×
Analista Judiciário - Judiciária Técnico Judiciário - Administrativa Analista Judiciário - Contabilidade Analista Judiciário - Estatística Analista Judiciário - Execução de Mandados Analista Judiciário - Tecnologia da Informação
×
TRT 2ª 2014 TRT 2ª 2018

TRT 2ª 2008

Analista Judiciário - Administrativa

Questão 1

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
1
Da timidez
 
Ser um tímido notório é uma contradição. O tímido tem
 
horror a ser notado, quanto mais a ser notório. Se ficou notório
 
por ser tímido, então tem que se explicar. Afinal, que retum-
5
bante timidez é essa, que atrai tanta atenção? Se ficou notório
 
apesar de ser tímido, talvez estivesse se enganando junto com
 
os outros e sua timidez seja apenas um estratagema para ser
 
notado. Tão secreto que nem ele sabe. É como no paradoxo
 
psicanalítico: só alguém que se acha muito superior procura o
10
analista para tratar um complexo de inferioridade, porque só ele
 
acha que se sentir inferior é doença.
 
Todo mundo é tímido, os que parecem mais tímidos são
 
apenas os mais salientes. Defendo a tese de que ninguém é
 
mais tímido do que o extrovertido. O extrovertido faz questão de
15
chamar atenção para sua extroversão, assim ninguém descobre
 
sua timidez. Já no notoriamente tímido a timidez que usa para
 
disfarçar sua extroversão tem o tamanho de um carro alegórico.
 
Segundo minha tese, dentro de cada Elke Maravilha* existe um
 
tímido tentando se esconder, e dentro de cada tímido existe um
20
exibido gritando: “Não me olhem! Não me olhem!”, só para
 
chamar a atenção.
 
O tímido nunca tem a menor dúvida de que, quando
 
entra numa sala, todas as atenções se voltam para ele e para
 
sua timidez espetacular. Se cochicham, é sobre ele. Se riem, é
25
dele. Mentalmente, o tímido nunca entra num lugar. Explode no
 
lugar, mesmo que chegue com a maciez estudada de uma
 
noviça. Para o tímido, não apenas todo mundo mas o próprio
 
destino não pensa em outra coisa a não ser nele e no que pode
 
fazer para embaraçá-lo.
30
* Atriz de TV muito extrovertida, identificada pela maquiagem e roupas
 
extravagantes.
(Luís Fernando Veríssimo, Comédias para se ler na escola)
Na abordagem da timidez, o autor se vale de contradições e paradoxos para demonstrar que:

Questão 2

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
1
Da timidez
 
Ser um tímido notório é uma contradição. O tímido tem
 
horror a ser notado, quanto mais a ser notório. Se ficou notório
 
por ser tímido, então tem que se explicar. Afinal, que retum-
5
bante timidez é essa, que atrai tanta atenção? Se ficou notório
 
apesar de ser tímido, talvez estivesse se enganando junto com
 
os outros e sua timidez seja apenas um estratagema para ser
 
notado. Tão secreto que nem ele sabe. É como no paradoxo
 
psicanalítico: só alguém que se acha muito superior procura o
10
analista para tratar um complexo de inferioridade, porque só ele
 
acha que se sentir inferior é doença.
 
Todo mundo é tímido, os que parecem mais tímidos são
 
apenas os mais salientes. Defendo a tese de que ninguém é
 
mais tímido do que o extrovertido. O extrovertido faz questão de
15
chamar atenção para sua extroversão, assim ninguém descobre
 
sua timidez. Já no notoriamente tímido a timidez que usa para
 
disfarçar sua extroversão tem o tamanho de um carro alegórico.
 
Segundo minha tese, dentro de cada Elke Maravilha* existe um
 
tímido tentando se esconder, e dentro de cada tímido existe um
20
exibido gritando: “Não me olhem! Não me olhem!”, só para
 
chamar a atenção.
 
O tímido nunca tem a menor dúvida de que, quando
 
entra numa sala, todas as atenções se voltam para ele e para
 
sua timidez espetacular. Se cochicham, é sobre ele. Se riem, é
25
dele. Mentalmente, o tímido nunca entra num lugar. Explode no
 
lugar, mesmo que chegue com a maciez estudada de uma
 
noviça. Para o tímido, não apenas todo mundo mas o próprio
 
destino não pensa em outra coisa a não ser nele e no que pode
 
fazer para embaraçá-lo.
30
* Atriz de TV muito extrovertida, identificada pela maquiagem e roupas
 
extravagantes.
(Luís Fernando Veríssimo, Comédias para se ler na escola)
Considerando-se o contexto do primeiro parágrafo, deduz-se da frase só ele acha que se sentir inferior é doença que, na opinião do autor:

Questão 3

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
1
Da timidez
 
Ser um tímido notório é uma contradição. O tímido tem
 
horror a ser notado, quanto mais a ser notório. Se ficou notório
 
por ser tímido, então tem que se explicar. Afinal, que retum-
5
bante timidez é essa, que atrai tanta atenção? Se ficou notório
 
apesar de ser tímido, talvez estivesse se enganando junto com
 
os outros e sua timidez seja apenas um estratagema para ser
 
notado. Tão secreto que nem ele sabe. É como no paradoxo
 
psicanalítico: só alguém que se acha muito superior procura o
10
analista para tratar um complexo de inferioridade, porque só ele
 
acha que se sentir inferior é doença.
 
