×
Técnico Judiciário - Administrativa Analista Judiciário - Administrativa Analista Judiciário - Contabilidade Analista Judiciário - Estatística Analista Judiciário - Execução de Mandados Analista Judiciário - Tecnologia da Informação
×
TRT 2ª 2014 TRT 2ª 2018

TRT 2ª 2008

Analista Judiciário - Judiciária

Questão 1

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
1
Da timidez
 
Ser um tímido notório é uma contradição. O tímido tem
 
horror a ser notado, quanto mais a ser notório. Se ficou notório
 
por ser tímido, então tem que se explicar. Afinal, que retum-
5
bante timidez é essa, que atrai tanta atenção? Se ficou notório
 
apesar de ser tímido, talvez estivesse se enganando junto com
 
os outros e sua timidez seja apenas um estratagema para ser
 
notado. Tão secreto que nem ele sabe. É como no paradoxo
 
psicanalítico: só alguém que se acha muito superior procura o
10
analista para tratar um complexo de inferioridade, porque só ele
 
acha que se sentir inferior é doença.
 
Todo mundo é tímido, os que parecem mais tímidos são
 
apenas os mais salientes. Defendo a tese de que ninguém é
 
mais tímido do que o extrovertido. O extrovertido faz questão de
15
chamar atenção para sua extroversão, assim ninguém descobre
 
sua timidez. Já no notoriamente tímido a timidez que usa para
 
disfarçar sua extroversão tem o tamanho de um carro alegórico.
 
Segundo minha tese, dentro de cada Elke Maravilha* existe um
 
tímido tentando se esconder, e dentro de cada tímido existe um
20
exibido gritando: “Não me olhem! Não me olhem!”, só para
 
chamar a atenção.
 
O tímido nunca tem a menor dúvida de que, quando
 
entra numa sala, todas as atenções se voltam para ele e para
 
sua timidez espetacular. Se cochicham, é sobre ele. Se riem, é
25
dele. Mentalmente, o tímido nunca entra num lugar. Explode no
 
lugar, mesmo que chegue com a maciez estudada de uma
 
noviça. Para o tímido, não apenas todo mundo mas o próprio
 
destino não pensa em outra coisa a não ser nele e no que pode
 
fazer para embaraçá-lo.
30
* Atriz de TV muito extrovertida, identificada pela maquiagem e roupas
 
extravagantes.
(Luís Fernando Veríssimo, Comédias para se ler na escola)
Na abordagem da timidez, o autor se vale de contradições e paradoxos para demonstrar que:

Questão 2

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
1
Da timidez
 
Ser um tímido notório é uma contradição. O tímido tem
 
horror a ser notado, quanto mais a ser notório. Se ficou notório
 
por ser tímido, então tem que se explicar. Afinal, que retum-
5
bante timidez é essa, que atrai tanta atenção? Se ficou notório
 
apesar de ser tímido, talvez estivesse se enganando junto com
 
os outros e sua timidez seja apenas um estratagema para ser
 
notado. Tão secreto que nem ele sabe. É como no paradoxo
 
psicanalítico: só alguém que se acha muito superior procura o
10
analista para tratar um complexo de inferioridade, porque só ele
 
acha que se sentir inferior é doença.
 
Todo mundo é tímido, os que parecem mais tímidos são
 
apenas os mais salientes. Defendo a tese de que ninguém é
 
mais tímido do que o extrovertido. O extrovertido faz questão de
15
chamar atenção para sua extroversão, assim ninguém descobre
 
sua timidez. Já no notoriamente tímido a timidez que usa para
 
disfarçar sua extroversão tem o tamanho de um carro alegórico.
 
Segundo minha tese, dentro de cada Elke Maravilha* existe um
 
tímido tentando se esconder, e dentro de cada tímido existe um
20
exibido gritando: “Não me olhem! Não me olhem!”, só para
 
chamar a atenção.
 
O tímido nunca tem a menor dúvida de que, quando
 
entra numa sala, todas as atenções se voltam para ele e para
 
sua timidez espetacular. Se cochicham, é sobre ele. Se riem, é
25
dele. Mentalmente, o tímido nunca entra num lugar. Explode no
 
lugar, mesmo que chegue com a maciez estudada de uma
 
noviça. Para o tímido, não apenas todo mundo mas o próprio
 
destino não pensa em outra coisa a não ser nele e no que pode
 
fazer para embaraçá-lo.
30
* Atriz de TV muito extrovertida, identificada pela maquiagem e roupas
 
extravagantes.
(Luís Fernando Veríssimo, Comédias para se ler na escola)
Considerando-se o contexto do primeiro parágrafo, deduz-se da frase só ele acha que se sentir inferior é doença que, na opinião do autor:

Questão 3

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
1
Da timidez
 
Ser um tímido notório é uma contradição. O tímido tem
 
horror a ser notado, quanto mais a ser notório. Se ficou notório
 
por ser tímido, então tem que se explicar. Afinal, que retum-
5
bante timidez é essa, que atrai tanta atenção? Se ficou notório
 
apesar de ser tímido, talvez estivesse se enganando junto com
 
os outros e sua timidez seja apenas um estratagema para ser
 
notado. Tão secreto que nem ele sabe. É como no paradoxo
 
psicanalítico: só alguém que se acha muito superior procura o
10
analista para tratar um complexo de inferioridade, porque só ele
 
acha que se sentir inferior é doença.
 
