustração gastou-se. O ciúme raspa as
 
unhas nas paredes do porão, lá embaixo, mas a cada dia incomoda menos. Os sentimentos dolorosos – quase todos –
 
deram lugar a uma sensação agridoce de cumplicidade. Ainda não é possível desejar que ela ou ele seja feliz em outra
20
companhia, mas esse dia chegará, um dia.
 
Acredito – enfim – que é possível deixar de amar amando. O afastamento pode ser feito com ódio, mas fica uma
 
ferida imensa, dura de cicatrizar. Podemos cortar as pontes repentinamente, com medo de um sofrimento duradouro,
 
mas isso vai nos assombrar no futuro, na hora de amar de novo. Enfim, há diferentes maneiras de deixar de amar. Eu
 
acho possível – e louvável – sair da intimidade do outro com um sorriso nos lábios e lágrimas nos olhos. Sair, mas ficar
25
feliz em vê-lo, contente de ouvi-la, ainda ter vontade de contar a essa pessoa que nos conhece tão bem tudo que
 
aconteceu na semana passada, mas escolhendo não contar – por pudor, e porque, afinal, já não cabe.
 
Sou capaz de antecipar o olhar de descrédito do leitor e da leitora. Não é assim que funciona, ele ou ela dirá. Se os
 
sentimentos são bons, as pessoas não se separam. Mas isso não é verdade. As pessoas rompem cheias de bons
 
sentimentos, transbordando deles, a ponto de não saber o que fazer com tudo aquilo. Exceto as exceções, exceto os
30
traumas e barbaridades, a gente não deixa de querer de uma hora para outra. A paixão acaba, é certo. O amor, aquele
 
de querer ficar colado para sempre, também acaba. Mas há sentimentos lindos que ainda ligam ex-casais. Tão lindos
 
que entalam na garganta, que temos vontade de abraçar e não largar. Lembra?
 
Pois então, respeitemos os nossos sentimentos delicados. As relações terminam, mas isso não é o fim dos afetos.
 
Não há que ter vergonha de gostar da ex que você mesmo deixou, não há problema em pensar com carinho (e sem
35
raiv(A) naquele desgraçado que não quis continuar. Dentro de nós há tanta coisa ruim que não deveríamos resistir
 
quando se manifesta uma doçura. Melhor abraçá-la bem forte, acolhê-la como um amor que estivesse de volta. Apenas
 
para uma visita, mas, ainda assim, bem-vindo.
(Ivan Lins. Disponível em: http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/ivan-martins/noticia/2016/06/o-tempo-da-delicadeza.html.)
“Mesmo cheios de dúvidas e ainda repletos de carinho, em algum momento é preciso romper, andar, recomeçar.” (2º§) A respeito dos verbos sublinhados, assinale a afirmativa correta.

Questão 5

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
1
Abraços podem durar um tempo enorme. A gente se inclina na direção do outro, cheio de sentimentos
 
conturbados, e ele nos segura com força, como se tentasse comunicar alguma coisa. É possível sentir um coração
 
batendo contra o outro, perceber no peito a outra respiração. Tantas coisas estão contidas nesse gesto, tanta ternura,
 
tanta dúvida. Amor. Quando o abraço se desfaz, fica um sorriso indeciso, uma expressão incompleta nos olhos, o
5
movimento de um corpo que se afasta e parece dizer adeus.
 
Como todo mundo, tenho sentimentos ambivalentes sobre relacionamentos que acabam. São momentos tristes,
 
terrivelmente tristes. Mas, ao fim e ao cabo, inevitáveis. A gente não pode passar a vida preso a coisas que já não
 
respiram. Mesmo cheios de dúvidas e ainda repletos de carinho, em algum momento é preciso romper, andar,
 
recomeçar. O abraço que não quer terminar é lindo, mas abre uma porta para lugar nenhum. É necessário sair dele para
10
ser de novo uma pessoa inteira – e ter a chance, adiante, de estar inteiro em outro abraço.
 
Esses momentos de ruptura são essenciais em nossa vida. As separações, assim como os encontros, nos definem –
 
inclusive por que costumam levar um tempo enorme. A gente passa um ano juntos, apaixonados, e podemos levar o
 
dobro nos separando de verdade, fazendo a ruptura das almas. Separar dois corpos é fácil, mas como se faz para tirar o
 
outro de dentro de si?
15
Com todos os problemas e dificuldades, gosto de pensar nesse período de sentimentos estendidos como o tempo
 
da delicadeza. (Obrigado, Chico Buarque, por esta e tantas outras coisas.) A paixão terminou, o amor é uma lembrança
 
irresgatável, mas ainda há presença e ternura. Enormes. A raiva ficou para trás. A frustração gastou-se. O ciúme raspa as
 
unhas nas paredes do porão, lá embaixo, mas a cada dia incomoda menos. Os sentimentos dolorosos – quase todos –
 
deram lugar a uma sensação agridoce de cumplicidade. Ainda não é possível desejar que ela ou ele seja feliz em outra
20
companhia, mas esse dia chegará, um dia.
 
Acredito – enfim – que é possível deixar de amar amando. O afastamento pode ser feito com ódio, mas fica uma
 
ferida imensa, dura de cicatrizar. Podemos cortar as pontes repentinamente, com medo de um sofrimento duradouro,
 
mas isso vai nos assombrar no futuro, na hora de amar de novo. Enfim, há diferentes maneiras de deixar de amar. Eu
 
acho possível – e louvável – sair da intimidade do outro com um sorriso nos lábios e lágrimas nos olhos. Sair, mas ficar
25
feliz em vê-lo, contente de ouvi-la, ainda ter vontade de contar a essa pessoa que nos conhece tão bem tudo que
 
aconteceu na semana passada, mas escolhendo não contar – por pudor, e porque, afinal, já não cabe.
 
