×
Técnico de Nível Superior II - Suporte Administrativo - Administração Técnico de Nível Superior - Suporte Administrativo Operacional Técnico de Nível Superior II - Suporte Administrativo - Ciências Contábeis Técnico de Nível Médio II - Operacional Técnico de Nível Superior II - Suporte Administrativo - Direito Técnico de Nível Superior II - Suporte Administrativo - Economia ou Gestão Financeira
×
Pref. Salvador/BA 2019

Pref. Salvador/BA 2017

Técnico de Nível Médio I - Atendimento

Questão 1

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
Muito antes das discussões atuais sobre as mudanças climáticas, os cataclismos naturais despertam interesse no homem. Os
 
desastres são um capítulo trágico da história da humanidade desde tempos longínquos. Supostas inundações catastróficas aparecem
 
em relatos de várias culturas ao longo dos tempos, desde os antigos mesopotâmicos e gregos até os maias e os vikings.
 
Fora da rota dos grandes furacões, sem vulcões ativos e desprovido de zonas habitadas sujeitas a terremotos, o Brasil não
5
figura entre os países mais suscetíveis a desastres naturais. Contudo, a aparência de lugar protegido dos humores do clima e dos
 
solavancos da geologia deve ser relativizada. Aqui, cerca de 85% dos desastres são causados por três tipos de ocorrências: inun-
 
dações bruscas, deslizamentos de terra e secas prolongadas. Esses fenômenos são relativamente recorrentes em zonas tropicais, e
 
seus efeitos podem ser atenuados por políticas públicas de redução de danos.
 
Dois estudos feitos por pesquisadores brasileiros indicam que o risco de ocorrência desses três tipos de desastre deverá
10
aumentar até o final do século. Eles também sinalizam que novos pontos do território nacional deverão se transformar em áreas de
 
risco significativo para esses mesmos problemas. “Os impactos tendem a ser maiores no futuro, com as mudanças climáticas, o
 
crescimento das cidades e a ocupação de mais áreas de risco”, comenta o pesquisador José A. Marengo.
 
Além da suscetibilidade natural a secas, enchentes, deslizamentos e outros desastres, a ação do homem tem um peso
 
considerável em transformar o que poderia ser um problema de menor monta em uma catástrofe. Os pesquisadores estimam que um
15
terço do impacto dos deslizamentos de terra e metade dos estragos de inundações poderiam ser evitados com alterações de práticas
 
humanas ligadas à ocupação do solo e a melhorias nas condições socioeconômicas da população em áreas de risco.
 
Moradias precárias em lugares inadequados, perto de encostas ou em pontos de alagamento, cidades superpopulosas e
 
impermeabilizadas, que não escoam a água da chuva; esses fatores da cultura humana podem influenciar o desfecho de uma
 
situação de risco. “Até hábitos cotidianos, como não jogar lixo na rua, e o nível de solidariedade de uma população podem ao menos
20
mitigar os impactos de um desastre”, pondera a geógrafa Lucí Hidalgo Nunes.
(Adaptado de PIVETTA, Marcos. Disponível em: http://revistapesquisa.fapesp.br)
Contudo, a aparência de lugar protegido dos humores do clima e dos solavancos da geologia deve ser relativizada. (2º parágrafo)

Considerado o contexto, o elemento sublinhado na frase acima introduz uma

Questão 2

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
O chamado “fumante passivo” é aquele indivíduo que não fuma,
 
mas que acaba respirando a fumaça dos cigarros fumados ao seu
 
redor. Até hoje, discutem-se muito os efeitos do fumo passivo,
 
mas uma coisa é certa: quem não fuma não é obrigado a respirar
5
a fumaça dos outros.
 
O fumo passivo é um problema de saúde pública em todos os
 
países do mundo. Na Europa, estima-se que 70% das pessoas
 
estão expostas à fumaça “de segunda mão”, enquanto, nos
 
Estados Unidos, 88% dos não fumantes acabam fumando
10
passivamente. A Sociedade do Câncer da Nova Zelândia informa
 
que o fumo passivo é a terceira entre as principais causas de
 
morte no país, depois do fumo ativo e do consumo de álcool.
(Disponível em www.terra.com.br. Acesso em 28 de agosto de 2016)
No texto 1 aparecem dois termos com aspas: “fumante passivo” e “de segunda mão”.

Sobre o emprego das aspas nesses dois casos, assinale a afirmativa correta.

Questão 3

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
O chamado “fumante passivo” é aquele indivíduo que não fuma,
 
mas que acaba respirando a fumaça dos cigarros fumados ao seu
 
redor. Até hoje, discutem-se muito os efeitos do fumo passivo,
 
mas uma coisa é certa: quem não fuma não é obrigado a respirar
5
a fumaça dos outros.
 
O fumo passivo é um problema de saúde pública em todos os
 
países do mundo. Na Europa, estima-se que 70% das pessoas
 
estão expostas à fumaça “de segunda mão”, enquanto, nos
 
Estados Unidos, 88% dos não fumantes acabam fumando
10
passivamente. A Sociedade do Câncer da Nova Zelândia informa
 
que o fumo passivo é a terceira entre as principais causas de
 
morte no país, depois do fumo ativo e do consumo de álcool.
(Disponível em www.terra.com.br. Acesso em 28 de agosto de 2016)
O chamado ´fumante passivo´ é aquele indivíduo que não fuma, mas que acaba respirando a fumaça dos cigarros fumados ao seu redor”.