Todo mundo é tímido, os que parecem mais tímidos são
 
apenas os mais salientes. Defendo a tese de que ninguém é
 
mais tímido do que o extrovertido. O extrovertido faz questão de
15
chamar atenção para sua extroversão, assim ninguém descobre
 
sua timidez. Já no notoriamente tímido a timidez que usa para
 
disfarçar sua extroversão tem o tamanho de um carro alegórico.
 
Segundo minha tese, dentro de cada Elke Maravilha* existe um
 
tímido tentando se esconder, e dentro de cada tímido existe um
20
exibido gritando: “Não me olhem! Não me olhem!”, só para
 
chamar a atenção.
 
O tímido nunca tem a menor dúvida de que, quando
 
entra numa sala, todas as atenções se voltam para ele e para
 
sua timidez espetacular. Se cochicham, é sobre ele. Se riem, é
25
dele. Mentalmente, o tímido nunca entra num lugar. Explode no
 
lugar, mesmo que chegue com a maciez estudada de uma
 
noviça. Para o tímido, não apenas todo mundo mas o próprio
 
destino não pensa em outra coisa a não ser nele e no que pode
 
fazer para embaraçá-lo.
30
* Atriz de TV muito extrovertida, identificada pela maquiagem e roupas
 
extravagantes.
(Luís Fernando Veríssimo, Comédias para se ler na escola)
Reconhece-se como em si mesma paradoxal a seguinte expressão do texto:

Questão 4

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
1
Da timidez
 
Ser um tímido notório é uma contradição. O tímido tem
 
horror a ser notado, quanto mais a ser notório. Se ficou notório
 
por ser tímido, então tem que se explicar. Afinal, que retum-
5
bante timidez é essa, que atrai tanta atenção? Se ficou notório
 
apesar de ser tímido, talvez estivesse se enganando junto com
 
os outros e sua timidez seja apenas um estratagema para ser
 
notado. Tão secreto que nem ele sabe. É como no paradoxo
 
psicanalítico: só alguém que se acha muito superior procura o
10
analista para tratar um complexo de inferioridade, porque só ele
 
acha que se sentir inferior é doença.
 
Todo mundo é tímido, os que parecem mais tímidos são
 
apenas os mais salientes. Defendo a tese de que ninguém é
 
mais tímido do que o extrovertido. O extrovertido faz questão de
15
chamar atenção para sua extroversão, assim ninguém descobre
 
sua timidez. Já no notoriamente tímido a timidez que usa para
 
disfarçar sua extroversão tem o tamanho de um carro alegórico.
 
Segundo minha tese, dentro de cada Elke Maravilha* existe um
 
tímido tentando se esconder, e dentro de cada tímido existe um
20
exibido gritando: “Não me olhem! Não me olhem!”, só para
 
chamar a atenção.
 
O tímido nunca tem a menor dúvida de que, quando
 
entra numa sala, todas as atenções se voltam para ele e para
 
sua timidez espetacular. Se cochicham, é sobre ele. Se riem, é
25
dele. Mentalmente, o tímido nunca entra num lugar. Explode no
 
lugar, mesmo que chegue com a maciez estudada de uma
 
noviça. Para o tímido, não apenas todo mundo mas o próprio
 
destino não pensa em outra coisa a não ser nele e no que pode
 
fazer para embaraçá-lo.
30
* Atriz de TV muito extrovertida, identificada pela maquiagem e roupas
 
extravagantes.
(Luís Fernando Veríssimo, Comédias para se ler na escola)
As normas de concordância verbal estão plenamente respeitadas em:

Questão 5

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
1
Da timidez
 
Ser um tímido notório é uma contradição. O tímido tem
 
horror a ser notado, quanto mais a ser notório. Se ficou notório
 
por ser tímido, então tem que se explicar. Afinal, que retum-
5
bante timidez é essa, que atrai tanta atenção? Se ficou notório
 
apesar de ser tímido, talvez estivesse se enganando junto com
 
os outros e sua timidez seja apenas um estratagema para ser
 
notado. Tão secreto que nem ele sabe. É como no paradoxo
 
psicanalítico: só alguém que se acha muito superior procura o
10
analista para tratar um complexo de inferioridade, porque só ele
 
acha que se sentir inferior é doença.
 
Todo mundo é tímido, os que parecem mais tímidos são
 
apenas os mais salientes. Defendo a tese de que ninguém é
 
mais tímido do que o extrovertido. O extrovertido faz questão de
15
chamar atenção para sua extroversão, assim ninguém descobre
 
sua timidez. Já no notoriamente tímido a timidez que usa para
 
disfarçar sua extroversão tem o tamanho de um carro alegórico.
 
Segundo minha tese, dentro de cada Elke Maravilha* existe um
 
tímido tentando se esconder, e dentro de cada tímido existe um
20
exibido gritando: “Não me olhem! Não me olhem!”, só para
 
chamar a atenção.
 
O tímido nunca tem a menor dúvida de que, quando
 
entra numa sala, todas as atenções se voltam para ele e para
 
sua timidez espetacular. Se cochicham, é sobre ele. Se riem, é
25
dele. Mentalmente, o tímido nunca entra num lugar. Explode no
 
lugar, mesmo que chegue com a maciez estudada de uma
 
noviça. Para o tímido, não apenas todo mundo mas o próprio
 
destino não pensa em outra coisa a não ser nele e no que pode
 
fazer para embaraçá-lo.
30
* Atriz de TV muito extrovertida, identificada pela maquiagem e roupas
 
extravagantes.
(Luís Fernando Veríssimo, Comédias para se ler na escola)
Transpondo-se para a voz passiva o segmento ninguém descobre sua timidez, a forma verbal resultante será:

Questão 6

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
1
Da timidez
 
Ser um tímido notório é uma contradição. O tímido tem
 
horror a ser notado, quanto mais a ser notório. Se ficou notório
 
por ser tímido, então tem que se explicar. Afinal, que retum-
5
bante timidez é essa, que atrai tanta atenção? Se ficou notório
 
apesar de ser tímido, talvez estivesse se enganando junto com
 
os outros e sua timidez seja apenas um estratagema para ser
 
notado. Tão secreto que nem ele sabe. É como no paradoxo
 
psicanalítico: só alguém que se acha muito superior procura o
10
analista para tratar um complexo de inferioridade, porque só ele
 
acha que se sentir inferior é doença.
 