Sou capaz de antecipar o olhar de descrédito do leitor e da leitora. Não é assim que funciona, ele ou ela dirá. Se os
 
sentimentos são bons, as pessoas não se separam. Mas isso não é verdade. As pessoas rompem cheias de bons
 
sentimentos, transbordando deles, a ponto de não saber o que fazer com tudo aquilo. Exceto as exceções, exceto os
30
traumas e barbaridades, a gente não deixa de querer de uma hora para outra. A paixão acaba, é certo. O amor, aquele
 
de querer ficar colado para sempre, também acaba. Mas há sentimentos lindos que ainda ligam ex-casais. Tão lindos
 
que entalam na garganta, que temos vontade de abraçar e não largar. Lembra?
 
Pois então, respeitemos os nossos sentimentos delicados. As relações terminam, mas isso não é o fim dos afetos.
 
Não há que ter vergonha de gostar da ex que você mesmo deixou, não há problema em pensar com carinho (e sem
35
raiv(A) naquele desgraçado que não quis continuar. Dentro de nós há tanta coisa ruim que não deveríamos resistir
 
quando se manifesta uma doçura. Melhor abraçá-la bem forte, acolhê-la como um amor que estivesse de volta. Apenas
 
para uma visita, mas, ainda assim, bem-vindo.
(Ivan Lins. Disponível em: http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/ivan-martins/noticia/2016/06/o-tempo-da-delicadeza.html.)
A raiva ficou para trás. A frustração gastou-se. O ciúme raspa as unhas nas paredes do porão, lá embaixo, mas a cada dia incomoda menos. Os sentimentos dolorosos – quase todos – deram lugar a uma sensação agridoce de cumplicidade.” (4º§) O trecho anterior retrata:

Questão 6

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
1
Abraços podem durar um tempo enorme. A gente se inclina na direção do outro, cheio de sentimentos
 
conturbados, e ele nos segura com força, como se tentasse comunicar alguma coisa. É possível sentir um coração
 
batendo contra o outro, perceber no peito a outra respiração. Tantas coisas estão contidas nesse gesto, tanta ternura,
 
tanta dúvida. Amor. Quando o abraço se desfaz, fica um sorriso indeciso, uma expressão incompleta nos olhos, o
5
movimento de um corpo que se afasta e parece dizer adeus.
 
Como todo mundo, tenho sentimentos ambivalentes sobre relacionamentos que acabam. São momentos tristes,
 
terrivelmente tristes. Mas, ao fim e ao cabo, inevitáveis. A gente não pode passar a vida preso a coisas que já não
 
respiram. Mesmo cheios de dúvidas e ainda repletos de carinho, em algum momento é preciso romper, andar,
 
recomeçar. O abraço que não quer terminar é lindo, mas abre uma porta para lugar nenhum. É necessário sair dele para
10
ser de novo uma pessoa inteira – e ter a chance, adiante, de estar inteiro em outro abraço.
 
Esses momentos de ruptura são essenciais em nossa vida. As separações, assim como os encontros, nos definem –
 
inclusive por que costumam levar um tempo enorme. A gente passa um ano juntos, apaixonados, e podemos levar o
 
dobro nos separando de verdade, fazendo a ruptura das almas. Separar dois corpos é fácil, mas como se faz para tirar o
 
outro de dentro de si?
15
Com todos os problemas e dificuldades, gosto de pensar nesse período de sentimentos estendidos como o tempo
 
da delicadeza. (Obrigado, Chico Buarque, por esta e tantas outras coisas.) A paixão terminou, o amor é uma lembrança
 
irresgatável, mas ainda há presença e ternura. Enormes. A raiva ficou para trás. A frustração gastou-se. O ciúme raspa as
 
unhas nas paredes do porão, lá embaixo, mas a cada dia incomoda menos. Os sentimentos dolorosos – quase todos –
 
deram lugar a uma sensação agridoce de cumplicidade. Ainda não é possível desejar que ela ou ele seja feliz em outra
20
companhia, mas esse dia chegará, um dia.
 
Acredito – enfim – que é possível deixar de amar amando. O afastamento pode ser feito com ódio, mas fica uma
 
ferida imensa, dura de cicatrizar. Podemos cortar as pontes repentinamente, com medo de um sofrimento duradouro,
 
mas isso vai nos assombrar no futuro, na hora de amar de novo. Enfim, há diferentes maneiras de deixar de amar. Eu
 
acho possível – e louvável – sair da intimidade do outro com um sorriso nos lábios e lágrimas nos olhos. Sair, mas ficar
25
feliz em vê-lo, contente de ouvi-la, ainda ter vontade de contar a essa pessoa que nos conhece tão bem tudo que
 
aconteceu na semana passada, mas escolhendo não contar – por pudor, e porque, afinal, já não cabe.
 
Sou capaz de antecipar o olhar de descrédito do leitor e da leitora. Não é assim que funciona, ele ou ela dirá. Se os
 
sentimentos são bons, as pessoas não se separam. Mas isso não é verdade. As pessoas rompem cheias de bons
 
sentimentos, transbordando deles, a ponto de não saber o que fazer com tudo aquilo. Exceto as exceções, exceto os
30
traumas e barbaridades, a gente não deixa de querer de uma hora para outra. A paixão acaba, é certo. O amor, aquele
 
de querer ficar colado para sempre, também acaba. Mas há sentimentos lindos que ainda ligam ex-casais. Tão lindos
 
que entalam na garganta, que temos vontade de abraçar e não largar. Lembra?
 
Pois então, respeitemos os nossos sentimentos delicados. As relações terminam, mas isso não é o fim dos afetos.
 