Todo mundo é tímido, os que parecem mais tímidos são
 
apenas os mais salientes. Defendo a tese de que ninguém é
 
mais tímido do que o extrovertido. O extrovertido faz questão de
15
chamar atenção para sua extroversão, assim ninguém descobre
 
sua timidez. Já no notoriamente tímido a timidez que usa para
 
disfarçar sua extroversão tem o tamanho de um carro alegórico.
 
Segundo minha tese, dentro de cada Elke Maravilha* existe um
 
tímido tentando se esconder, e dentro de cada tímido existe um
20
exibido gritando: “Não me olhem! Não me olhem!”, só para
 
chamar a atenção.
 
O tímido nunca tem a menor dúvida de que, quando
 
entra numa sala, todas as atenções se voltam para ele e para
 
sua timidez espetacular. Se cochicham, é sobre ele. Se riem, é
25
dele. Mentalmente, o tímido nunca entra num lugar. Explode no
 
lugar, mesmo que chegue com a maciez estudada de uma
 
noviça. Para o tímido, não apenas todo mundo mas o próprio
 
destino não pensa em outra coisa a não ser nele e no que pode
 
fazer para embaraçá-lo.
30
* Atriz de TV muito extrovertida, identificada pela maquiagem e roupas
 
extravagantes.
(Luís Fernando Veríssimo, Comédias para se ler na escola)
Reconhece-se como em si mesma paradoxal a seguinte expressão do texto:

Questão 4

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
1
Da timidez
 
Ser um tímido notório é uma contradição. O tímido tem
 
horror a ser notado, quanto mais a ser notório. Se ficou notório
 
por ser tímido, então tem que se explicar. Afinal, que retum-
5
bante timidez é essa, que atrai tanta atenção? Se ficou notório
 
apesar de ser tímido, talvez estivesse se enganando junto com
 
os outros e sua timidez seja apenas um estratagema para ser
 
notado. Tão secreto que nem ele sabe. É como no paradoxo
 
psicanalítico: só alguém que se acha muito superior procura o
10
analista para tratar um complexo de inferioridade, porque só ele
 
acha que se sentir inferior é doença.
 
Todo mundo é tímido, os que parecem mais tímidos são
 
apenas os mais salientes. Defendo a tese de que ninguém é
 
mais tímido do que o extrovertido. O extrovertido faz questão de
15
chamar atenção para sua extroversão, assim ninguém descobre
 
sua timidez. Já no notoriamente tímido a timidez que usa para
 
disfarçar sua extroversão tem o tamanho de um carro alegórico.
 
Segundo minha tese, dentro de cada Elke Maravilha* existe um
 
tímido tentando se esconder, e dentro de cada tímido existe um
20
exibido gritando: “Não me olhem! Não me olhem!”, só para
 
chamar a atenção.
 
O tímido nunca tem a menor dúvida de que, quando
 
entra numa sala, todas as atenções se voltam para ele e para
 
sua timidez espetacular. Se cochicham, é sobre ele. Se riem, é
25
dele. Mentalmente, o tímido nunca entra num lugar. Explode no
 
lugar, mesmo que chegue com a maciez estudada de uma
 
noviça. Para o tímido, não apenas todo mundo mas o próprio
 
destino não pensa em outra coisa a não ser nele e no que pode
 
fazer para embaraçá-lo.
30
* Atriz de TV muito extrovertida, identificada pela maquiagem e roupas
 
extravagantes.
(Luís Fernando Veríssimo, Comédias para se ler na escola)
As normas de concordância verbal estão plenamente respeitadas em:

Questão 5

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
1
Da timidez
 
Ser um tímido notório é uma contradição. O tímido tem
 
horror a ser notado, quanto mais a ser notório. Se ficou notório
 
por ser tímido, então tem que se explicar. Afinal, que retum-
5
bante timidez é essa, que atrai tanta atenção? Se ficou notório
 
apesar de ser tímido, talvez estivesse se enganando junto com
 
os outros e sua timidez seja apenas um estratagema para ser
 
notado. Tão secreto que nem ele sabe. É como no paradoxo
 
psicanalítico: só alguém que se acha muito superior procura o
10
analista para tratar um complexo de inferioridade, porque só ele
 
acha que se sentir inferior é doença.
 
Todo mundo é tímido, os que parecem mais tímidos são
 
apenas os mais salientes. Defendo a tese de que ninguém é
 
mais tímido do que o extrovertido. O extrovertido faz questão de
15
chamar atenção para sua extroversão, assim ninguém descobre
 
sua timidez. Já no notoriamente tímido a timidez que usa para
 
disfarçar sua extroversão tem o tamanho de um carro alegórico.
 
Segundo minha tese, dentro de cada Elke Maravilha* existe um
 
tímido tentando se esconder, e dentro de cada tímido existe um
20
exibido gritando: “Não me olhem! Não me olhem!”, só para
 
chamar a atenção.
 