Todo mundo é tímido, os que parecem mais tímidos são
 
apenas os mais salientes. Defendo a tese de que ninguém é
 
mais tímido do que o extrovertido. O extrovertido faz questão de
15
chamar atenção para sua extroversão, assim ninguém descobre
 
sua timidez. Já no notoriamente tímido a timidez que usa para
 
disfarçar sua extroversão tem o tamanho de um carro alegórico.
 
Segundo minha tese, dentro de cada Elke Maravilha* existe um
 
tímido tentando se esconder, e dentro de cada tímido existe um
20
exibido gritando: “Não me olhem! Não me olhem!”, só para
 
chamar a atenção.
 
O tímido nunca tem a menor dúvida de que, quando
 
entra numa sala, todas as atenções se voltam para ele e para
 
sua timidez espetacular. Se cochicham, é sobre ele. Se riem, é
25
dele. Mentalmente, o tímido nunca entra num lugar. Explode no
 
lugar, mesmo que chegue com a maciez estudada de uma
 
noviça. Para o tímido, não apenas todo mundo mas o próprio
 
destino não pensa em outra coisa a não ser nele e no que pode
 
fazer para embaraçá-lo.
30
* Atriz de TV muito extrovertida, identificada pela maquiagem e roupas
 
extravagantes.
(Luís Fernando Veríssimo, Comédias para se ler na escola)
Na frase Se ficou notório apesar de ser tímido, talvez estivesse se enganando junto com os outros (...), o segmento sublinhado pode ser substituído, sem prejuízo para o sentido e a correção, por:

Questão 7

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
1
Da timidez
 
Ser um tímido notório é uma contradição. O tímido tem
 
horror a ser notado, quanto mais a ser notório. Se ficou notório
 
por ser tímido, então tem que se explicar. Afinal, que retum-
5
bante timidez é essa, que atrai tanta atenção? Se ficou notório
 
apesar de ser tímido, talvez estivesse se enganando junto com
 
os outros e sua timidez seja apenas um estratagema para ser
 
notado. Tão secreto que nem ele sabe. É como no paradoxo
 
psicanalítico: só alguém que se acha muito superior procura o
10
analista para tratar um complexo de inferioridade, porque só ele
 
acha que se sentir inferior é doença.
 
Todo mundo é tímido, os que parecem mais tímidos são
 
apenas os mais salientes. Defendo a tese de que ninguém é
 
mais tímido do que o extrovertido. O extrovertido faz questão de
15
chamar atenção para sua extroversão, assim ninguém descobre
 
sua timidez. Já no notoriamente tímido a timidez que usa para
 
disfarçar sua extroversão tem o tamanho de um carro alegórico.
 
Segundo minha tese, dentro de cada Elke Maravilha* existe um
 
tímido tentando se esconder, e dentro de cada tímido existe um
20
exibido gritando: “Não me olhem! Não me olhem!”, só para
 
chamar a atenção.
 
O tímido nunca tem a menor dúvida de que, quando
 
entra numa sala, todas as atenções se voltam para ele e para
 
sua timidez espetacular. Se cochicham, é sobre ele. Se riem, é
25
dele. Mentalmente, o tímido nunca entra num lugar. Explode no
 
lugar, mesmo que chegue com a maciez estudada de uma
 
noviça. Para o tímido, não apenas todo mundo mas o próprio
 
destino não pensa em outra coisa a não ser nele e no que pode
 
fazer para embaraçá-lo.
30
* Atriz de TV muito extrovertida, identificada pela maquiagem e roupas
 
extravagantes.
(Luís Fernando Veríssimo, Comédias para se ler na escola)
Está clara e correta a redação do seguinte comentário sobre o texto:

Questão 8

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
1
Da timidez
 
Ser um tímido notório é uma contradição. O tímido tem
 
horror a ser notado, quanto mais a ser notório. Se ficou notório
 
por ser tímido, então tem que se explicar. Afinal, que retum-
5
bante timidez é essa, que atrai tanta atenção? Se ficou notório
 
apesar de ser tímido, talvez estivesse se enganando junto com
 
os outros e sua timidez seja apenas um estratagema para ser
 
notado. Tão secreto que nem ele sabe. É como no paradoxo
 
psicanalítico: só alguém que se acha muito superior procura o
10
analista para tratar um complexo de inferioridade, porque só ele
 
acha que se sentir inferior é doença.
 
Todo mundo é tímido, os que parecem mais tímidos são
 
apenas os mais salientes. Defendo a tese de que ninguém é
 
mais tímido do que o extrovertido. O extrovertido faz questão de
15
chamar atenção para sua extroversão, assim ninguém descobre
 
sua timidez. Já no notoriamente tímido a timidez que usa para
 
disfarçar sua extroversão tem o tamanho de um carro alegórico.
 
Segundo minha tese, dentro de cada Elke Maravilha* existe um
 
tímido tentando se esconder, e dentro de cada tímido existe um
20
exibido gritando: “Não me olhem! Não me olhem!”, só para
 
chamar a atenção.
 