Não há que ter vergonha de gostar da ex que você mesmo deixou, não há problema em pensar com carinho (e sem
35
raiv(A) naquele desgraçado que não quis continuar. Dentro de nós há tanta coisa ruim que não deveríamos resistir
 
quando se manifesta uma doçura. Melhor abraçá-la bem forte, acolhê-la como um amor que estivesse de volta. Apenas
 
para uma visita, mas, ainda assim, bem-vindo.
(Ivan Lins. Disponível em: http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/ivan-martins/noticia/2016/06/o-tempo-da-delicadeza.html.)
“O amor, aquele de querer ficar colado para sempre, também acaba.” (6º§) O trecho sublinhado apresenta-se entre vírgulas por que:

Questão 7

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
1
Abraços podem durar um tempo enorme. A gente se inclina na direção do outro, cheio de sentimentos
 
conturbados, e ele nos segura com força, como se tentasse comunicar alguma coisa. É possível sentir um coração
 
batendo contra o outro, perceber no peito a outra respiração. Tantas coisas estão contidas nesse gesto, tanta ternura,
 
tanta dúvida. Amor. Quando o abraço se desfaz, fica um sorriso indeciso, uma expressão incompleta nos olhos, o
5
movimento de um corpo que se afasta e parece dizer adeus.
 
Como todo mundo, tenho sentimentos ambivalentes sobre relacionamentos que acabam. São momentos tristes,
 
terrivelmente tristes. Mas, ao fim e ao cabo, inevitáveis. A gente não pode passar a vida preso a coisas que já não
 
respiram. Mesmo cheios de dúvidas e ainda repletos de carinho, em algum momento é preciso romper, andar,
 
recomeçar. O abraço que não quer terminar é lindo, mas abre uma porta para lugar nenhum. É necessário sair dele para
10
ser de novo uma pessoa inteira – e ter a chance, adiante, de estar inteiro em outro abraço.
 
Esses momentos de ruptura são essenciais em nossa vida. As separações, assim como os encontros, nos definem –
 
inclusive por que costumam levar um tempo enorme. A gente passa um ano juntos, apaixonados, e podemos levar o
 
dobro nos separando de verdade, fazendo a ruptura das almas. Separar dois corpos é fácil, mas como se faz para tirar o
 
outro de dentro de si?
15
Com todos os problemas e dificuldades, gosto de pensar nesse período de sentimentos estendidos como o tempo
 
da delicadeza. (Obrigado, Chico Buarque, por esta e tantas outras coisas.) A paixão terminou, o amor é uma lembrança
 
irresgatável, mas ainda há presença e ternura. Enormes. A raiva ficou para trás. A frustração gastou-se. O ciúme raspa as
 
unhas nas paredes do porão, lá embaixo, mas a cada dia incomoda menos. Os sentimentos dolorosos – quase todos –
 
deram lugar a uma sensação agridoce de cumplicidade. Ainda não é possível desejar que ela ou ele seja feliz em outra
20
companhia, mas esse dia chegará, um dia.
 
Acredito – enfim – que é possível deixar de amar amando. O afastamento pode ser feito com ódio, mas fica uma
 
ferida imensa, dura de cicatrizar. Podemos cortar as pontes repentinamente, com medo de um sofrimento duradouro,
 
mas isso vai nos assombrar no futuro, na hora de amar de novo. Enfim, há diferentes maneiras de deixar de amar. Eu
 
acho possível – e louvável – sair da intimidade do outro com um sorriso nos lábios e lágrimas nos olhos. Sair, mas ficar
25
feliz em vê-lo, contente de ouvi-la, ainda ter vontade de contar a essa pessoa que nos conhece tão bem tudo que
 
aconteceu na semana passada, mas escolhendo não contar – por pudor, e porque, afinal, já não cabe.
 
Sou capaz de antecipar o olhar de descrédito do leitor e da leitora. Não é assim que funciona, ele ou ela dirá. Se os
 
sentimentos são bons, as pessoas não se separam. Mas isso não é verdade. As pessoas rompem cheias de bons
 
sentimentos, transbordando deles, a ponto de não saber o que fazer com tudo aquilo. Exceto as exceções, exceto os
30
traumas e barbaridades, a gente não deixa de querer de uma hora para outra. A paixão acaba, é certo. O amor, aquele
 
de querer ficar colado para sempre, também acaba. Mas há sentimentos lindos que ainda ligam ex-casais. Tão lindos
 
que entalam na garganta, que temos vontade de abraçar e não largar. Lembra?
 
Pois então, respeitemos os nossos sentimentos delicados. As relações terminam, mas isso não é o fim dos afetos.
 
Não há que ter vergonha de gostar da ex que você mesmo deixou, não há problema em pensar com carinho (e sem
35
raiv(A) naquele desgraçado que não quis continuar. Dentro de nós há tanta coisa ruim que não deveríamos resistir
 
quando se manifesta uma doçura. Melhor abraçá-la bem forte, acolhê-la como um amor que estivesse de volta. Apenas
 
para uma visita, mas, ainda assim, bem-vindo.
(Ivan Lins. Disponível em: http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/ivan-martins/noticia/2016/06/o-tempo-da-delicadeza.html.)
“As separações, assim como os encontros, nos definem – inclusive por que costumam levar um tempo enorme.” (3º§) Sobre o trecho sublinhado, é correto afirma que exprime a ideia de:

Questão 8

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
1
O maior país da América Latina, com a maior população católica
 
do mundo, não nasceu de forma tranquila. Neste livro, com o
 
realismo dos documentos originais, vemos claramente a
 
brutalidade do extermínio dos índios na costa brasileira, berço de
5
sangue cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio
 
de Janeiro.
 
O Brasil real começou a ser construído por homens como o
 
degredado João Ramalho, que raspava os pelos do corpo para se
 
mesclar aos índios e construiu um exército de mestiços caçadores
10
de escravos mais poderoso que o da própria Coroa; personagens
 
improváveis como o jesuíta Manoel da Nóbrega, padre gago
 
incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, esteio
 
da erradicação dos “hereges” antropófagos; líderes implacáveis
 
como Aimberê, ex-escravo que tomou a frente da resistência e
15
Cunhambebe, cacique “imortal”, que dizia poder devorar carne
 
humana porque era “um jaguar”.
 