O tímido nunca tem a menor dúvida de que, quando
 
entra numa sala, todas as atenções se voltam para ele e para
 
sua timidez espetacular. Se cochicham, é sobre ele. Se riem, é
25
dele. Mentalmente, o tímido nunca entra num lugar. Explode no
 
lugar, mesmo que chegue com a maciez estudada de uma
 
noviça. Para o tímido, não apenas todo mundo mas o próprio
 
destino não pensa em outra coisa a não ser nele e no que pode
 
fazer para embaraçá-lo.
30
* Atriz de TV muito extrovertida, identificada pela maquiagem e roupas
 
extravagantes.
(Luís Fernando Veríssimo, Comédias para se ler na escola)
Transpondo-se para a voz passiva o segmento ninguém descobre sua timidez, a forma verbal resultante será:

Questão 6

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
1
Da timidez
 
Ser um tímido notório é uma contradição. O tímido tem
 
horror a ser notado, quanto mais a ser notório. Se ficou notório
 
por ser tímido, então tem que se explicar. Afinal, que retum-
5
bante timidez é essa, que atrai tanta atenção? Se ficou notório
 
apesar de ser tímido, talvez estivesse se enganando junto com
 
os outros e sua timidez seja apenas um estratagema para ser
 
notado. Tão secreto que nem ele sabe. É como no paradoxo
 
psicanalítico: só alguém que se acha muito superior procura o
10
analista para tratar um complexo de inferioridade, porque só ele
 
acha que se sentir inferior é doença.
 
Todo mundo é tímido, os que parecem mais tímidos são
 
apenas os mais salientes. Defendo a tese de que ninguém é
 
mais tímido do que o extrovertido. O extrovertido faz questão de
15
chamar atenção para sua extroversão, assim ninguém descobre
 
sua timidez. Já no notoriamente tímido a timidez que usa para
 
disfarçar sua extroversão tem o tamanho de um carro alegórico.
 
Segundo minha tese, dentro de cada Elke Maravilha* existe um
 
tímido tentando se esconder, e dentro de cada tímido existe um
20
exibido gritando: “Não me olhem! Não me olhem!”, só para
 
chamar a atenção.
 
O tímido nunca tem a menor dúvida de que, quando
 
entra numa sala, todas as atenções se voltam para ele e para
 
sua timidez espetacular. Se cochicham, é sobre ele. Se riem, é
25
dele. Mentalmente, o tímido nunca entra num lugar. Explode no
 
lugar, mesmo que chegue com a maciez estudada de uma
 
noviça. Para o tímido, não apenas todo mundo mas o próprio
 
destino não pensa em outra coisa a não ser nele e no que pode
 
fazer para embaraçá-lo.
30
* Atriz de TV muito extrovertida, identificada pela maquiagem e roupas
 
extravagantes.
(Luís Fernando Veríssimo, Comédias para se ler na escola)
Na frase Se ficou notório apesar de ser tímido, talvez estivesse se enganando junto com os outros (...), o segmento sublinhado pode ser substituído, sem prejuízo para o sentido e a correção, por:

Questão 7

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
1
Da timidez
 
Ser um tímido notório é uma contradição. O tímido tem
 
horror a ser notado, quanto mais a ser notório. Se ficou notório
 
por ser tímido, então tem que se explicar. Afinal, que retum-
5
bante timidez é essa, que atrai tanta atenção? Se ficou notório
 
apesar de ser tímido, talvez estivesse se enganando junto com
 
os outros e sua timidez seja apenas um estratagema para ser
 
notado. Tão secreto que nem ele sabe. É como no paradoxo
 
psicanalítico: só alguém que se acha muito superior procura o
10
analista para tratar um complexo de inferioridade, porque só ele
 
acha que se sentir inferior é doença.
 
Todo mundo é tímido, os que parecem mais tímidos são
 
apenas os mais salientes. Defendo a tese de que ninguém é
 
mais tímido do que o extrovertido. O extrovertido faz questão de
15
chamar atenção para sua extroversão, assim ninguém descobre
 
sua timidez. Já no notoriamente tímido a timidez que usa para
 
disfarçar sua extroversão tem o tamanho de um carro alegórico.
 
Segundo minha tese, dentro de cada Elke Maravilha* existe um
 
tímido tentando se esconder, e dentro de cada tímido existe um
20
exibido gritando: “Não me olhem! Não me olhem!”, só para
 
chamar a atenção.
 
O tímido nunca tem a menor dúvida de que, quando
 
entra numa sala, todas as atenções se voltam para ele e para
 
sua timidez espetacular. Se cochicham, é sobre ele. Se riem, é
25
dele. Mentalmente, o tímido nunca entra num lugar. Explode no
 
lugar, mesmo que chegue com a maciez estudada de uma
 
noviça. Para o tímido, não apenas todo mundo mas o próprio
 
destino não pensa em outra coisa a não ser nele e no que pode
 
fazer para embaraçá-lo.
30
* Atriz de TV muito extrovertida, identificada pela maquiagem e roupas
 
extravagantes.
(Luís Fernando Veríssimo, Comédias para se ler na escola)
Está clara e correta a redação do seguinte comentário sobre o texto:

Questão 8

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
1
Da timidez
 
Ser um tímido notório é uma contradição. O tímido tem
 
horror a ser notado, quanto mais a ser notório. Se ficou notório
 
por ser tímido, então tem que se explicar. Afinal, que retum-
5
bante timidez é essa, que atrai tanta atenção? Se ficou notório
 
apesar de ser tímido, talvez estivesse se enganando junto com
 
os outros e sua timidez seja apenas um estratagema para ser
 
notado. Tão secreto que nem ele sabe. É como no paradoxo
 
psicanalítico: só alguém que se acha muito superior procura o
10
analista para tratar um complexo de inferioridade, porque só ele
 
acha que se sentir inferior é doença.
 