Nesse segmento do texto 1, a expressão “acaba respirando” apresenta uma ideia de

Questão 4

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
O chamado “fumante passivo” é aquele indivíduo que não fuma,
 
mas que acaba respirando a fumaça dos cigarros fumados ao seu
 
redor. Até hoje, discutem-se muito os efeitos do fumo passivo,
 
mas uma coisa é certa: quem não fuma não é obrigado a respirar
5
a fumaça dos outros.
 
O fumo passivo é um problema de saúde pública em todos os
 
países do mundo. Na Europa, estima-se que 70% das pessoas
 
estão expostas à fumaça “de segunda mão”, enquanto, nos
 
Estados Unidos, 88% dos não fumantes acabam fumando
10
passivamente. A Sociedade do Câncer da Nova Zelândia informa
 
que o fumo passivo é a terceira entre as principais causas de
 
morte no país, depois do fumo ativo e do consumo de álcool.
(Disponível em www.terra.com.br. Acesso em 28 de agosto de 2016)
Há duas ocorrências do pronome se no texto 1: “discutem-se” e “estima-se”.

Sobre esse emprego, assinale a afirmativa correta.

Questão 5

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
O chamado “fumante passivo” é aquele indivíduo que não fuma,
 
mas que acaba respirando a fumaça dos cigarros fumados ao seu
 
redor. Até hoje, discutem-se muito os efeitos do fumo passivo,
 
mas uma coisa é certa: quem não fuma não é obrigado a respirar
5
a fumaça dos outros.
 
O fumo passivo é um problema de saúde pública em todos os
 
países do mundo. Na Europa, estima-se que 70% das pessoas
 
estão expostas à fumaça “de segunda mão”, enquanto, nos
 
Estados Unidos, 88% dos não fumantes acabam fumando
10
passivamente. A Sociedade do Câncer da Nova Zelândia informa
 
que o fumo passivo é a terceira entre as principais causas de
 
morte no país, depois do fumo ativo e do consumo de álcool.
(Disponível em www.terra.com.br. Acesso em 28 de agosto de 2016)
“...cigarros fumados ao seu redor.” A expressão “ao seu redor” só não equivale a

Questão 6

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
O chamado “fumante passivo” é aquele indivíduo que não fuma,
 
mas que acaba respirando a fumaça dos cigarros fumados ao seu
 
redor. Até hoje, discutem-se muito os efeitos do fumo passivo,
 
mas uma coisa é certa: quem não fuma não é obrigado a respirar
5
a fumaça dos outros.
 
O fumo passivo é um problema de saúde pública em todos os
 
países do mundo. Na Europa, estima-se que 70% das pessoas
 
estão expostas à fumaça “de segunda mão”, enquanto, nos
 
Estados Unidos, 88% dos não fumantes acabam fumando
10
passivamente. A Sociedade do Câncer da Nova Zelândia informa
 
que o fumo passivo é a terceira entre as principais causas de
 
morte no país, depois do fumo ativo e do consumo de álcool.
(Disponível em www.terra.com.br. Acesso em 28 de agosto de 2016)
Da leitura do texto 1, pode-se concluir que

Questão 7

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Leia a frase a seguir.

Entre os efeitos positivos do fumo inclui-se a economia com o sistema de saúde por causa da mortalidade prematura do fumante”.

Assinale a opção que apresenta a maneira de reescrever-se essa frase em que o emprego de vírgulas é adequado.

Questão 8

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
A amizade é um exercício de limites afetivos em permanente desejo de expansão. Por mais completa que pareça ser uma
 
relação de amizade, ela vive também do que lhe falta e da esperança de que um dia nada venha a faltar. Com o tempo, aprendemos
 
a esperar menos e a nos satisfazer com a finitude dos sentimentos nossos e alheios, embora no fundo de nós ainda esperemos a
 
súbita novidade que o amigo saberá revelar. Sendo um exercício bem-sucedido de tolerância e paciência – amplamente recom-
5
pensadas, diga-se – a amizade é também a ansiedade e a expectativa de descobrirmos em nós, por intermédio do amigo, uma
 
dimensão desconhecida do nosso ser.
 
Há quem julgue que cabe ao amigo reconhecer e estimular nossas melhores qualidades. Mas por que não esperar que o valor
 
maior da amizade está em ser ela um necessário e fiel espelho de nossos defeitos? Não é preciso contar com o amigo para
 
conhecermos melhor nossas mais agudas imperfeições? Não cabe ao amigo a sinceridade de quem aponta nossa falha, pela
10
esperança de que venhamos a corrigi-la? Se o nosso adversário aponta nossas faltas no tom destrutivo de uma acusação, o amigo as
 
identifica com lealdade, para que nos compreendamos melhor.
 
Quando um amigo verdadeiro, por contingência da vida ou imposição da morte, é afastado de nós, ficam dele, em nossa
 
consciência, seus valores, seus juízos, suas percepções. Perguntas como “O que diria ele sobre isso?” ou “O que faria ele com isso?”
 
passam a nos ocorrer: são perspectivas dele que se fixaram e continuam a agir como um parâmetro vivo e importante. As marcas da
15
amizade não desaparecem com a ausência do amigo, nem se enfraquecem como memórias pálidas: continuam a ser referências
 
para o que fazemos e pensamos.
(CALÓGERAS, Bruno, inédito)
Considere as seguintes afirmações:

I. No primeiro parágrafo, há a sugestão de que a tolerância e a paciência, qualidades positivas mas dispensáveis entre amigos verdadeiros, dão lugar à recompensa da incondicionalidade do afeto.
II. No segundo parágrafo, expressa-se a convicção de que o amigo verdadeiro não apenas releva nossos defeitos como também é capaz de convertê-los em qualidades nossas.
III. No terceiro parágrafo, considera-se que da ausência ocasional ou definitiva do amigo não resulta que seus valores e seus pontos de vista deixem de atuar dentro de nossa consciência.