Incluindo protestantes franceses, que se aliaram aos índios para
 
escapar dos portugueses e da Inquisição, além de mamelucos, os
 
primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que
20
falavam tupi tanto quanto o português e partiram do planalto de
 
Piratininga para caçar índios e estenderam a colônia sertão
 
adentro, surge um povo que desde a origem nada tem da
 
autoimagem do “brasileiro cordial”.
(Texto da orelha do livro A conquista do Brasil, de Thales Guaracy, Planeta, Rio de Janeiro, 2015)
O texto 1, retirado da orelha do livro indicado, tem como finalidade destacar qualidades da obra a que alude; NÃO é uma dessas qualidades o seguinte tópico:

Questão 9

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
1
Abraços podem durar um tempo enorme. A gente se inclina na direção do outro, cheio de sentimentos
 
conturbados, e ele nos segura com força, como se tentasse comunicar alguma coisa. É possível sentir um coração
 
batendo contra o outro, perceber no peito a outra respiração. Tantas coisas estão contidas nesse gesto, tanta ternura,
 
tanta dúvida. Amor. Quando o abraço se desfaz, fica um sorriso indeciso, uma expressão incompleta nos olhos, o
5
movimento de um corpo que se afasta e parece dizer adeus.
 
Como todo mundo, tenho sentimentos ambivalentes sobre relacionamentos que acabam. São momentos tristes,
 
terrivelmente tristes. Mas, ao fim e ao cabo, inevitáveis. A gente não pode passar a vida preso a coisas que já não
 
respiram. Mesmo cheios de dúvidas e ainda repletos de carinho, em algum momento é preciso romper, andar,
 
recomeçar. O abraço que não quer terminar é lindo, mas abre uma porta para lugar nenhum. É necessário sair dele para
10
ser de novo uma pessoa inteira – e ter a chance, adiante, de estar inteiro em outro abraço.
 
Esses momentos de ruptura são essenciais em nossa vida. As separações, assim como os encontros, nos definem –
 
inclusive por que costumam levar um tempo enorme. A gente passa um ano juntos, apaixonados, e podemos levar o
 
dobro nos separando de verdade, fazendo a ruptura das almas. Separar dois corpos é fácil, mas como se faz para tirar o
 
outro de dentro de si?
15
Com todos os problemas e dificuldades, gosto de pensar nesse período de sentimentos estendidos como o tempo
 
da delicadeza. (Obrigado, Chico Buarque, por esta e tantas outras coisas.) A paixão terminou, o amor é uma lembrança
 
irresgatável, mas ainda há presença e ternura. Enormes. A raiva ficou para trás. A frustração gastou-se. O ciúme raspa as
 
unhas nas paredes do porão, lá embaixo, mas a cada dia incomoda menos. Os sentimentos dolorosos – quase todos –
 
deram lugar a uma sensação agridoce de cumplicidade. Ainda não é possível desejar que ela ou ele seja feliz em outra
20
companhia, mas esse dia chegará, um dia.
 
Acredito – enfim – que é possível deixar de amar amando. O afastamento pode ser feito com ódio, mas fica uma
 
ferida imensa, dura de cicatrizar. Podemos cortar as pontes repentinamente, com medo de um sofrimento duradouro,
 
mas isso vai nos assombrar no futuro, na hora de amar de novo. Enfim, há diferentes maneiras de deixar de amar. Eu
 
acho possível – e louvável – sair da intimidade do outro com um sorriso nos lábios e lágrimas nos olhos. Sair, mas ficar
25
feliz em vê-lo, contente de ouvi-la, ainda ter vontade de contar a essa pessoa que nos conhece tão bem tudo que
 
aconteceu na semana passada, mas escolhendo não contar – por pudor, e porque, afinal, já não cabe.
 
Sou capaz de antecipar o olhar de descrédito do leitor e da leitora. Não é assim que funciona, ele ou ela dirá. Se os
 
sentimentos são bons, as pessoas não se separam. Mas isso não é verdade. As pessoas rompem cheias de bons
 
sentimentos, transbordando deles, a ponto de não saber o que fazer com tudo aquilo. Exceto as exceções, exceto os
30
traumas e barbaridades, a gente não deixa de querer de uma hora para outra. A paixão acaba, é certo. O amor, aquele
 
de querer ficar colado para sempre, também acaba. Mas há sentimentos lindos que ainda ligam ex-casais. Tão lindos
 
que entalam na garganta, que temos vontade de abraçar e não largar. Lembra?
 
Pois então, respeitemos os nossos sentimentos delicados. As relações terminam, mas isso não é o fim dos afetos.
 
Não há que ter vergonha de gostar da ex que você mesmo deixou, não há problema em pensar com carinho (e sem
35
raiv(A) naquele desgraçado que não quis continuar. Dentro de nós há tanta coisa ruim que não deveríamos resistir
 
quando se manifesta uma doçura. Melhor abraçá-la bem forte, acolhê-la como um amor que estivesse de volta. Apenas
 
para uma visita, mas, ainda assim, bem-vindo.
(Ivan Lins. Disponível em: http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/ivan-martins/noticia/2016/06/o-tempo-da-delicadeza.html.)
Assinale a alternativa em que o significado do termo sublinhado está corretamente indicado.

Questão 10

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
1
Abraços podem durar um tempo enorme. A gente se inclina na direção do outro, cheio de sentimentos
 
conturbados, e ele nos segura com força, como se tentasse comunicar alguma coisa. É possível sentir um coração
 
batendo contra o outro, perceber no peito a outra respiração. Tantas coisas estão contidas nesse gesto, tanta ternura,
 
tanta dúvida. Amor. Quando o abraço se desfaz, fica um sorriso indeciso, uma expressão incompleta nos olhos, o
5
movimento de um corpo que se afasta e parece dizer adeus.
 