Todo mundo é tímido, os que parecem mais tímidos são
 
apenas os mais salientes. Defendo a tese de que ninguém é
 
mais tímido do que o extrovertido. O extrovertido faz questão de
15
chamar atenção para sua extroversão, assim ninguém descobre
 
sua timidez. Já no notoriamente tímido a timidez que usa para
 
disfarçar sua extroversão tem o tamanho de um carro alegórico.
 
Segundo minha tese, dentro de cada Elke Maravilha* existe um
 
tímido tentando se esconder, e dentro de cada tímido existe um
20
exibido gritando: “Não me olhem! Não me olhem!”, só para
 
chamar a atenção.
 
O tímido nunca tem a menor dúvida de que, quando
 
entra numa sala, todas as atenções se voltam para ele e para
 
sua timidez espetacular. Se cochicham, é sobre ele. Se riem, é
25
dele. Mentalmente, o tímido nunca entra num lugar. Explode no
 
lugar, mesmo que chegue com a maciez estudada de uma
 
noviça. Para o tímido, não apenas todo mundo mas o próprio
 
destino não pensa em outra coisa a não ser nele e no que pode
 
fazer para embaraçá-lo.
30
* Atriz de TV muito extrovertida, identificada pela maquiagem e roupas
 
extravagantes.
(Luís Fernando Veríssimo, Comédias para se ler na escola)
Atente para as seguintes frases:

I. Não é possível estabelecer à medida que distancia um notório tímido de um notório extrovertido.

II. Não assiste às pessoas extrovertidas o privilégio exclusivo de se fazerem notar; também as tímidas chamam a atenção.

III. Ainda que com isso não se sintam à vontade, os tímidos costumam captar a atenção de todos.

Justifica-se o uso do sinal de crase SOMENTE em:

Questão 9

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
1
Duas linguagens
 
 
Na minha juventude, tive um grande amigo que era estu-
 
dante de Direito. Ele questionava muito sua vocação para os
5
estudos jurídicos, pois também alimentava enorme interesse
 
por literatura, sobretudo pela poesia, e não achava compatíveis
 
a linguagem de um código penal e a freqüentada pelos poetas.
 
Apesar de reconhecer essa diferença, eu o animava, sem muita
 
convicção, lembrando-lhe que grandes escritores tinham for-
10
mação jurídica, e esta não lhes travava o talento literário.
 
Outro dia reencontrei-o, depois de muitos anos. É juiz de
 
direito numa grande comarca, e parece satisfeito com a profis-
 
são. Hesitei em lhe perguntar sobre o gosto pela poesia, e ele,
 
parecendo adivinhar, confessou que havia publicado alguns li-
15
vros de poemas – “inteiramente despretensiosos”, frisou. Ficou de
 
me mandar um exemplar do último, que havia lançado
 
recentemente.
 
Hoje mesmo recebi o livro, trazido em casa por um ami-
 
go comum. Os poemas são muito bons; têm uma secura de es-
20
tilo que favorece a expressão depurada de finos sentimentos.
 
Busquei entrever naqueles versos algum traço bacharelesco,
 
alguma coisa que lembrasse a linguagem processual. Nada.
 
Não resisti e telefonei ao meu amigo, perguntando-lhe como
 
conseguiu elidir tão completamente sua formação e sua vida
25
profissional, freqüentando um gênero literário que costuma
 
impelir ao registro confessional. Sua resposta:
 
− Meu caro, a objetividade que tenho de ter para julgar
 
os outros comunica-se com a objetividade com que busco tratar
 
minhas paixões. Ser poeta é afinar palavra justas e precisos
30
sentimentos. Justeza e justiça podem ser irmãs.
 
E eu que nunca tinha pensado nisso...
(Ariovaldo Cerqueira, inédito)
O argumento em favor da plena compatibilidade entre a linguagem da poesia e a das práticas jurídicas está formulado na seguinte frase:

Questão 10

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
1
Duas linguagens
 
 
Na minha juventude, tive um grande amigo que era estu-
 
dante de Direito. Ele questionava muito sua vocação para os
5
estudos jurídicos, pois também alimentava enorme interesse
 
por literatura, sobretudo pela poesia, e não achava compatíveis
 
a linguagem de um código penal e a freqüentada pelos poetas.
 
Apesar de reconhecer essa diferença, eu o animava, sem muita
 
convicção, lembrando-lhe que grandes escritores tinham for-
10
mação jurídica, e esta não lhes travava o talento literário.
 
Outro dia reencontrei-o, depois de muitos anos. É juiz de
 
direito numa grande comarca, e parece satisfeito com a profis-
 
são. Hesitei em lhe perguntar sobre o gosto pela poesia, e ele,
 
parecendo adivinhar, confessou que havia publicado alguns li-
15
vros de poemas – “inteiramente despretensiosos”, frisou. Ficou de
 
me mandar um exemplar do último, que havia lançado
 
recentemente.
 