O tímido nunca tem a menor dúvida de que, quando
 
entra numa sala, todas as atenções se voltam para ele e para
 
sua timidez espetacular. Se cochicham, é sobre ele. Se riem, é
25
dele. Mentalmente, o tímido nunca entra num lugar. Explode no
 
lugar, mesmo que chegue com a maciez estudada de uma
 
noviça. Para o tímido, não apenas todo mundo mas o próprio
 
destino não pensa em outra coisa a não ser nele e no que pode
 
fazer para embaraçá-lo.
30
* Atriz de TV muito extrovertida, identificada pela maquiagem e roupas
 
extravagantes.
(Luís Fernando Veríssimo, Comédias para se ler na escola)
Atente para as seguintes frases:

I. Não é possível estabelecer à medida que distancia um notório tímido de um notório extrovertido.

II. Não assiste às pessoas extrovertidas o privilégio exclusivo de se fazerem notar; também as tímidas chamam a atenção.

III. Ainda que com isso não se sintam à vontade, os tímidos costumam captar a atenção de todos.

Justifica-se o uso do sinal de crase SOMENTE em:

Questão 9

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
1
Duas linguagens
 
 
Na minha juventude, tive um grande amigo que era estu-
 
dante de Direito. Ele questionava muito sua vocação para os
5
estudos jurídicos, pois também alimentava enorme interesse
 
por literatura, sobretudo pela poesia, e não achava compatíveis
 
a linguagem de um código penal e a freqüentada pelos poetas.
 
Apesar de reconhecer essa diferença, eu o animava, sem muita
 
convicção, lembrando-lhe que grandes escritores tinham for-
10
mação jurídica, e esta não lhes travava o talento literário.
 
Outro dia reencontrei-o, depois de muitos anos. É juiz de
 
direito numa grande comarca, e parece satisfeito com a profis-
 
são. Hesitei em lhe perguntar sobre o gosto pela poesia, e ele,
 
parecendo adivinhar, confessou que havia publicado alguns li-
15
vros de poemas – “inteiramente despretensiosos”, frisou. Ficou de
 
me mandar um exemplar do último, que havia lançado
 
recentemente.
 
Hoje mesmo recebi o livro, trazido em casa por um ami-
 
go comum. Os poemas são muito bons; têm uma secura de es-
20
tilo que favorece a expressão depurada de finos sentimentos.
 
Busquei entrever naqueles versos algum traço bacharelesco,
 
alguma coisa que lembrasse a linguagem processual. Nada.
 
Não resisti e telefonei ao meu amigo, perguntando-lhe como
 
conseguiu elidir tão completamente sua formação e sua vida
25
profissional, freqüentando um gênero literário que costuma
 
impelir ao registro confessional. Sua resposta:
 
− Meu caro, a objetividade que tenho de ter para julgar
 
os outros comunica-se com a objetividade com que busco tratar
 
minhas paixões. Ser poeta é afinar palavra justas e precisos
30
sentimentos. Justeza e justiça podem ser irmãs.
 
E eu que nunca tinha pensado nisso...
(Ariovaldo Cerqueira, inédito)
O argumento em favor da plena compatibilidade entre a linguagem da poesia e a das práticas jurídicas está formulado na seguinte frase:

Questão 10

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
1
Duas linguagens
 
 
Na minha juventude, tive um grande amigo que era estu-
 
dante de Direito. Ele questionava muito sua vocação para os
5
estudos jurídicos, pois também alimentava enorme interesse
 
por literatura, sobretudo pela poesia, e não achava compatíveis
 
a linguagem de um código penal e a freqüentada pelos poetas.
 
Apesar de reconhecer essa diferença, eu o animava, sem muita
 
convicção, lembrando-lhe que grandes escritores tinham for-
10
mação jurídica, e esta não lhes travava o talento literário.
 
Outro dia reencontrei-o, depois de muitos anos. É juiz de
 
direito numa grande comarca, e parece satisfeito com a profis-
 
são. Hesitei em lhe perguntar sobre o gosto pela poesia, e ele,
 
parecendo adivinhar, confessou que havia publicado alguns li-
15
vros de poemas – “inteiramente despretensiosos”, frisou. Ficou de
 
me mandar um exemplar do último, que havia lançado
 
recentemente.
 
Hoje mesmo recebi o livro, trazido em casa por um ami-
 
go comum. Os poemas são muito bons; têm uma secura de es-
20
tilo que favorece a expressão depurada de finos sentimentos.
 
Busquei entrever naqueles versos algum traço bacharelesco,
 
alguma coisa que lembrasse a linguagem processual. Nada.
 
Não resisti e telefonei ao meu amigo, perguntando-lhe como
 
conseguiu elidir tão completamente sua formação e sua vida
25
profissional, freqüentando um gênero literário que costuma
 
impelir ao registro confessional. Sua resposta:
 
− Meu caro, a objetividade que tenho de ter para julgar
 
os outros comunica-se com a objetividade com que busco tratar
 
minhas paixões. Ser poeta é afinar palavra justas e precisos
30
sentimentos. Justeza e justiça podem ser irmãs.
 
E eu que nunca tinha pensado nisso...
(Ariovaldo Cerqueira, inédito)
Considerando-se o contexto, traduz-se corretamente o sentido de um segmento do texto em:

Questão 11

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
1
Duas linguagens
 
 
Na minha juventude, tive um grande amigo que era estu-
 
dante de Direito. Ele questionava muito sua vocação para os
5
estudos jurídicos, pois também alimentava enorme interesse
 
por literatura, sobretudo pela poesia, e não achava compatíveis
 
a linguagem de um código penal e a freqüentada pelos poetas.
 