Como todo mundo, tenho sentimentos ambivalentes sobre relacionamentos que acabam. São momentos tristes,
 
terrivelmente tristes. Mas, ao fim e ao cabo, inevitáveis. A gente não pode passar a vida preso a coisas que já não
 
respiram. Mesmo cheios de dúvidas e ainda repletos de carinho, em algum momento é preciso romper, andar,
 
recomeçar. O abraço que não quer terminar é lindo, mas abre uma porta para lugar nenhum. É necessário sair dele para
10
ser de novo uma pessoa inteira – e ter a chance, adiante, de estar inteiro em outro abraço.
 
Esses momentos de ruptura são essenciais em nossa vida. As separações, assim como os encontros, nos definem –
 
inclusive por que costumam levar um tempo enorme. A gente passa um ano juntos, apaixonados, e podemos levar o
 
dobro nos separando de verdade, fazendo a ruptura das almas. Separar dois corpos é fácil, mas como se faz para tirar o
 
outro de dentro de si?
15
Com todos os problemas e dificuldades, gosto de pensar nesse período de sentimentos estendidos como o tempo
 
da delicadeza. (Obrigado, Chico Buarque, por esta e tantas outras coisas.) A paixão terminou, o amor é uma lembrança
 
irresgatável, mas ainda há presença e ternura. Enormes. A raiva ficou para trás. A frustração gastou-se. O ciúme raspa as
 
unhas nas paredes do porão, lá embaixo, mas a cada dia incomoda menos. Os sentimentos dolorosos – quase todos –
 
deram lugar a uma sensação agridoce de cumplicidade. Ainda não é possível desejar que ela ou ele seja feliz em outra
20
companhia, mas esse dia chegará, um dia.
 
Acredito – enfim – que é possível deixar de amar amando. O afastamento pode ser feito com ódio, mas fica uma
 
ferida imensa, dura de cicatrizar. Podemos cortar as pontes repentinamente, com medo de um sofrimento duradouro,
 
mas isso vai nos assombrar no futuro, na hora de amar de novo. Enfim, há diferentes maneiras de deixar de amar. Eu
 
acho possível – e louvável – sair da intimidade do outro com um sorriso nos lábios e lágrimas nos olhos. Sair, mas ficar
25
feliz em vê-lo, contente de ouvi-la, ainda ter vontade de contar a essa pessoa que nos conhece tão bem tudo que
 
aconteceu na semana passada, mas escolhendo não contar – por pudor, e porque, afinal, já não cabe.
 
Sou capaz de antecipar o olhar de descrédito do leitor e da leitora. Não é assim que funciona, ele ou ela dirá. Se os
 
sentimentos são bons, as pessoas não se separam. Mas isso não é verdade. As pessoas rompem cheias de bons
 
sentimentos, transbordando deles, a ponto de não saber o que fazer com tudo aquilo. Exceto as exceções, exceto os
30
traumas e barbaridades, a gente não deixa de querer de uma hora para outra. A paixão acaba, é certo. O amor, aquele
 
de querer ficar colado para sempre, também acaba. Mas há sentimentos lindos que ainda ligam ex-casais. Tão lindos
 
que entalam na garganta, que temos vontade de abraçar e não largar. Lembra?
 
Pois então, respeitemos os nossos sentimentos delicados. As relações terminam, mas isso não é o fim dos afetos.
 
Não há que ter vergonha de gostar da ex que você mesmo deixou, não há problema em pensar com carinho (e sem
35
raiv(A) naquele desgraçado que não quis continuar. Dentro de nós há tanta coisa ruim que não deveríamos resistir
 
quando se manifesta uma doçura. Melhor abraçá-la bem forte, acolhê-la como um amor que estivesse de volta. Apenas
 
para uma visita, mas, ainda assim, bem-vindo.
(Ivan Lins. Disponível em: http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/ivan-martins/noticia/2016/06/o-tempo-da-delicadeza.html.)
“Apenas para uma visita, mas, ainda assim, bem-vindo.” (7º§) A expressão sublinhada pode ser substituída, sem alteração de sentido, por:

Questão 11

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental


Considere a seguinte planilha produzida com a ferramenta Microsoft Office Excel 2007 (configuração padrão).



Considerando que a “coluna A” está selecionada, se o usuário pressionar o botão pode-se afirmar que a nova ordem de exibição dos registros será, respectivamente:

Questão 12

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental


Considere a planilha produzida com a ferramenta Microsoft Office Excel 2007 (configuração padrão).



Pode-se afirmar que para obter os valores das células A1, A2 e A3 foram utilizadas, respectivamente, as funções descritas em: (Considere que o símbolo "|" foi utilizado para separar cada função.)

Questão 13

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
“Na ferramenta Microsoft Office Word 2007 (configuração padrão), um usuário precisa destacar alguns trechos do seu texto de forma que tenha o mesmo efeito da utilização de uma caneta marca-texto em papel.” É correto afirmar que o recurso que realiza esta tarefa denomina-se:

Questão 14

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental


Em um computador, a função de um disco rígido é promover

Questão 15

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental


Um usuário digitou no prompt de comandos do MS-DOS no seu computador o seguinte comando (considere que o computador do usuário está configurado com todas as permissões de manipulação nos diretórios em questão).



Pode-se afirmar que com a execução do comando:

Questão 16

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
“O Conjunto Arquitetônico da Pampulha, em Belo Horizonte, conquistou, neste domingo (17), o título de Patrimônio Mundial da Humanidade, dado pela Unesco. É um reconhecimento importantíssimo tanto do ponto de vista da arquitetura nacional, quanto da arquitetura internacional. A Pampulha é um exemplo da criatividade humana e do intercâmbio de ideias entre Brasil e Europa, diz Andrey Schlee, diretor de patrimônio material do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).”
(Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2016/07/1792609-conjunto-da-pampulha-e-declarado-patrimonio-mundial-dahumanidade.shtml.)