Hoje mesmo recebi o livro, trazido em casa por um ami-
 
go comum. Os poemas são muito bons; têm uma secura de es-
20
tilo que favorece a expressão depurada de finos sentimentos.
 
Busquei entrever naqueles versos algum traço bacharelesco,
 
alguma coisa que lembrasse a linguagem processual. Nada.
 
Não resisti e telefonei ao meu amigo, perguntando-lhe como
 
conseguiu elidir tão completamente sua formação e sua vida
25
profissional, freqüentando um gênero literário que costuma
 
impelir ao registro confessional. Sua resposta:
 
− Meu caro, a objetividade que tenho de ter para julgar
 
os outros comunica-se com a objetividade com que busco tratar
 
minhas paixões. Ser poeta é afinar palavra justas e precisos
30
sentimentos. Justeza e justiça podem ser irmãs.
 
E eu que nunca tinha pensado nisso...
(Ariovaldo Cerqueira, inédito)
Considerando-se o contexto, traduz-se corretamente o sentido de um segmento do texto em:

Questão 11

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
1
Duas linguagens
 
 
Na minha juventude, tive um grande amigo que era estu-
 
dante de Direito. Ele questionava muito sua vocação para os
5
estudos jurídicos, pois também alimentava enorme interesse
 
por literatura, sobretudo pela poesia, e não achava compatíveis
 
a linguagem de um código penal e a freqüentada pelos poetas.
 
Apesar de reconhecer essa diferença, eu o animava, sem muita
 
convicção, lembrando-lhe que grandes escritores tinham for-
10
mação jurídica, e esta não lhes travava o talento literário.
 
Outro dia reencontrei-o, depois de muitos anos. É juiz de
 
direito numa grande comarca, e parece satisfeito com a profis-
 
são. Hesitei em lhe perguntar sobre o gosto pela poesia, e ele,
 
parecendo adivinhar, confessou que havia publicado alguns li-
15
vros de poemas – “inteiramente despretensiosos”, frisou. Ficou de
 
me mandar um exemplar do último, que havia lançado
 
recentemente.
 
Hoje mesmo recebi o livro, trazido em casa por um ami-
 
go comum. Os poemas são muito bons; têm uma secura de es-
20
tilo que favorece a expressão depurada de finos sentimentos.
 
Busquei entrever naqueles versos algum traço bacharelesco,
 
alguma coisa que lembrasse a linguagem processual. Nada.
 
Não resisti e telefonei ao meu amigo, perguntando-lhe como
 
conseguiu elidir tão completamente sua formação e sua vida
25
profissional, freqüentando um gênero literário que costuma
 
impelir ao registro confessional. Sua resposta:
 
− Meu caro, a objetividade que tenho de ter para julgar
 
os outros comunica-se com a objetividade com que busco tratar
 
minhas paixões. Ser poeta é afinar palavra justas e precisos
30
sentimentos. Justeza e justiça podem ser irmãs.
 
E eu que nunca tinha pensado nisso...
(Ariovaldo Cerqueira, inédito)
A afirmação feita pelo juiz de que a objetividade para julgar alguém comunica-se com a objetividade poética na expressão das paixões salienta sua convicção de que:

Questão 12

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
1
Duas linguagens
 
 
Na minha juventude, tive um grande amigo que era estu-
 
dante de Direito. Ele questionava muito sua vocação para os
5
estudos jurídicos, pois também alimentava enorme interesse
 
por literatura, sobretudo pela poesia, e não achava compatíveis
 
a linguagem de um código penal e a freqüentada pelos poetas.
 
Apesar de reconhecer essa diferença, eu o animava, sem muita
 
convicção, lembrando-lhe que grandes escritores tinham for-
10
mação jurídica, e esta não lhes travava o talento literário.
 
Outro dia reencontrei-o, depois de muitos anos. É juiz de
 
direito numa grande comarca, e parece satisfeito com a profis-
 
são. Hesitei em lhe perguntar sobre o gosto pela poesia, e ele,
 
parecendo adivinhar, confessou que havia publicado alguns li-
15
vros de poemas – “inteiramente despretensiosos”, frisou. Ficou de
 
me mandar um exemplar do último, que havia lançado
 
recentemente.
 
Hoje mesmo recebi o livro, trazido em casa por um ami-
 
go comum. Os poemas são muito bons; têm uma secura de es-
20
tilo que favorece a expressão depurada de finos sentimentos.
 
Busquei entrever naqueles versos algum traço bacharelesco,
 
alguma coisa que lembrasse a linguagem processual. Nada.
 
Não resisti e telefonei ao meu amigo, perguntando-lhe como
 
conseguiu elidir tão completamente sua formação e sua vida
25
profissional, freqüentando um gênero literário que costuma
 
impelir ao registro confessional. Sua resposta:
 
− Meu caro, a objetividade que tenho de ter para julgar
 
os outros comunica-se com a objetividade com que busco tratar
 
minhas paixões. Ser poeta é afinar palavra justas e precisos
30
sentimentos. Justeza e justiça podem ser irmãs.
 
E eu que nunca tinha pensado nisso...
(Ariovaldo Cerqueira, inédito)
Está adequada a correlação entre tempos e modos verbais na frase:

Questão 13

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
1
Duas linguagens
 
 
Na minha juventude, tive um grande amigo que era estu-
 
dante de Direito. Ele questionava muito sua vocação para os
5
estudos jurídicos, pois também alimentava enorme interesse
 
por literatura, sobretudo pela poesia, e não achava compatíveis
 
a linguagem de um código penal e a freqüentada pelos poetas.
 