Em relação ao texto está correto o que se afirma em

Questão 9

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
Observe a charge a seguir.
 
O argumento utilizado pela morte para convencer o fumante apela para

Questão 10

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
Observe a charge a seguir.
 
Já o argumento do chargista em relação ao leitor apela para

Questão 11

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
Uma em cada onze crianças com idade entre 8 e 16 anos está
 
infeliz, segundo um estudo divulgado em janeiro deste ano
 
[2012] pela Children’s Society.
 
Apesar de a pesquisa trazer à tona uma realidade do Reino
5
Unido, especialistas brasileiros em saúde infantil afirmam que
 
esse não é um problema exclusivo das crianças britânicas. Para
 
eles, mais do que infelizes, elas estão ansiosas, estressadas,
 
deprimidas e sobrecarregadas. “As crianças de hoje estão
 
desconfortáveis com a infância”, diz a Coordenadora da Unidade
10
de Psiquiatria da Infância e Adolescência da Universidade Federal
 
de São Paulo (Unifesp).
Veja, 12 de fevereiro de 2012.
O título do texto 2 fala de “crianças infelizes”. A causa dessa infelicidade, segundo a leitura, é

Questão 12

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
Uma em cada onze crianças com idade entre 8 e 16 anos está
 
infeliz, segundo um estudo divulgado em janeiro deste ano
 
[2012] pela Children’s Society.
 
Apesar de a pesquisa trazer à tona uma realidade do Reino
5
Unido, especialistas brasileiros em saúde infantil afirmam que
 
esse não é um problema exclusivo das crianças britânicas. Para
 
eles, mais do que infelizes, elas estão ansiosas, estressadas,
 
deprimidas e sobrecarregadas. “As crianças de hoje estão
 
desconfortáveis com a infância”, diz a Coordenadora da Unidade
10
de Psiquiatria da Infância e Adolescência da Universidade Federal
 
de São Paulo (Unifesp).
Veja, 12 de fevereiro de 2012.
A indicação do ano [2012] entre colchetes é necessária porque

Questão 13

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
Uma em cada onze crianças com idade entre 8 e 16 anos está
 
infeliz, segundo um estudo divulgado em janeiro deste ano
 
[2012] pela Children’s Society.
 
Apesar de a pesquisa trazer à tona uma realidade do Reino
5
Unido, especialistas brasileiros em saúde infantil afirmam que
 
esse não é um problema exclusivo das crianças britânicas. Para
 
eles, mais do que infelizes, elas estão ansiosas, estressadas,
 
deprimidas e sobrecarregadas. “As crianças de hoje estão
 
desconfortáveis com a infância”, diz a Coordenadora da Unidade
10
de Psiquiatria da Infância e Adolescência da Universidade Federal
 
de São Paulo (Unifesp).
Veja, 12 de fevereiro de 2012.
Apesar de a pesquisa trazer à tona uma realidade do Reino Unido...

Assinale a opção que apresenta a maneira adequada de reescrever-se essa frase do texto sem alteração do seu sentido original.

Questão 14

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
Uma em cada onze crianças com idade entre 8 e 16 anos está
 
infeliz, segundo um estudo divulgado em janeiro deste ano
 
[2012] pela Children’s Society.
 
Apesar de a pesquisa trazer à tona uma realidade do Reino
5
Unido, especialistas brasileiros em saúde infantil afirmam que
 
esse não é um problema exclusivo das crianças britânicas. Para
 
eles, mais do que infelizes, elas estão ansiosas, estressadas,
 
deprimidas e sobrecarregadas. “As crianças de hoje estão
 
desconfortáveis com a infância”, diz a Coordenadora da Unidade
10
de Psiquiatria da Infância e Adolescência da Universidade Federal
 
de São Paulo (Unifesp).
Veja, 12 de fevereiro de 2012.
Apesar de a pesquisa trazer à tona uma realidade do Reino Unido, ...”.

Nessa frase do texto 2, a expressão sublinhada equivale a

Questão 15

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
Uma em cada onze crianças com idade entre 8 e 16 anos está
 
infeliz, segundo um estudo divulgado em janeiro deste ano
 
[2012] pela Children’s Society.
 
Apesar de a pesquisa trazer à tona uma realidade do Reino
5
Unido, especialistas brasileiros em saúde infantil afirmam que
 
esse não é um problema exclusivo das crianças britânicas. Para
 
eles, mais do que infelizes, elas estão ansiosas, estressadas,
 
deprimidas e sobrecarregadas. “As crianças de hoje estão
 
desconfortáveis com a infância”, diz a Coordenadora da Unidade
10
de Psiquiatria da Infância e Adolescência da Universidade Federal
 
de São Paulo (Unifesp).
Veja, 12 de fevereiro de 2012.
Para eles, mais do que infelizes, elas estão ansiosas...