O arquiteto responsável pelo projeto desse conjunto arquitetônico, encomendado pelo então prefeito de Belo Horizonte, Juscelino Kubitschek, foi:

Questão 17

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
“Com nova lei, número de domésticos com FGTS sobe 621% em 1 ano. A PEC das domésticas foi sancionada em junho do ano passado (2015). Além do FGTS, hora-extra e adicional noturno também são obrigatórios. Pouco mais de um ano após a regulamentação dessa Lei Complementar 150, o número de empregados domésticos com Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) aumentou em pouco mais de sete vezes, informou o Ministério do Trabalho.”
(Disponível em: http://g1.globo.com/economia/seu-dinheiro/pec-das-domesticas/noticia/2016/07/com-nova-lei-numero-de-domesticos-comfgts-sobe-621-em-1-ano.html. Adaptado.)

Os novos direitos dos trabalhadores domésticos já entraram em vigor e, para fazer o pagamento do FGTS, INSS e outros encargos, os patrões devem fazer um cadastro num site específico denominado:

Questão 18

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
“Novos Baianos se reencontram no palco do Fantástico: a formação original do conjunto tocou seus principais sucessos no palco do Show da Vida. A banda sairá em turnê nacional no segundo semestre deste ano. Os Novos Baianos, em sua formação original, subiram no palco do Fantástico para tocar seus principais sucessos e contar detalhes sobre a turnê que irá passar por diversas cidades brasileiras. Não é à toa o crescente interesse das novas gerações pela música e pela filosofia do lendário grupo Novos Baianos, que revolucionou a música dos anos 70, uma forte influência que a juventude brasileira que com talento e ousadia, soube preencher o vazio que se instalava no país naquele momento em que a repressão, a censura, o exílio e até a tortura eram práticas adotadas pelo regime vigente.”

(Disponível em: https://osnovosbaianos.wordpress.com/. Adaptado.)


Um dos fundadores do grupo “Novos Baianos” e que ainda atua na música brasileira foi:

Questão 19

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
“De longe é linda: cercada de formações espetaculares como o Pão de Açúcar e o Morro da Urca, de Mata Atlântica, ilhas e belas praias que deveriam fazer a alegria de banhistas. Essa é a Baía de Guanabara, no Estado do Rio de Janeiro.

De perto sobram muitas garrafas e sacos plásticos, esgoto e muita, muita poluição. Centenas de indústrias e refinarias de petróleo também colaboram para reduzir drasticamente a qualidade do mar. O impacto pode ser notado, por exemplo, pela população de golfinhos. Em 1980, estima-se que eram cerca de 400 na baía, hoje restam apenas 40.”
(Disponível em: http://contario.net/bela-fachada-suja-realidade/.)

Ainda assim, é na Baía de Guanabara que se darão competições aquáticas durante as Olimpíadas de 2016. Especificamente na Marina da Glória, localizada na Baía de Guanabara, uma das mais conhecidas paisagens cariocas, será(ão) realizado(s) o(s) evento(s) de:

Questão 20

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
“Em ano de eleições municipais ressurge o polêmico embate: o voto deve ser facultativo ou obrigatório? Há quem diga que a permissão do eleitor em decidir em não votar é um risco para o nosso sistema eleitoral. Analistas ainda argumentam que é necessária a obrigatoriedade dos votos devido ao atual cenário político brasileiro, onde a compra de votos ainda reina juntamente com a precária formação política por boa parte da população brasileira.”
(Disponível em: http://gutogiangiulio.jusbrasil.com.br/artigos/142023487/voto-facultativo-x-voto-obrigatorio. Adaptado.)

A atual Constituição do Brasil preconiza que o voto é facultativo apenas para:

Questão 21

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental


Um grupo de 8 pessoas se hospedou em um hotel por 3 dias pagando um total de R$ 4.296,00. Se um segundo grupo, constituído por 10 pessoas, se hospedar nesse mesmo hotel por um período de 2 dias o valor a ser pago será de:

Questão 22

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
Uma palavra é composta por 5 letras distintas, sendo 3 consoantes e 2 vogais. O número de anagramas dessa palavra que começa com vogal e termina com consoante é igual a:

Questão 23

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
A interseção entre as retas y = ax – 2 e y = x + b se dá no ponto (3, 1). Assim a + b é igual a:

Questão 24

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
Numa semana foram realizadas em um consultório várias consultas conforme indicado na tabela a seguir.

O total de consultas realizadas na semana em questão foi:

Questão 25

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
1
O maior país da América Latina, com a maior população católica
 
do mundo, não nasceu de forma tranquila. Neste livro, com o
 
realismo dos documentos originais, vemos claramente a
 
brutalidade do extermínio dos índios na costa brasileira, berço de
5
sangue cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio
 
de Janeiro.
 
O Brasil real começou a ser construído por homens como o
 
degredado João Ramalho, que raspava os pelos do corpo para se
 
mesclar aos índios e construiu um exército de mestiços caçadores
10
de escravos mais poderoso que o da própria Coroa; personagens
 
improváveis como o jesuíta Manoel da Nóbrega, padre gago
 
incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, esteio
 
da erradicação dos “hereges” antropófagos; líderes implacáveis
 
como Aimberê, ex-escravo que tomou a frente da resistência e
15
Cunhambebe, cacique “imortal”, que dizia poder devorar carne
 
humana porque era “um jaguar”.
 