Apesar de reconhecer essa diferença, eu o animava, sem muita
 
convicção, lembrando-lhe que grandes escritores tinham for-
10
mação jurídica, e esta não lhes travava o talento literário.
 
Outro dia reencontrei-o, depois de muitos anos. É juiz de
 
direito numa grande comarca, e parece satisfeito com a profis-
 
são. Hesitei em lhe perguntar sobre o gosto pela poesia, e ele,
 
parecendo adivinhar, confessou que havia publicado alguns li-
15
vros de poemas – “inteiramente despretensiosos”, frisou. Ficou de
 
me mandar um exemplar do último, que havia lançado
 
recentemente.
 
Hoje mesmo recebi o livro, trazido em casa por um ami-
 
go comum. Os poemas são muito bons; têm uma secura de es-
20
tilo que favorece a expressão depurada de finos sentimentos.
 
Busquei entrever naqueles versos algum traço bacharelesco,
 
alguma coisa que lembrasse a linguagem processual. Nada.
 
Não resisti e telefonei ao meu amigo, perguntando-lhe como
 
conseguiu elidir tão completamente sua formação e sua vida
25
profissional, freqüentando um gênero literário que costuma
 
impelir ao registro confessional. Sua resposta:
 
− Meu caro, a objetividade que tenho de ter para julgar
 
os outros comunica-se com a objetividade com que busco tratar
 
minhas paixões. Ser poeta é afinar palavra justas e precisos
30
sentimentos. Justeza e justiça podem ser irmãs.
 
E eu que nunca tinha pensado nisso...
(Ariovaldo Cerqueira, inédito)
A afirmação feita pelo juiz de que a objetividade para julgar alguém comunica-se com a objetividade poética na expressão das paixões salienta sua convicção de que:

Questão 12

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
1
Duas linguagens
 
 
Na minha juventude, tive um grande amigo que era estu-
 
dante de Direito. Ele questionava muito sua vocação para os
5
estudos jurídicos, pois também alimentava enorme interesse
 
por literatura, sobretudo pela poesia, e não achava compatíveis
 
a linguagem de um código penal e a freqüentada pelos poetas.
 
Apesar de reconhecer essa diferença, eu o animava, sem muita
 
convicção, lembrando-lhe que grandes escritores tinham for-
10
mação jurídica, e esta não lhes travava o talento literário.
 
Outro dia reencontrei-o, depois de muitos anos. É juiz de
 
direito numa grande comarca, e parece satisfeito com a profis-
 
são. Hesitei em lhe perguntar sobre o gosto pela poesia, e ele,
 
parecendo adivinhar, confessou que havia publicado alguns li-
15
vros de poemas – “inteiramente despretensiosos”, frisou. Ficou de
 
me mandar um exemplar do último, que havia lançado
 
recentemente.
 
Hoje mesmo recebi o livro, trazido em casa por um ami-
 
go comum. Os poemas são muito bons; têm uma secura de es-
20
tilo que favorece a expressão depurada de finos sentimentos.
 
Busquei entrever naqueles versos algum traço bacharelesco,
 
alguma coisa que lembrasse a linguagem processual. Nada.
 
Não resisti e telefonei ao meu amigo, perguntando-lhe como
 
conseguiu elidir tão completamente sua formação e sua vida
25
profissional, freqüentando um gênero literário que costuma
 
impelir ao registro confessional. Sua resposta:
 
− Meu caro, a objetividade que tenho de ter para julgar
 
os outros comunica-se com a objetividade com que busco tratar
 
minhas paixões. Ser poeta é afinar palavra justas e precisos
30
sentimentos. Justeza e justiça podem ser irmãs.
 
E eu que nunca tinha pensado nisso...
(Ariovaldo Cerqueira, inédito)
Está adequada a correlação entre tempos e modos verbais na frase:

Questão 13

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
1
Duas linguagens
 
 
Na minha juventude, tive um grande amigo que era estu-
 
dante de Direito. Ele questionava muito sua vocação para os
5
estudos jurídicos, pois também alimentava enorme interesse
 
por literatura, sobretudo pela poesia, e não achava compatíveis
 
a linguagem de um código penal e a freqüentada pelos poetas.
 
Apesar de reconhecer essa diferença, eu o animava, sem muita
 
convicção, lembrando-lhe que grandes escritores tinham for-
10
mação jurídica, e esta não lhes travava o talento literário.
 
Outro dia reencontrei-o, depois de muitos anos. É juiz de
 
direito numa grande comarca, e parece satisfeito com a profis-
 
são. Hesitei em lhe perguntar sobre o gosto pela poesia, e ele,
 
parecendo adivinhar, confessou que havia publicado alguns li-
15
vros de poemas – “inteiramente despretensiosos”, frisou. Ficou de
 
me mandar um exemplar do último, que havia lançado
 
recentemente.
 
Hoje mesmo recebi o livro, trazido em casa por um ami-
 
go comum. Os poemas são muito bons; têm uma secura de es-
20
tilo que favorece a expressão depurada de finos sentimentos.
 
Busquei entrever naqueles versos algum traço bacharelesco,
 
alguma coisa que lembrasse a linguagem processual. Nada.
 
Não resisti e telefonei ao meu amigo, perguntando-lhe como
 
conseguiu elidir tão completamente sua formação e sua vida
25
profissional, freqüentando um gênero literário que costuma
 
impelir ao registro confessional. Sua resposta:
 
− Meu caro, a objetividade que tenho de ter para julgar
 
os outros comunica-se com a objetividade com que busco tratar
 
minhas paixões. Ser poeta é afinar palavra justas e precisos
30
sentimentos. Justeza e justiça podem ser irmãs.
 