Nesse caso, os pronomes sublinhados referem-se, respectivamente, a

Questão 16

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
Uma em cada onze crianças com idade entre 8 e 16 anos está
 
infeliz, segundo um estudo divulgado em janeiro deste ano
 
[2012] pela Children’s Society.
 
Apesar de a pesquisa trazer à tona uma realidade do Reino
5
Unido, especialistas brasileiros em saúde infantil afirmam que
 
esse não é um problema exclusivo das crianças britânicas. Para
 
eles, mais do que infelizes, elas estão ansiosas, estressadas,
 
deprimidas e sobrecarregadas. “As crianças de hoje estão
 
desconfortáveis com a infância”, diz a Coordenadora da Unidade
10
de Psiquiatria da Infância e Adolescência da Universidade Federal
 
de São Paulo (Unifesp).
Veja, 12 de fevereiro de 2012.
Um segmento do texto aparece entre aspas por que

Questão 17

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
Vale a pena investir em energia nuclear no Brasil?
 
Creio que ainda não temos estudos suficientes para o uso da
 
energia nuclear, principalmente em um país como o Brasil, onde
 
a estrutura e a segurança dificilmente são prioridades. Acho que
5
devíamos investir em outros métodos de energia, alguma energia
 
sustentável e segura. Agora devemos nos preocupar um pouco
 
mais com o planeta e com a segurança das pessoas, para garantir
 
um futuro.
O Estado de São Paulo, 18 de março de 2011.
O texto 3 expressa

Questão 18

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
Vale a pena investir em energia nuclear no Brasil?
 
Creio que ainda não temos estudos suficientes para o uso da
 
energia nuclear, principalmente em um país como o Brasil, onde
 
a estrutura e a segurança dificilmente são prioridades. Acho que
5
devíamos investir em outros métodos de energia, alguma energia
 
sustentável e segura. Agora devemos nos preocupar um pouco
 
mais com o planeta e com a segurança das pessoas, para garantir
 
um futuro.
O Estado de São Paulo, 18 de março de 2011.
O texto 3 tem por título a pergunta:

Vale a pena investir na energia nuclear no Brasil? "

Em relação a essa pergunta, o texto

Questão 19

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
Vale a pena investir em energia nuclear no Brasil?
 
Creio que ainda não temos estudos suficientes para o uso da
 
energia nuclear, principalmente em um país como o Brasil, onde
 
a estrutura e a segurança dificilmente são prioridades. Acho que
5
devíamos investir em outros métodos de energia, alguma energia
 
sustentável e segura. Agora devemos nos preocupar um pouco
 
mais com o planeta e com a segurança das pessoas, para garantir
 
um futuro.
O Estado de São Paulo, 18 de março de 2011.
O texto fala de “energia sustentável”; o termo “sustentável” se refere à energia

Questão 20

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Vale a pena investir em energia nuclear no Brasil?

Creio que ainda não temos estudos suficientes para o uso da energia nuclear, principalmente em um país como o Brasil, onde a estrutura e a segurança dificilmente são prioridades. Acho que devíamos investir em outros métodos de energia, alguma energia sustentável e segura. Agora devemos nos preocupar um pouco mais com o planeta e com a segurança das pessoas, para garantir um futuro.
O Estado de São Paulo, 18 de março de 2011

Assinale a opção que indica o termo sublinhado que se refere a um outro termo anterior do texto.

Questão 21

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Joana e Antônio marcaram um encontro na porta de um cinema. Antônio chegou às 19h23 e Joana chegou às 20h11.

Antônio esperou por Joana durante

Questão 22

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Vinte times vão disputar um campeonato de vôlei no qual, a cada jogo, o perdedor é eliminado do campeonato.

Para definir o campeão, são necessários

Questão 23

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Em um determinado mapa, 13 cm representam 91 km. Nesse mesmo mapa, 23 cm representam

Questão 24

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Oito árvores foram plantadas de um mesmo lado, ao longo de uma rodovia em linha reta. A distância entre árvores consecutivas é sempre a mesma.

Se a distância entre a primeira e a sexta árvores é de 600 m, então a distância entre a quarta e a oitava árvores é de

Questão 25

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Raul tem 96 anos. Teotônio tem um terço da idade de Raul e Sara tem 9 anos a mais do que Teotônio.

Assinale a opção que indica a idade de Sara.

Questão 26

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
A amizade é um exercício de limites afetivos em permanente desejo de expansão. Por mais completa que pareça ser uma
 
relação de amizade, ela vive também do que lhe falta e da esperança de que um dia nada venha a faltar. Com o tempo, aprendemos
 
a esperar menos e a nos satisfazer com a finitude dos sentimentos nossos e alheios, embora no fundo de nós ainda esperemos a
 
súbita novidade que o amigo saberá revelar. Sendo um exercício bem-sucedido de tolerância e paciência – amplamente recom-
5
pensadas, diga-se – a amizade é também a ansiedade e a expectativa de descobrirmos em nós, por intermédio do amigo, uma
 
dimensão desconhecida do nosso ser.
 
Há quem julgue que cabe ao amigo reconhecer e estimular nossas melhores qualidades. Mas por que não esperar que o valor
 
maior da amizade está em ser ela um necessário e fiel espelho de nossos defeitos? Não é preciso contar com o amigo para
 
conhecermos melhor nossas mais agudas imperfeições? Não cabe ao amigo a sinceridade de quem aponta nossa falha, pela
10
esperança de que venhamos a corrigi-la? Se o nosso adversário aponta nossas faltas no tom destrutivo de uma acusação, o amigo as
 
identifica com lealdade, para que nos compreendamos melhor.
 