Apesar de reconhecer essa diferença, eu o animava, sem muita
 
convicção, lembrando-lhe que grandes escritores tinham for-
10
mação jurídica, e esta não lhes travava o talento literário.
 
Outro dia reencontrei-o, depois de muitos anos. É juiz de
 
direito numa grande comarca, e parece satisfeito com a profis-
 
são. Hesitei em lhe perguntar sobre o gosto pela poesia, e ele,
 
parecendo adivinhar, confessou que havia publicado alguns li-
15
vros de poemas – “inteiramente despretensiosos”, frisou. Ficou de
 
me mandar um exemplar do último, que havia lançado
 
recentemente.
 
Hoje mesmo recebi o livro, trazido em casa por um ami-
 
go comum. Os poemas são muito bons; têm uma secura de es-
20
tilo que favorece a expressão depurada de finos sentimentos.
 
Busquei entrever naqueles versos algum traço bacharelesco,
 
alguma coisa que lembrasse a linguagem processual. Nada.
 
Não resisti e telefonei ao meu amigo, perguntando-lhe como
 
conseguiu elidir tão completamente sua formação e sua vida
25
profissional, freqüentando um gênero literário que costuma
 
impelir ao registro confessional. Sua resposta:
 
− Meu caro, a objetividade que tenho de ter para julgar
 
os outros comunica-se com a objetividade com que busco tratar
 
minhas paixões. Ser poeta é afinar palavra justas e precisos
30
sentimentos. Justeza e justiça podem ser irmãs.
 
E eu que nunca tinha pensado nisso...
(Ariovaldo Cerqueira, inédito)
Todas as formas verbais estão corretamente empregadas e flexionadas na frase:

Questão 14

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
1
Duas linguagens
 
 
Na minha juventude, tive um grande amigo que era estu-
 
dante de Direito. Ele questionava muito sua vocação para os
5
estudos jurídicos, pois também alimentava enorme interesse
 
por literatura, sobretudo pela poesia, e não achava compatíveis
 
a linguagem de um código penal e a freqüentada pelos poetas.
 
Apesar de reconhecer essa diferença, eu o animava, sem muita
 
convicção, lembrando-lhe que grandes escritores tinham for-
10
mação jurídica, e esta não lhes travava o talento literário.
 
Outro dia reencontrei-o, depois de muitos anos. É juiz de
 
direito numa grande comarca, e parece satisfeito com a profis-
 
são. Hesitei em lhe perguntar sobre o gosto pela poesia, e ele,
 
parecendo adivinhar, confessou que havia publicado alguns li-
15
vros de poemas – “inteiramente despretensiosos”, frisou. Ficou de
 
me mandar um exemplar do último, que havia lançado
 
recentemente.
 
Hoje mesmo recebi o livro, trazido em casa por um ami-
 
go comum. Os poemas são muito bons; têm uma secura de es-
20
tilo que favorece a expressão depurada de finos sentimentos.
 
Busquei entrever naqueles versos algum traço bacharelesco,
 
alguma coisa que lembrasse a linguagem processual. Nada.
 
Não resisti e telefonei ao meu amigo, perguntando-lhe como
 
conseguiu elidir tão completamente sua formação e sua vida
25
profissional, freqüentando um gênero literário que costuma
 
impelir ao registro confessional. Sua resposta:
 
− Meu caro, a objetividade que tenho de ter para julgar
 
os outros comunica-se com a objetividade com que busco tratar
 
minhas paixões. Ser poeta é afinar palavra justas e precisos
30
sentimentos. Justeza e justiça podem ser irmãs.
 
E eu que nunca tinha pensado nisso...
(Ariovaldo Cerqueira, inédito)
Está adequado o emprego do elemento sublinhado na frase:

Questão 15

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
1
Duas linguagens
 
 
Na minha juventude, tive um grande amigo que era estu-
 
dante de Direito. Ele questionava muito sua vocação para os
5
estudos jurídicos, pois também alimentava enorme interesse
 
por literatura, sobretudo pela poesia, e não achava compatíveis
 
a linguagem de um código penal e a freqüentada pelos poetas.
 
Apesar de reconhecer essa diferença, eu o animava, sem muita
 
convicção, lembrando-lhe que grandes escritores tinham for-
10
mação jurídica, e esta não lhes travava o talento literário.
 
Outro dia reencontrei-o, depois de muitos anos. É juiz de
 
direito numa grande comarca, e parece satisfeito com a profis-
 
são. Hesitei em lhe perguntar sobre o gosto pela poesia, e ele,
 
parecendo adivinhar, confessou que havia publicado alguns li-
15
vros de poemas – “inteiramente despretensiosos”, frisou. Ficou de
 
me mandar um exemplar do último, que havia lançado
 
recentemente.
 
Hoje mesmo recebi o livro, trazido em casa por um ami-
 
go comum. Os poemas são muito bons; têm uma secura de es-
20
tilo que favorece a expressão depurada de finos sentimentos.
 
Busquei entrever naqueles versos algum traço bacharelesco,
 
alguma coisa que lembrasse a linguagem processual. Nada.
 