E eu que nunca tinha pensado nisso...
(Ariovaldo Cerqueira, inédito)
Todas as formas verbais estão corretamente empregadas e flexionadas na frase:

Questão 14

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
1
Duas linguagens
 
 
Na minha juventude, tive um grande amigo que era estu-
 
dante de Direito. Ele questionava muito sua vocação para os
5
estudos jurídicos, pois também alimentava enorme interesse
 
por literatura, sobretudo pela poesia, e não achava compatíveis
 
a linguagem de um código penal e a freqüentada pelos poetas.
 
Apesar de reconhecer essa diferença, eu o animava, sem muita
 
convicção, lembrando-lhe que grandes escritores tinham for-
10
mação jurídica, e esta não lhes travava o talento literário.
 
Outro dia reencontrei-o, depois de muitos anos. É juiz de
 
direito numa grande comarca, e parece satisfeito com a profis-
 
são. Hesitei em lhe perguntar sobre o gosto pela poesia, e ele,
 
parecendo adivinhar, confessou que havia publicado alguns li-
15
vros de poemas – “inteiramente despretensiosos”, frisou. Ficou de
 
me mandar um exemplar do último, que havia lançado
 
recentemente.
 
Hoje mesmo recebi o livro, trazido em casa por um ami-
 
go comum. Os poemas são muito bons; têm uma secura de es-
20
tilo que favorece a expressão depurada de finos sentimentos.
 
Busquei entrever naqueles versos algum traço bacharelesco,
 
alguma coisa que lembrasse a linguagem processual. Nada.
 
Não resisti e telefonei ao meu amigo, perguntando-lhe como
 
conseguiu elidir tão completamente sua formação e sua vida
25
profissional, freqüentando um gênero literário que costuma
 
impelir ao registro confessional. Sua resposta:
 
− Meu caro, a objetividade que tenho de ter para julgar
 
os outros comunica-se com a objetividade com que busco tratar
 
minhas paixões. Ser poeta é afinar palavra justas e precisos
30
sentimentos. Justeza e justiça podem ser irmãs.
 
E eu que nunca tinha pensado nisso...
(Ariovaldo Cerqueira, inédito)
Está adequado o emprego do elemento sublinhado na frase:

Questão 15

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
1
Duas linguagens
 
 
Na minha juventude, tive um grande amigo que era estu-
 
dante de Direito. Ele questionava muito sua vocação para os
5
estudos jurídicos, pois também alimentava enorme interesse
 
por literatura, sobretudo pela poesia, e não achava compatíveis
 
a linguagem de um código penal e a freqüentada pelos poetas.
 
Apesar de reconhecer essa diferença, eu o animava, sem muita
 
convicção, lembrando-lhe que grandes escritores tinham for-
10
mação jurídica, e esta não lhes travava o talento literário.
 
Outro dia reencontrei-o, depois de muitos anos. É juiz de
 
direito numa grande comarca, e parece satisfeito com a profis-
 
são. Hesitei em lhe perguntar sobre o gosto pela poesia, e ele,
 
parecendo adivinhar, confessou que havia publicado alguns li-
15
vros de poemas – “inteiramente despretensiosos”, frisou. Ficou de
 
me mandar um exemplar do último, que havia lançado
 
recentemente.
 
Hoje mesmo recebi o livro, trazido em casa por um ami-
 
go comum. Os poemas são muito bons; têm uma secura de es-
20
tilo que favorece a expressão depurada de finos sentimentos.
 
Busquei entrever naqueles versos algum traço bacharelesco,
 
alguma coisa que lembrasse a linguagem processual. Nada.
 
Não resisti e telefonei ao meu amigo, perguntando-lhe como
 
conseguiu elidir tão completamente sua formação e sua vida
25
profissional, freqüentando um gênero literário que costuma
 
impelir ao registro confessional. Sua resposta:
 
− Meu caro, a objetividade que tenho de ter para julgar
 
os outros comunica-se com a objetividade com que busco tratar
 
minhas paixões. Ser poeta é afinar palavra justas e precisos
30
sentimentos. Justeza e justiça podem ser irmãs.
 
E eu que nunca tinha pensado nisso...
(Ariovaldo Cerqueira, inédito)
O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se numa forma do plural para preencher corretamente a lacuna da frase:

Questão 16

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
Começa a executar a partir da ROM quando o hardware é ligado. Exerce a função de identificar o dispositivo do sistema a ser inicializado para, em última instância, executar o carregador de boot. Este enunciado define

Questão 17

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
O Windows XP possui um componente chamado “restauração do sistema” que atua sobre o registry. Esse componente salva periodicamente, além de outros estados de software,

Questão 18

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
FAT, RAID e FTP são siglas aplicáveis, respectivamente, a

Questão 19

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
A configuração de rede mais adequada para conectar computadores de − um pavimento − um estado − uma nação é, respectivamente:

Questão 20

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
O protocolo mais comum utilizado para dar suporte ao correio eletrônico é o

Questão 21

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
Quando o modo de substituição do editor BrOffice.org Writer estiver ativado, o cursor de texto terá o formato de

Questão 22

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
A exibição de um * (asterisco) em um determinado campo da barra de status da planilha BrOffice.org Calc indica que apenas

Questão 23

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
A personalização do Mozilla Thunderbird 2, por meio do gerenciamento de extensões e temas em um único lugar, ficou facilitada com o novo