Quando um amigo verdadeiro, por contingência da vida ou imposição da morte, é afastado de nós, ficam dele, em nossa
 
consciência, seus valores, seus juízos, suas percepções. Perguntas como “O que diria ele sobre isso?” ou “O que faria ele com isso?”
 
passam a nos ocorrer: são perspectivas dele que se fixaram e continuam a agir como um parâmetro vivo e importante. As marcas da
15
amizade não desaparecem com a ausência do amigo, nem se enfraquecem como memórias pálidas: continuam a ser referências
 
para o que fazemos e pensamos.
(CALÓGERAS, Bruno, inédito)
Considere as seguintes afirmações:

I. No primeiro parágrafo, há a sugestão de que a tolerância e a paciência, qualidades positivas mas dispensáveis entre amigos verdadeiros, dão lugar à recompensa da incondicionalidade do afeto.
II. No segundo parágrafo, expressa-se a convicção de que o amigo verdadeiro não apenas releva nossos defeitos como também é capaz de convertê-los em qualidades nossas.
III. No terceiro parágrafo, considera-se que da ausência ocasional ou definitiva do amigo não resulta que seus valores e seus pontos de vista deixem de atuar dentro de nossa consciência.

Em relação ao texto está correto o que se afirma em

Questão 27

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Uma casa mal-assombrada tem 5 janelas. O número de maneiras diferentes pelas quais um fantasma pode entrar por uma janela qualquer e sair por outra diferente é

Questão 28

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Dois conjuntos A e B têm a mesma quantidade de elementos. A união deles tem 2017 elementos e a interseção deles tem 1007 elementos.

O número de elementos do conjunto A é

Questão 29

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Uma árvore é 4 m mais alta do que outra árvore. As alturas das duas árvores estão na razão 2/3.

A árvore mais alta mede

Questão 30

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Cícero está preparando um discurso para a formatura de sua turma. Seu discurso deve durar entre 20 minutos e meia hora, e a taxa ideal para discursar é de 120 palavras por minuto.

Assinale a opção que indica a quantidade de palavras adequada para o discurso de Cícero.

Questão 31

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
No Microsoft Windows 10, quando o usuário recupera um arquivo apagado que ainda estava na lixeira, o arquivo recuperado é armazenado

Questão 32

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Observe os seguintes símbolos extraídos de navegadores (browsers) Web:

Assinale a opção que indica o significado do cadeado fechado.

Questão 33

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Com relação ao MSOffice Word, as expressões “Normal”, “Título”, “Título 1” e “Subtítulo” são tipos de

Questão 34

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
No MS Excel 2016, na configuração original, o menu que contém a opção para inserir um comentário é o

Questão 35

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Assinale a opção que apresenta dois dispositivos de saída de dados cujo resultado possa ser lido por humanos sem a necessidade de outros recursos eletrônicos.

Questão 36

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento

» Esta questão foi anulada pela banca.
No Windows 10, usando-se as configurações padrão, a execução de um programa é iniciada

Questão 37

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Após visitar vários sítios Web, você gostaria de voltar aos sítios mais interessantes, mas acha difícil lembrar-se de todos os endereços.

Nesse contexto, o nome do recurso no Microsoft Edge ou no Google Chrome, que permite armazenar, para uso futuro, o endereço Web de sítios selecionados é

Questão 38

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Nos modernos sistemas operacionais, o nome usado para o elemento gráfico que indica a posição do mouse na tela é

Questão 39

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Selecione da lista a seguir, o único nome de arquivo inválido no Windows 10.

Questão 40

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Assinale a opção que indica o atalho de teclado usado para colocar em itálico um texto selecionado no MS Word em Português.

Questão 41

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
A qualidade do atendimento está intimamente ligada ao uso que fazemos da linguagem. A respeito da forma linguística, um bom atendimento ao público requer que usemos, preferencialmente,

Questão 42

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Uma pessoa se dirige à recepção e você deve atendê-la. Das falas listadas a seguir, assinale a opção que indica a que você não deve usar.

Questão 43

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
A amizade é um exercício de limites afetivos em permanente desejo de expansão. Por mais completa que pareça ser uma
 
relação de amizade, ela vive também do que lhe falta e da esperança de que um dia nada venha a faltar. Com o tempo, aprendemos
 
a esperar menos e a nos satisfazer com a finitude dos sentimentos nossos e alheios, embora no fundo de nós ainda esperemos a
 
súbita novidade que o amigo saberá revelar. Sendo um exercício bem-sucedido de tolerância e paciência – amplamente recom-
5
pensadas, diga-se – a amizade é também a ansiedade e a expectativa de descobrirmos em nós, por intermédio do amigo, uma
 
dimensão desconhecida do nosso ser.
 
Há quem julgue que cabe ao amigo reconhecer e estimular nossas melhores qualidades. Mas por que não esperar que o valor
 
maior da amizade está em ser ela um necessário e fiel espelho de nossos defeitos? Não é preciso contar com o amigo para
 
conhecermos melhor nossas mais agudas imperfeições? Não cabe ao amigo a sinceridade de quem aponta nossa falha, pela
10
esperança de que venhamos a corrigi-la? Se o nosso adversário aponta nossas faltas no tom destrutivo de uma acusação, o amigo as
 
identifica com lealdade, para que nos compreendamos melhor.
 