Não resisti e telefonei ao meu amigo, perguntando-lhe como
 
conseguiu elidir tão completamente sua formação e sua vida
25
profissional, freqüentando um gênero literário que costuma
 
impelir ao registro confessional. Sua resposta:
 
− Meu caro, a objetividade que tenho de ter para julgar
 
os outros comunica-se com a objetividade com que busco tratar
 
minhas paixões. Ser poeta é afinar palavra justas e precisos
30
sentimentos. Justeza e justiça podem ser irmãs.
 
E eu que nunca tinha pensado nisso...
(Ariovaldo Cerqueira, inédito)
O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se numa forma do plural para preencher corretamente a lacuna da frase:

Questão 16

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
Começa a executar a partir da ROM quando o hardware é ligado. Exerce a função de identificar o dispositivo do sistema a ser inicializado para, em última instância, executar o carregador de boot. Este enunciado define

Questão 17

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
O Windows XP possui um componente chamado “restauração do sistema” que atua sobre o registry. Esse componente salva periodicamente, além de outros estados de software,

Questão 18

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
FAT, RAID e FTP são siglas aplicáveis, respectivamente, a

Questão 19

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
A configuração de rede mais adequada para conectar computadores de − um pavimento − um estado − uma nação é, respectivamente:

Questão 20

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
O protocolo mais comum utilizado para dar suporte ao correio eletrônico é o

Questão 21

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
Quando o modo de substituição do editor BrOffice.org Writer estiver ativado, o cursor de texto terá o formato de

Questão 22

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
A exibição de um * (asterisco) em um determinado campo da barra de status da planilha BrOffice.org Calc indica que apenas

Questão 23

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
A personalização do Mozilla Thunderbird 2, por meio do gerenciamento de extensões e temas em um único lugar, ficou facilitada com o novo

Questão 24

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
A função Live Bookmarks do Mozilla Firefox 2 permite receber

Questão 25

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
O software que infecta um computador, cujo objetivo é criptografar arquivos nele armazenados e, na seqüência, cobrar um resgate do usuário para fornecer uma senha que possibilite decriptar os dados, é um malware do tipo

Questão 26

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
No que diz respeito aos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos, NÃO é considerado elemento da reunião, em local aberto ao público:

Questão 27

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
A liberdade da definição da forma de administração do sindicato corresponde ao direito de

Questão 28

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
No que concerne à Organização do Estado, se um Estado for dividido em vários novos Estados-membros, todos com personalidades diferentes, desaparecendo por completo o Estado-originário, ocorrerá a hipótese de alteração divisional interna denominada

Questão 29

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
A prerrogativa constitucional que protege o Deputado Federal em todas as suas manifestações que guardem relação com o exercício do mandato, exteriorizadas no âmbito do Congresso Nacional, é classificada como imunidade

Questão 30

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
Nos crimes de responsabilidade, após ser admitida a acusação por dois terços da Câmara dos Deputados, o Presidente da República será submetido a julgamento perante

Questão 31

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
Sobre a anulação do ato administrativo, é correto afirmar:

Questão 32

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
Determinado funcionário público é deslocado, de ofício, para outro local de trabalho, sem mudança de cargo, porém, no âmbito do mesmo quadro. Esse deslocamento, de acordo com a Lei que dispõe sobre o Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União, configura o instituto da

Questão 33

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
De acordo com a Lei no 9.784/99, que regula o processo administrativo no âmbito da Administração Pública Federal, a competência

Questão 34

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
Constitui ato de improbidade administrativa, importando enriquecimento ilícito,

Questão 35

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
Em igualdade de condições no processo de licitação, como critério de desempate, será assegurada preferência, sucessivamente, aos bens e serviços produzidos

Questão 36

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa

» Esta questão foi anulada pela banca.
Considere os conceitos abaixo, para os efeitos da Lei de Licitações:

I. Obras ou serviços feitos pelos órgãos e entidades da Administração, pelos próprios meios.

II. Quando se contrata a execução da obra ou do serviço por preço certo e total.

Estes conceitos referem-se, respectivamente, à

Questão 37

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
Referente à fase externa do pregão, é INCORRETO afirmar:

Questão 38

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
A respeito da Lei de Introdução ao Código Civil brasileiro, considere:

I. O penhor regula-se pela lei do domicílio que tiver a pessoa, em cuja posse se encontre a coisa empenhada.

II. A obrigação resultante de contrato reputa-se constituída no lugar em que residir o proponente.

III. A lei do domicílio do herdeiro ou legatário regula a capacidade para suceder.

IV. Dependem de homologação as sentenças meramente declaratórias do estado das pessoas proferidas no estrangeiro.

Está correto o que consta APENAS em

Questão 39

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
De acordo com o Código Civil brasileiro, a respeito da sociedade limitada, é correto afirmar:

Questão 40

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
A respeito do inadimplemento das obrigações, é INCORRETO afirmar:

Questão 41

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
Os partidos políticos, as associações públicas e as organizações religiosas são pessoas jurídicas de direito

Questão 42

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
Suspende-se o processo

Questão 43

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
Numa petição inicial, foram formulados dois pedidos para os quais a lei processual estabelece tipos diversos de procedimentos. Nesse caso,

Questão 44

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
Considere:

I. Testemunhas arroladas pelo autor.

II. Testemunhas arroladas pelo réu.

III. Depoimento pessoal do autor.

IV. Depoimento pessoal do réu.

V. Esclarecimentos do assistente técnico do autor.

De acordo com o Código de Processo Civil, essas provas serão produzidas na audiência na seguinte ordem:

Questão 45

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
Na execução de quantia certa contra devedor solvente, a penhora poderá recair sobre

Questão 46

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa

» Esta questão foi anulada pela banca.
Considere:

I. Estabilidade provisória assegurada ao empregado acidentado.

II. Estabilidade provisória assegurada à empregada gestante.

III. Vale-transporte.

IV. Adicional noturno e intervalo intrajornada.

V. Seguro-desemprego.

Em regra, são assegurados ao empregado doméstico os benefícios indicados APENAS em

Questão 47

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
Tratando-se de empregado com estabilidade de emprego que foi dispensado sem justa causa, no caso de se converter a reintegração em indenização dobrada, o direito aos salários é assegurado até a data

Questão 48

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
Considere:

I. Os depósitos do FGTS são corrigidos monetariamente, além de se capitalizarem juros de 12% ao ano.

II. A parcela do FGTS não incide sobre o período contratual resultante da projeção do aviso.

III. O parâmetro de cômputo do FGTS corresponde a 8% do complexo salarial mensal do obreiro, a par da média de gorjetas habitualmente recebidas, se houver.

IV. É permitido o saque do FGTS quando o trabalhador alcançar idade igual ou superior a setenta anos.

Está correto o que consta APENAS em

Questão 49

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
NÃO comporá a remuneração das férias

Questão 50

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
Joana possui 18 anos de idade. Catarina tem 21 anos de idade. Débora possui 13 anos de idade. João tem 23 anos de idade. Jean possui 30 anos de idade e é portador de deficiência. Nesses casos, estão compreendidos entre a idade mínima e a idade máxima prevista na legislação para celebrarem contrato de aprendizagem

Questão 51

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
Com relação ao contrato de trabalho por prazo determinado, considere:

I. Caberá aviso prévio nos contratos por prazo determinado que contenham cláusula assecuratória do direito recíproco de rescisão.

II. Em regra, o contrato de trabalho por prazo determinado não poderá ser estipulado por mais de dois anos.

III. O contrato de trabalho por prazo determinado não poderá ser prorrogado sob pena de ser considerado contrato por prazo indeterminado.

IV. Em regra, considera-se por prazo indeterminado todo contrato por prazo determinado que suceder, dentro de seis meses, outro contrato também por prazo determinado.

Está correto o que consta APENAS em

Questão 52

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
Com relação à extinção do contrato individual de trabalho em razão da prática, pelo empregado, de ato considerado falta grave caracterizador da justa causa da respectiva rescisão, é correto afirmar:

Questão 53

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa

» Esta questão foi anulada pela banca.
A respeito da composição do Tribunal Superior do Trabalho, é correto afirmar:

Questão 54

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
Compete à Justiça do Trabalho julgar as causas relativas

Questão 55

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
Uma reclamação trabalhista foi julgada improcedente, tendo a sentença sido publicada em audiência realizada no dia 18 de dezembro. Dia 19 de dezembro foi dia útil. De 20 de dezembro a 6 de janeiro ocorreu o recesso da Justiça do Trabalho. Dia 7 de janeiro foi segunda-feira, dia útil. Nesse caso, de acordo com o entendimento sumulado do Tribunal Superior do Trabalho, o prazo para interposição de recurso ordinário expirou-se no dia

Questão 56

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
Considere:

I. O reclamante juntou documento com a petição inicial, cuja assinatura foi impugnada pelo reclamado na contestação.

II. O reclamado alega ter terminado o contrato de trabalho e o reclamante sustenta a continuidade de sua vigência.

III. O reclamante pleiteia horas-extras que o reclamado alega não serem devidas em razão do exercício de cargo de direção.

Em tais situações, o ônus da prova é do

Questão 57

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
A respeito da prova testemunhal, é correto afirmar:

Questão 58

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
O reclamado não compareceu à audiência de instrução, mas, no dia seguinte, apresentou contestação. O juiz indeferiu a juntada desta por ser intempestiva e determinou que se aguardasse a audiência de julgamento já designada. Contra esse indeferimento, o reclamado

Questão 59

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
Considere:

I. O reclamante pleiteia o pagamento de verbas rescisórias; o reclamado pretende o ressarcimento de danos dolosos causados pelo reclamante e que foram a causa de sua despedida.

II. O reclamante pleiteia o pagamento de horas-extras e férias proporcionais; o reclamado quer a devolução do veículo cedido ao reclamante para uso em serviço.

III. O reclamante pleiteia o pagamento de verbas rescisórias; o reclamado pretende receber dívida contraída pelo reclamante em jogo realizado no recinto da empresa.

IV. O reclamante pleiteia o pagamento de verbas rescisórias; o reclamado pretende seja o empregado condenado por crimes de furto cometidos pelo reclamante no interior da empresa contra outros empregados.

O reclamado pode apresentar reconvenção nas hipóteses indicadas APENAS em

Questão 60

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Administrativa
A respeito da estrutura da sentença, é INCORRETO afirmar:



Provas de Concursos » Fcc 2008