Questão 24

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
A função Live Bookmarks do Mozilla Firefox 2 permite receber

Questão 25

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
O software que infecta um computador, cujo objetivo é criptografar arquivos nele armazenados e, na seqüência, cobrar um resgate do usuário para fornecer uma senha que possibilite decriptar os dados, é um malware do tipo

Questão 26

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
O Poder Constituinte originário caracteriza-se por ser

Questão 27

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
No que toca ao processo legislativo, é correto afirmar:

Questão 28

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
A capacidade eleitoral passiva é concernente ao direito político classificado por

Questão 29

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
Quanto à administração pública, o atributo do ato administrativo que garante seu integral cumprimento, a terceiros, independentemente de sua concordância, inclusive, se necessário for, com exigibilidade coercitiva, é o denominado de

Questão 30

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
No que diz respeito ao Poder Judiciário, considere:

I. Somente pelo voto da maioria absoluta de seus membros, ou dos membros do respectivo órgão especial, poderão os tribunais declarar a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo do Poder Público.

II. Ao Poder Judiciário é assegurada parcial autonomia administrativa e financeira, sendo que os tribunais elaborarão suas propostas orçamentárias dentro dos limites estipulados conjuntamente com os demais Poderes na lei de diretrizes orçamentárias.

III. O Presidente do Tribunal competente que, por ato comissivo ou omissivo, retardar ou tentar frustrar a liquidação regular de precatório incorrerá em crime de responsabilidade.

IV. Compete privativamente aos tribunais organizar suas secretarias e serviços auxiliares e os dos juízos que lhes forem vinculados, velando pelo exercício da atividade correicional respectiva. É correto o que consta APENAS em

Questão 31

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
Sobre os princípios básicos da Administração, considere:

I. Exigência de que a atividade administrativa seja exercida com presteza, perfeição e rendimento funcional.

II. A atuação da Administração Pública deve sempre ser dirigida a todos os administrados em geral, sem discriminação de qualquer natureza.

Essas afirmações referem-se, respectivamente, aos princípios da

Questão 32

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
Atos normativos são

Questão 33

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
Tício, funcionário público da União, opôs resistência injustificada ao andamento de processo que deveria movimentar. Considerando que foi a primeira vez que praticou tal conduta, ele está sujeito à penalidade prevista na Lei que dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, que consiste em

Questão 34

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária

» Esta questão foi anulada pela banca.
NÃO é proibido de atuar no processo administrativo o servidor ou autoridade que

Questão 35

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
Nas hipóteses de atos de improbidade administrativa que importam enriquecimento ilícito, o agente está sujeito, dentre outras penalidades, à suspensão dos direitos políticos de

Questão 36

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
De conformidade com a Lei do Pregão,

Questão 37

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
Corre normalmente a prescrição

Questão 38

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
Considere:

I. A lei do país onde for domiciliada a pessoa determina a regra sobre o começo e o fim da personalidade, o nome, a capacidade e os direitos de família.

II. Realizando-se o casamento no Brasil, será aplicada a lei brasileira quanto aos impedimentos dirimentes e às formalidades da celebração.

III. Tendo os nubentes domicílio diverso, regerá os casos de invalidade do matrimônio a lei do local da celebração.

IV. O casamento de estrangeiros poderá celebrar-se perante autoridades diplomáticas ou consulares do país de ambos os nubentes. É correto o que consta APENAS em

Questão 39

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
A respeito da cessão de crédito, é INCORRETO afirmar:

Questão 40

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
A respeito da novação, é correto afirmar:

Questão 41

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária

» Esta questão foi anulada pela banca.
Se ocorrer a revelia,

Questão 42

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária

» Esta questão foi anulada pela banca.
A respeito das partes e dos procuradores, é INCORRETO afirmar:

Questão 43

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
Numa ação ordinária movida contra cinco réus, Paulo foi pessoalmente citado por oficial de justiça, tendo o mandado de citação sido juntado aos autos em 10/09/2005; Pedro foi citado por edital, cujo prazo se expirou em 10/10/2005; João foi citado por carta rogatória, juntada aos autos em 13/11/2005; José foi citado por carta precatória, juntada aos autos em 15/11/ 2005; e Luiz foi citado pelo correio, tendo o aviso de recebimento sido juntado aos autos em 20/11/2005. O prazo para contestação em relação a Paulo começou a correr da data da juntada aos autos

Questão 44

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
A respeito das provas, é correto afirmar:

Questão 45

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
Na execução por quantia certa contra devedor solvente, ao despachar a inicial, o juiz fixou os honorários advocatícios a serem pagos pelo executado em 10% do valor da execução. Se o executado, citado, efetuar o pagamento da dívida no prazo de 3 dias, a verba honorária

Questão 46

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
Quanto ao empregado doméstico, considere:

I. É permitido ao empregador doméstico efetuar descontos no salário do empregado doméstico por fornecimento de vestuário.

II. Em nenhuma hipótese poderá o empregador doméstico efetuar desconto no salário do empregado doméstico por fornecimento de moradia.

III. As despesas pelo fornecimento de alimentação e higiene não têm natureza salarial nem se incorporam à remuneração do empregado para quaisquer efeitos.

IV. É vedada a dispensa arbitrária ou sem justa causa da empregada doméstica gestante, desde a confirmação da gravidez até 5 meses após o parto.