Quando um amigo verdadeiro, por contingência da vida ou imposição da morte, é afastado de nós, ficam dele, em nossa
 
consciência, seus valores, seus juízos, suas percepções. Perguntas como “O que diria ele sobre isso?” ou “O que faria ele com isso?”
 
passam a nos ocorrer: são perspectivas dele que se fixaram e continuam a agir como um parâmetro vivo e importante. As marcas da
15
amizade não desaparecem com a ausência do amigo, nem se enfraquecem como memórias pálidas: continuam a ser referências
 
para o que fazemos e pensamos.
(CALÓGERAS, Bruno, inédito)
Considere as seguintes afirmações:

I. No primeiro parágrafo, há a sugestão de que a tolerância e a paciência, qualidades positivas mas dispensáveis entre amigos verdadeiros, dão lugar à recompensa da incondicionalidade do afeto.
II. No segundo parágrafo, expressa-se a convicção de que o amigo verdadeiro não apenas releva nossos defeitos como também é capaz de convertê-los em qualidades nossas.
III. No terceiro parágrafo, considera-se que da ausência ocasional ou definitiva do amigo não resulta que seus valores e seus pontos de vista deixem de atuar dentro de nossa consciência.

Em relação ao texto está correto o que se afirma em

Questão 44

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Em uma conversação, fazemos uso não só de recursos de linguagem verbal, mas também de recursos não verbais.
As opções a seguir apresentam exemplos de elementos não verbais, à exceção de uma. Assinale-a.

Questão 45

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Avalie as expressões a seguir.

I. “Obrigado.”
II. “Por favor.”
III. “Boa tarde.”
IV. “Fala aí.”

São expressões de cortesia:

Questão 46

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Uma pessoa dirige-se ao balcão e pede para falar com determinado funcionário. O atendente liga para o ramal do funcionário, verifica se ele pode atender e recebe uma resposta positiva.

O atendente, então, deve dizer:

Questão 47

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Em nosso cotidiano, frequentemente vemos pessoas cometerem equívocos quando escrevem ou quando falam. Das frases a seguir, assinale a que está corretamente escrita, de acordo com a norma padrão.

Questão 48

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
O atendente deve usar, preferencialmente, a linguagem formal, exceto quando lida com

Questão 49

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Acerca das características da linguagem coloquial listadas a seguir, assinale (V) para a afirmativa verdadeira e (F) para a falsa.

( ) A linguagem coloquial é uma linguagem falada, descontraída e espontânea, que responde a necessidades de comunicação imediata.
( ) Incorreções linguísticas são toleradas quando usamos a linguagem coloquial.
( ) A linguagem coloquial, sujeita a variações regionais e culturais, usa vocabulário simples e gestos que acompanham a fala.

As afirmativas são, respectivamente, de cima para baixo:

Questão 50

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Leia os trechos de conhecidas letras de músicas brasileiras, apresentadas a seguir.

I. A gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte.
II. Você não me pega, você nem chega a me ver, meu som te cega, careta, quem é você?
III. É a sua vida que eu quero bordar na minha, como se eu fosse o pano e você fosse a linha.

Apresentam elementos de linguagem coloquial:

Questão 51

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Você precisa comunicar a agenda de uma visita a uma autoridade que deve ser tratada como Excelência.

Assinale a opção que apresenta a frase correta.

Questão 52

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Acerca de comunicações oficiais, assinale (V) para a afirmativa verdadeira e (F) para a falsa.

( ) Há três tipos de expedientes que se diferenciam antes pela finalidade do que pela forma: o ofício, o aviso e a circular.
( ) Nos documentos do padrão ofício, deve ser utilizada, preferencialmente, fonte do tipo Times New Roman de corpo 20 no texto em geral, 16 nas citações e 12 nas notas de rodapé.
( ) O ofício é expedido exclusivamente por Ministros de Estado para autoridades de mesma hierarquia, ao passo que o aviso é expedido para e pelas demais autoridades.

As afirmativas são, respectivamente, de cima para baixo:

Questão 53

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
A amizade é um exercício de limites afetivos em permanente desejo de expansão. Por mais completa que pareça ser uma
 
relação de amizade, ela vive também do que lhe falta e da esperança de que um dia nada venha a faltar. Com o tempo, aprendemos
 
a esperar menos e a nos satisfazer com a finitude dos sentimentos nossos e alheios, embora no fundo de nós ainda esperemos a
 
súbita novidade que o amigo saberá revelar. Sendo um exercício bem-sucedido de tolerância e paciência – amplamente recom-
5
pensadas, diga-se – a amizade é também a ansiedade e a expectativa de descobrirmos em nós, por intermédio do amigo, uma
 
dimensão desconhecida do nosso ser.
 
Há quem julgue que cabe ao amigo reconhecer e estimular nossas melhores qualidades. Mas por que não esperar que o valor
 
maior da amizade está em ser ela um necessário e fiel espelho de nossos defeitos? Não é preciso contar com o amigo para
 
conhecermos melhor nossas mais agudas imperfeições? Não cabe ao amigo a sinceridade de quem aponta nossa falha, pela
10
esperança de que venhamos a corrigi-la? Se o nosso adversário aponta nossas faltas no tom destrutivo de uma acusação, o amigo as
 
identifica com lealdade, para que nos compreendamos melhor.
 