Incluindo protestantes franceses, que se aliaram aos índios para
 
escapar dos portugueses e da Inquisição, além de mamelucos, os
 
primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que
20
falavam tupi tanto quanto o português e partiram do planalto de
 
Piratininga para caçar índios e estenderam a colônia sertão
 
adentro, surge um povo que desde a origem nada tem da
 
autoimagem do “brasileiro cordial”.
(Texto da orelha do livro A conquista do Brasil, de Thales Guaracy, Planeta, Rio de Janeiro, 2015)
O texto 1, retirado da orelha do livro indicado, tem como finalidade destacar qualidades da obra a que alude; NÃO é uma dessas qualidades o seguinte tópico:

Questão 26

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
A erosão é um dos principais fatores que causam perda de nutrientes nos solos, tanto pela sua atuação na diminuição da capacidade de retenção de água disponível no solo, quanto pela degradação da estrutura do solo, resultando em perdas diretas de nutrientes decorrentes do arraste de suas partículas. Contudo, em condições de erosão mínima, a exportação de nutrientes pelo deflúvio se dá por outros fatores relacionados com o solo. NÃO se trata de um destes fatores:

Questão 27

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
“Papel ecológico de uma espécie em uma comunidade; espaço multidimensional, cujas coordenadas são os vários parâmetros que constituem a condição de existência da espécie; microhabitat.” Esta é a definição de

Questão 28

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
1
O maior país da América Latina, com a maior população católica
 
do mundo, não nasceu de forma tranquila. Neste livro, com o
 
realismo dos documentos originais, vemos claramente a
 
brutalidade do extermínio dos índios na costa brasileira, berço de
5
sangue cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio
 
de Janeiro.
 
O Brasil real começou a ser construído por homens como o
 
degredado João Ramalho, que raspava os pelos do corpo para se
 
mesclar aos índios e construiu um exército de mestiços caçadores
10
de escravos mais poderoso que o da própria Coroa; personagens
 
improváveis como o jesuíta Manoel da Nóbrega, padre gago
 
incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, esteio
 
da erradicação dos “hereges” antropófagos; líderes implacáveis
 
como Aimberê, ex-escravo que tomou a frente da resistência e
15
Cunhambebe, cacique “imortal”, que dizia poder devorar carne
 
humana porque era “um jaguar”.
 
Incluindo protestantes franceses, que se aliaram aos índios para
 
escapar dos portugueses e da Inquisição, além de mamelucos, os
 
primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que
20
falavam tupi tanto quanto o português e partiram do planalto de
 
Piratininga para caçar índios e estenderam a colônia sertão
 
adentro, surge um povo que desde a origem nada tem da
 
autoimagem do “brasileiro cordial”.
(Texto da orelha do livro A conquista do Brasil, de Thales Guaracy, Planeta, Rio de Janeiro, 2015)
O texto 1, retirado da orelha do livro indicado, tem como finalidade destacar qualidades da obra a que alude; NÃO é uma dessas qualidades o seguinte tópico:

Questão 29

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
“Capacidade de um sistema suportar perturbações ambientais, mantendo sua estrutura e padrão geral de comportamento, enquanto sua condição de equilíbrio é modificada. Pode ser avaliada pelo tempo necessário para o sistema retornar à condição inicial.” Trata-se da definição de

Questão 30

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
“Região protegida, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica e a biodiversidade, facilitar o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações humanas.” Segundo a legislação brasileira, trata-se de:

Questão 31

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
Personagem de nossa história, responsável pelo início das preocupações com a ecologia e o meio ambiente no Brasil; demonstrava preocupação em relação à utilização racional do território do país, previa “a falta de chuvas que poderia ocorrer se as montanhas e as encostas fossem escalvadas diariamente”; alertava sobre o “mau uso dos solos e que isto poderia reduzir este país fertilíssimo a um estéril deserto”. Trata-se de:

Questão 32

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
A avaliação ecossistêmica do milênio estabeleceu “oito metas de desenvolvimento” para se responder aos principais desafios de desenvolvimento do mundo. São exemplos dessas metas, EXCETO:

Questão 33

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
A respeito de energia em ecologia, analise as afirmativas, marque V para as verdadeiras e F para as falsas.

( ) Apenas 5% a 20% da energia passam de um nível trófico para outro; ou seja, 80-95% da energia são perdidos a cada etapa da cadeia alimentar, principalmente na forma de calor.

( ) 6CO2 + 6H2O -> C6H12O6 + 6O2 representa o balanço químico total da reação fotossintética.

( ) A produção primária em ambientes de água doce é significativamente superior à dos oceanos abertos, atingindo níveis mais altos nos rios, lagos rasos e pequenas lagoas, e os níveis mais baixos em cursos de águas claras e lagos profundos.

( ) Os alimentos de origem vegetal são mais facilmente digeridos do que os de origem animal. As eficiências de assimilação de espécies herbívoras variam entre 60-90%, uma vez que a celulose, lignina e outros materiais são de fácil digestão.

A sequência está correta em

Questão 34

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
A preservação dos ecossistemas e, consequentemente, dos serviços ambientais por eles prestados é imprescindível à existência humana. Contudo, economicamente, a preservação por um tempo mais longo não é atraente. Técnicas de valoração ambiental são ferramentas criadas que visam mostrar o custo que a degradação gera, as quais atribuem um valor financeiro aos serviços prestados pelos ecossistemas. Expor esses custos para os atores econômicos pode incentivar a conservar os recursos naturais ou a usá-los de maneiras sustentáveis. Desta valoração ambiental surgiu o conceito de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA), definido como uma transação voluntária, na qual um serviço ambiental bem definido ou um uso da terra que possa assegurar este serviço é adquirido por um comprador de um provedor, sob a condição de que o provedor garanta a provisão deste serviço. São exemplos de modalidades de PSA, EXCETO:

Questão 35

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
“Segundo o ‘Atlas dos Municípios da Mata Atlântica’ (dados gerados pela Fundação SOS Mata Atlântica e pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE), o município que mais desmatou no Espírito Santo entre 2000 e 2014, foi ________________, com 431 hectares de supressão de vegetação nativa; já o município de ________________ foi quem mais conservou o bioma no estado, com 42,1% de vegetação natural comparado com a área original.” Assinale a alternativa que completa correta e sequencialmente a afirmativa anterior.

Questão 36

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
1
O maior país da América Latina, com a maior população católica
 
do mundo, não nasceu de forma tranquila. Neste livro, com o
 
realismo dos documentos originais, vemos claramente a
 
brutalidade do extermínio dos índios na costa brasileira, berço de
5
sangue cujo marco determinante é a fundação da cidade do Rio
 
de Janeiro.
 