Está correto o que consta APENAS em

Questão 47

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
Hipoteticamente, considere que a Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a Prefeitura de São Paulo, a Empresa de Correios e Telégrafos (ECT) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) contrataram de forma irregular, por meio de empresa interposta, trabalhador terceirizado. Neste caso, tal contratação

Questão 48

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária

» Esta questão foi anulada pela banca.
No que concerne ao trabalho temporário, analise:

I. Empresas do mesmo grupo econômico não podem manter empresa de trabalho temporário para atender às demandas de suas co-irmãs.

II. O prazo máximo de duração do contrato celebrado entre a tomadora e fornecedora de mão-de-obra, em relação a um mesmo empregado é, em regra, de noventa dias.

III. É permitida a contratação de estrangeiro sob a modalidade de contrato de trabalho temporário quando portador de visto provisório no País.

IV. Em regra, ao trabalhador temporário é assegurado, dentre outros direitos, adicional noturno, aviso prévio e o salário-maternidade.

Está correto o que consta APENAS em

Questão 49

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
A empresa privada Amarílis cessou suas atividades pagando indenização simples para seus funcionários. A empresa privada Violeta cessou suas atividades pagando indenização em dobro para seus funcionários. Nestes casos, o pagamento da indenização

Questão 50

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
Com relação às Convenções Coletivas de Trabalho e aos Acordos Coletivos de Trabalho, é INCORRETO afirmar:

Questão 51

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
No que se refere à estabilidade, analise:

I. A estabilidade provisória do cipeiro constitui, além de uma vantagem pessoal, uma garantia para as atividades dos membros da CIPA.

II. O empregado de categoria diferenciada eleito dirigente sindical só goza de estabilidade se exercer na empresa atividade pertinente à categoria profissional do sindicato para o qual foi eleito dirigente.

III. Havendo extinção da atividade empresarial no âmbito da base territorial do sindicato, não subsiste a estabilidade do dirigente sindical.

IV. O registro da candidatura do empregado a cargo de dirigente sindical durante o período de aviso prévio, ainda que indenizado, não lhe assegura a estabilidade.

De acordo com o entendimento Sumulado do Tribunal Superior do Trabalho, está correto o que consta APENAS em

Questão 52

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
Raimunda é garçonete no restaurante do TIO TITO e recebe, além do seu salário mensal, gorjetas fornecidas espontaneamente pelos clientes. Neste caso, as gorjetas

Questão 53

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
Considere:

I. A reclamação trabalhista A tem como partes Maria e sua ex-empregada doméstica Ursula.

II. A reclamação trabalhista B tem como partes a micro-empresa SAPO e seu ex-empregado João.

III. A reclamação trabalhista C tem como partes a sociedade anônima RATO e seu ex-empregado Domingos.

IV. A reclamação trabalhista D tem como partes a empresa privada ROMA e sua ex-funcionária Vânia.

Para se fazerem representados em audiência, o preposto deverá ser necessariamente empregado do(a) reclamado(a)

APENAS nas demandas indicadas em

Questão 54

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
No que diz respeito à Ação de Cumprimento, considere:

I. É dispensável o trânsito em julgado da sentença normativa para a propositura da ação de cumprimento.

II. Procede ação rescisória calcada em ofensa à coisa julgada perpetrada por decisão proferida em ação de cumprimento, em face da sentença normativa, na qual se louvava ter sido modificada em grau de recurso.

III. Há legitimidade concorrente para a propositura da ação de cumprimento, uma vez que tanto o sindicato quanto os empregados poderão propô-la.

IV. A competência para processar e julgar ação de cumprimento é, em regra, do Tribunal Regional do Trabalho de competência do local da prestação do serviço.

Está correto o que consta APENAS em

Questão 55

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
O recurso adesivo é compatível com o processo do trabalho e cabe, no prazo de oito dias, na hipótese de interposição, APENAS, de recursos

Questão 56

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária

» Esta questão foi anulada pela banca.
Considere:

I. Dissídio individual com decisão contrária à Fazenda Pública, com conseqüente condenação correspondente a R$ 35.000,00.

II. Dissídio individual com decisão contrária à Fazenda Pública mas em consonância com orientação jurisprudencial do Tribunal Superior do Trabalho.

III. Ação rescisória com decisão proferida pelo juízo de primeiro grau desfavorável ao ente público condenando a Fazenda Pública em R$ 25.000,00.

IV. Mandado de segurança em matéria trabalhista no qual figura, na relação processual, pessoa jurídica de direito público como parte prejudicada pela concessão da ordem.

Estão obrigatoriamente sujeitas ao duplo grau de jurisdição as demandas indicadas APENAS em

Questão 57

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
A competência originária para apreciar e julgar mandado de segurança impetrado em face de decisão do Tribunal Regional do Trabalho da Segunda Região é

Questão 58

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
Considere as assertivas abaixo a respeito do pressuposto recursal específico do prequestionamento:

I. Em regra, diz-se prequestionada a matéria ou questão quando na decisão impugnada haja sido adotada, explicitamente, tese a respeito.

II. Considera-se prequestionada a questão jurídica invocada no recurso principal sobre a qual se omite o Tribunal de pronunciar tese, não obstante opostos embargos de declaração.

III. O prequestionamento só é exigível em recurso de natureza extraordinária, como o recurso de revista e os embargos para a Seção de Dissídios Individuais do Tribunal Superior do Trabalho.

IV. Deve-se exigir o prequestionamento quando a violação à disposição literal de lei surge no próprio acórdão impugnado pelo recurso de revista.

Está correto o que consta APENAS em

Questão 59

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
Com relação ao mandato e ao substabelecimento, é correto afirmar:

Questão 60

TRT 2ª 2008 - FCC - Analista Judiciário - Judiciária
A notificação presume-se recebida



Provas de Concursos » Fcc 2008