Quando um amigo verdadeiro, por contingência da vida ou imposição da morte, é afastado de nós, ficam dele, em nossa
 
consciência, seus valores, seus juízos, suas percepções. Perguntas como “O que diria ele sobre isso?” ou “O que faria ele com isso?”
 
passam a nos ocorrer: são perspectivas dele que se fixaram e continuam a agir como um parâmetro vivo e importante. As marcas da
15
amizade não desaparecem com a ausência do amigo, nem se enfraquecem como memórias pálidas: continuam a ser referências
 
para o que fazemos e pensamos.
(CALÓGERAS, Bruno, inédito)
Considere as seguintes afirmações:

I. No primeiro parágrafo, há a sugestão de que a tolerância e a paciência, qualidades positivas mas dispensáveis entre amigos verdadeiros, dão lugar à recompensa da incondicionalidade do afeto.
II. No segundo parágrafo, expressa-se a convicção de que o amigo verdadeiro não apenas releva nossos defeitos como também é capaz de convertê-los em qualidades nossas.
III. No terceiro parágrafo, considera-se que da ausência ocasional ou definitiva do amigo não resulta que seus valores e seus pontos de vista deixem de atuar dentro de nossa consciência.

Em relação ao texto está correto o que se afirma em

Questão 54

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Acerca da ética no serviço público, analise as afirmativas a seguir.

I. A dignidade, o decoro e a consciência dos princípios morais devem nortear o servidor público, seja no exercício do cargo ou função seja fora dele.
II. O servidor público não terá que decidir somente entre o legal e o ilegal, o justo e o injusto, mas principalmente entre o honesto e o desonesto.
III. A função pública deve ser tida como exercício profissional e, assim, os fatos e atos verificados em sua vida privada não poderão acrescer ou diminuir o seu conceito na vida funcional.

Está correto o que se afirma em:

Questão 55

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
A amizade é um exercício de limites afetivos em permanente desejo de expansão. Por mais completa que pareça ser uma
 
relação de amizade, ela vive também do que lhe falta e da esperança de que um dia nada venha a faltar. Com o tempo, aprendemos
 
a esperar menos e a nos satisfazer com a finitude dos sentimentos nossos e alheios, embora no fundo de nós ainda esperemos a
 
súbita novidade que o amigo saberá revelar. Sendo um exercício bem-sucedido de tolerância e paciência – amplamente recom-
5
pensadas, diga-se – a amizade é também a ansiedade e a expectativa de descobrirmos em nós, por intermédio do amigo, uma
 
dimensão desconhecida do nosso ser.
 
Há quem julgue que cabe ao amigo reconhecer e estimular nossas melhores qualidades. Mas por que não esperar que o valor
 
maior da amizade está em ser ela um necessário e fiel espelho de nossos defeitos? Não é preciso contar com o amigo para
 
conhecermos melhor nossas mais agudas imperfeições? Não cabe ao amigo a sinceridade de quem aponta nossa falha, pela
10
esperança de que venhamos a corrigi-la? Se o nosso adversário aponta nossas faltas no tom destrutivo de uma acusação, o amigo as
 
identifica com lealdade, para que nos compreendamos melhor.
 
Quando um amigo verdadeiro, por contingência da vida ou imposição da morte, é afastado de nós, ficam dele, em nossa
 
consciência, seus valores, seus juízos, suas percepções. Perguntas como “O que diria ele sobre isso?” ou “O que faria ele com isso?”
 
passam a nos ocorrer: são perspectivas dele que se fixaram e continuam a agir como um parâmetro vivo e importante. As marcas da
15
amizade não desaparecem com a ausência do amigo, nem se enfraquecem como memórias pálidas: continuam a ser referências
 
para o que fazemos e pensamos.
(CALÓGERAS, Bruno, inédito)
Considere as seguintes afirmações:

I. No primeiro parágrafo, há a sugestão de que a tolerância e a paciência, qualidades positivas mas dispensáveis entre amigos verdadeiros, dão lugar à recompensa da incondicionalidade do afeto.
II. No segundo parágrafo, expressa-se a convicção de que o amigo verdadeiro não apenas releva nossos defeitos como também é capaz de convertê-los em qualidades nossas.
III. No terceiro parágrafo, considera-se que da ausência ocasional ou definitiva do amigo não resulta que seus valores e seus pontos de vista deixem de atuar dentro de nossa consciência.

Em relação ao texto está correto o que se afirma em

Questão 56

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
A amizade é um exercício de limites afetivos em permanente desejo de expansão. Por mais completa que pareça ser uma
 
relação de amizade, ela vive também do que lhe falta e da esperança de que um dia nada venha a faltar. Com o tempo, aprendemos
 
a esperar menos e a nos satisfazer com a finitude dos sentimentos nossos e alheios, embora no fundo de nós ainda esperemos a
 
súbita novidade que o amigo saberá revelar. Sendo um exercício bem-sucedido de tolerância e paciência – amplamente recom-
5
pensadas, diga-se – a amizade é também a ansiedade e a expectativa de descobrirmos em nós, por intermédio do amigo, uma
 
dimensão desconhecida do nosso ser.
 
Há quem julgue que cabe ao amigo reconhecer e estimular nossas melhores qualidades. Mas por que não esperar que o valor
 
maior da amizade está em ser ela um necessário e fiel espelho de nossos defeitos? Não é preciso contar com o amigo para
 
conhecermos melhor nossas mais agudas imperfeições? Não cabe ao amigo a sinceridade de quem aponta nossa falha, pela
10
esperança de que venhamos a corrigi-la? Se o nosso adversário aponta nossas faltas no tom destrutivo de uma acusação, o amigo as
 
identifica com lealdade, para que nos compreendamos melhor.
 