O Brasil real começou a ser construído por homens como o
 
degredado João Ramalho, que raspava os pelos do corpo para se
 
mesclar aos índios e construiu um exército de mestiços caçadores
10
de escravos mais poderoso que o da própria Coroa; personagens
 
improváveis como o jesuíta Manoel da Nóbrega, padre gago
 
incumbido de catequizar um povo de língua indecifrável, esteio
 
da erradicação dos “hereges” antropófagos; líderes implacáveis
 
como Aimberê, ex-escravo que tomou a frente da resistência e
15
Cunhambebe, cacique “imortal”, que dizia poder devorar carne
 
humana porque era “um jaguar”.
 
Incluindo protestantes franceses, que se aliaram aos índios para
 
escapar dos portugueses e da Inquisição, além de mamelucos, os
 
primeiros brasileiros verdadeiramente ligados à terra, que
20
falavam tupi tanto quanto o português e partiram do planalto de
 
Piratininga para caçar índios e estenderam a colônia sertão
 
adentro, surge um povo que desde a origem nada tem da
 
autoimagem do “brasileiro cordial”.
(Texto da orelha do livro A conquista do Brasil, de Thales Guaracy, Planeta, Rio de Janeiro, 2015)
O texto 1, retirado da orelha do livro indicado, tem como finalidade destacar qualidades da obra a que alude; NÃO é uma dessas qualidades o seguinte tópico:

Questão 37

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
.

Acerca da poluição e assuntos correlatos, associe corretamente as colunas a seguir.

I. Eutrofização.

II. Biomagnificação.

III. Autodepuração.

IV. Biorremediação.

A) Fenômeno indesejável que ocorre principalmente em lagos, represas e açudes, causado pelo acúmulo de nutrientes como Nitrogênio e Fósforo, encontrados em abundância nos resíduos corporais de homens e animais. A água enriquecida faz com que proliferem bactérias, plâncton e algas, muitas delas tóxicas que, ao morrerem, causam gosto e odores desagradáveis, além de causarem a depleção dos níveis de oxigênio dissolvido na água e mortandade de peixes. Ocorre também em ambientes naturais não antropizados, ao longo do tempo, de forma lenta e contínua.

B) Processo ou estratégia que visa destoxificar o solo ou outros ambientes contaminados com poluentes. Fundamenta-se no processo de degradação microbiana (fungos, bactérias) e em reações químicas combinadas (enzimas) com processos de engenharia, a fim de modificar os contaminantes, transformando-os em subprodutos menos nocivos, para que não ofereçam riscos ao ambiente e às populações residentes.

C) Fenômeno que ocorre quando há acúmulo progressivo de substâncias (por exemplo metais pesados) de um nível trófico para outro ao longo de uma teia alimentar. Assim, os predadores de topo apresentarão maiores concentrações dessas substâncias do que suas presas.

D) Processo natural, no qual cargas poluidoras, de origem orgânica, lançadas em um corpo d’água são neutralizadas. É um fenômeno de sucessão ecológica, em que o restabelecimento do equilíbrio no meio aquático, ou seja, a busca pelo estágio inicial encontrado antes do lançamento de efluentes é realizada por mecanismos essencialmente naturais. A decomposição da matéria orgânica por micro-organismos aeróbios corresponde a um dos mais importantes processos integrantes deste fenômeno. Esse processo é responsável pelo decréscimo nas concentrações de oxigênio dissolvido na água devido à respiração dos micro-organismos que, por sua vez, decompõem a matéria orgânica.

A sequência está correta em

Questão 38

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
A proteção do ambiente natural no Brasil pode ser realizada através de meios legais. Uma das leis mais atuantes neste sentido é a Lei nº 12.651/2012. Como é conhecida esta Lei e qual o mecanismo criado por ela, cuja descrição é: “registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis rurais, com a finalidade de integrar as informações ambientais das propriedades e posses rurais, compondo base de dados para controle, monitoramento, planejamento ambiental e econômico e combate ao desmatamento”?

Questão 39

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental
“Porções de ecossistemas naturais ou seminaturais, ligando unidades de conservação, que possibilitam entre elas o fluxo de genes e o movimento da biota, facilitando a dispersão de espécies e a recolonização de áreas degradadas, bem como a manutenção de populações que demandam para sua sobrevivência áreas com extensão maior do que aquela das unidades individuais.” Trata-se da definição legal de

Questão 40

Pref. Imigrantes/ES 2016 - CONSULPLAN - Técnico Ambiental


Analise as afirmativas a seguir, marque V para as verdadeiras e F para as falsas.

( ) As concentrações de ozônio na atmosfera no nível do solo, oriundas de atividades humanas, podem atingir níveis danosos à saúde humana, às plantações e à vegetação natural. O ozônio é também produzido na atmosfera superior onde tem um efeito benéfico de blindar a superfície da Terra contra a radiação ultravioleta.

( ) Os metais pesados, como, por exemplo, mercúrio, arsênico, chumbo, cobre, níquel, zinco, são tóxicos para a maioria das formas de vida, mesmo em baixas concentrações. Nos vertebrados podem causar interferências nas funções neurológicas.

( ) As chuvas ácidas (precipitações com pH variando de 9 a 15) ocorrem devido às emissões antrópicas de organoclorados e organofosforados pelos escapamentos e chaminés nos grandes centros urbanos. Contudo têm suas características anuladas devido à aplicação de H2SO4 nas nuvens da mesosfera.

( ) A irrigação tem sido uma atividade cada vez mais aplicada para converter áreas outrora secas e improdutivas em locais de agricultura produtiva e rentável. É um recurso ambientalmente correto, uma vez que não apresenta quaisquer riscos e danos ao meio ambiente em que é aplicado.

A sequência está correta em



Provas de Concursos » Consulplan 2016