Quando um amigo verdadeiro, por contingência da vida ou imposição da morte, é afastado de nós, ficam dele, em nossa
 
consciência, seus valores, seus juízos, suas percepções. Perguntas como “O que diria ele sobre isso?” ou “O que faria ele com isso?”
 
passam a nos ocorrer: são perspectivas dele que se fixaram e continuam a agir como um parâmetro vivo e importante. As marcas da
15
amizade não desaparecem com a ausência do amigo, nem se enfraquecem como memórias pálidas: continuam a ser referências
 
para o que fazemos e pensamos.
(CALÓGERAS, Bruno, inédito)
Considere as seguintes afirmações:

I. No primeiro parágrafo, há a sugestão de que a tolerância e a paciência, qualidades positivas mas dispensáveis entre amigos verdadeiros, dão lugar à recompensa da incondicionalidade do afeto.
II. No segundo parágrafo, expressa-se a convicção de que o amigo verdadeiro não apenas releva nossos defeitos como também é capaz de convertê-los em qualidades nossas.
III. No terceiro parágrafo, considera-se que da ausência ocasional ou definitiva do amigo não resulta que seus valores e seus pontos de vista deixem de atuar dentro de nossa consciência.

Em relação ao texto está correto o que se afirma em

Questão 57

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
1
A amizade é um exercício de limites afetivos em permanente desejo de expansão. Por mais completa que pareça ser uma
 
relação de amizade, ela vive também do que lhe falta e da esperança de que um dia nada venha a faltar. Com o tempo, aprendemos
 
a esperar menos e a nos satisfazer com a finitude dos sentimentos nossos e alheios, embora no fundo de nós ainda esperemos a
 
súbita novidade que o amigo saberá revelar. Sendo um exercício bem-sucedido de tolerância e paciência – amplamente recom-
5
pensadas, diga-se – a amizade é também a ansiedade e a expectativa de descobrirmos em nós, por intermédio do amigo, uma
 
dimensão desconhecida do nosso ser.
 
Há quem julgue que cabe ao amigo reconhecer e estimular nossas melhores qualidades. Mas por que não esperar que o valor
 
maior da amizade está em ser ela um necessário e fiel espelho de nossos defeitos? Não é preciso contar com o amigo para
 
conhecermos melhor nossas mais agudas imperfeições? Não cabe ao amigo a sinceridade de quem aponta nossa falha, pela
10
esperança de que venhamos a corrigi-la? Se o nosso adversário aponta nossas faltas no tom destrutivo de uma acusação, o amigo as
 
identifica com lealdade, para que nos compreendamos melhor.
 
Quando um amigo verdadeiro, por contingência da vida ou imposição da morte, é afastado de nós, ficam dele, em nossa
 
consciência, seus valores, seus juízos, suas percepções. Perguntas como “O que diria ele sobre isso?” ou “O que faria ele com isso?”
 
passam a nos ocorrer: são perspectivas dele que se fixaram e continuam a agir como um parâmetro vivo e importante. As marcas da
15
amizade não desaparecem com a ausência do amigo, nem se enfraquecem como memórias pálidas: continuam a ser referências
 
para o que fazemos e pensamos.
(CALÓGERAS, Bruno, inédito)
Considere as seguintes afirmações:

I. No primeiro parágrafo, há a sugestão de que a tolerância e a paciência, qualidades positivas mas dispensáveis entre amigos verdadeiros, dão lugar à recompensa da incondicionalidade do afeto.
II. No segundo parágrafo, expressa-se a convicção de que o amigo verdadeiro não apenas releva nossos defeitos como também é capaz de convertê-los em qualidades nossas.
III. No terceiro parágrafo, considera-se que da ausência ocasional ou definitiva do amigo não resulta que seus valores e seus pontos de vista deixem de atuar dentro de nossa consciência.

Em relação ao texto está correto o que se afirma em

Questão 58

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Assinale a opção que indica apenas as características essenciais a um bom atendimento.

Questão 59

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
O princípio da cortesia refere-se às estratégias e às normas de conduta – verbais e não verbais - estabelecidas pela sociedade para reduzir e/ou evitar conflitos, garantindo um comportamento social adequado.
Sobre essas estratégias, analise as afirmativas a seguir.

I. As expressões convencionais de cortesia (“por favor”, “obrigado”, “com licença”, “desculpe”) devem marcar o comportamento social.
II. O discurso, utilizando a competência comunicativa do interlocutor, deve estar adaptado às circunstâncias.
III. A comunicação, interrompendo-se o interlocutor sempre que necessário, deve ser marcada por longos períodos de silêncio.

Está correto o que se afirma em:

Questão 60

Pref. Salvador/BA 2017 - FGV - Técnico de Nível Médio I - Atendimento
Sobre redação oficial, analise as afirmativas a seguir.

I. Redação oficial é a maneira pela qual o poder público redige atos normativos e comunicações.
II. A redação oficial deve caracterizar-se pela impessoalidade, clareza, concisão, formalidade e uniformidade.
III. As comunicações oficiais são necessariamente uniformes, pois há sempre um único comunicador.

Está correto o que se afirma em:



Provas de Concursos » Fgv 2017