×
Agente Administrativo Fiscal Técnico em Tecnologia da Comunicação Telefonista Assessor de Imprensa
×

CRO/RS 2019

Advogado

Questão 1

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
1
No século XIX, o cientista americano W. D. Miller foi o primeiro autor a apontar o consumo de açúcares como fator
 
causal da cárie dentária. No século XX, na década de 1960, Paul Keyes, dentista e pesquisador, consolidou o conceito da
 
tríade “microrganismo, hospedeiro e dieta”. A partir de então, o número de trabalhos na área foi crescendo
 
progressivamente, em quantidade e abordagem, e muitos correlacionam os micro e macronutrientes à formação e
5
manutenção dos tecidos orais e, consequentemente, à conservação da saúde. 
 
Uma dieta equilibrada está correlacionada ao estado de saúde oral (na manutenção da saúde dos tecidos
 
periodontais e elementos dentários), bem como à qualidade e quantidade de saliva. O inverso também é verdadeiro.
 
Indivíduos com doenças orais, como ausências dentárias, comprometimento periodontal, xerostomia, lesões com 
 
sintomatologia dolorosa, apresentam dificuldade na ingestão alimentar. Assim, pode‐se afirmar que a nutrição afeta a
10
saúde bucal, e a saúde bucal afeta a nutrição. 
 
A dieta influencia a cavidade oral ainda no período embrionário e durante toda a vida do indivíduo. Durante o
 
período de formação do embrião, a insuficiência de vitaminas e minerais pode provocar deficiência no crescimento
 
mandibular, malformação dentária, bem como baixa absorção proteica, o que pode levar à atrofia das papilas gustativas, 
 
alteração na cementogênese e dentinogênese e hipoplasia de esmalte. Já o consumo excessivo de gorduras pode causar
15
degeneração do parênquima glandular, além da hipossalivação da parótida. 
 
A alimentação está diretamente relacionada também com o aparecimento da cárie dentária, que requer a tríade
 
presença de bactéria, do açúcar ou de outros carboidratos fermentáveis e da secreção salivar. Assim, os metabólitos da
 
transformação dos  açúcares  pelas  bactérias  promovem a  desmineralização dos tecidos do dente (esmalte  e  dentina), 
 
afetando o seu componente proteico, o que resulta na sua deterioração. 
20
O clássico estudo com os inuítes, membros da nação indígena esquimó do Alasca, corrobora a tese de que o alto
 
consumo de carboidratos aumenta a incidência de cáries dentárias, dada a verificação de baixa incidência de cáries nessa
 
população. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda baixo consumo de açúcar, até 5% do consumo total diário,
 
em virtude da forte associação entre esse alimento e a presença de cáries. Uma alimentação saudável também é capaz de
 
prevenir a formação de cáries. Indica‐se, para tanto, o consumo de queijos com propriedades cariostáticas; de leite,
25
por conter cálcio, fósforo e caseína; de fibras, castanhas e gomas de mascar sem açúcar, por estimularem a salivação; além 
 
do chá preto, por aumentar a concentração de flúor. 
 
Uma alimentação com quantidades adequadas de vitamina A, que  participa da formação das
 
glicoproteínas/mucinas, também exerce um importante fator de proteção contra a formação das cáries. 
 
Outra condição influenciada pelo estado nutricional é a formação do esmalte dentário, que depende das vitaminas
30
A e D e do consumo energético e proteico. Já o baixo consumo de ácido fólico, vitamina C e cálcio pode agravar as doenças
 
periodontais.
Internet: www.localodonto.com.br (com adaptações).
Depreende‐se da leitura do texto que

Questão 2

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
1
No século XIX, o cientista americano W. D. Miller foi o primeiro autor a apontar o consumo de açúcares como fator
 
causal da cárie dentária. No século XX, na década de 1960, Paul Keyes, dentista e pesquisador, consolidou o conceito da
 
tríade “microrganismo, hospedeiro e dieta”. A partir de então, o número de trabalhos na área foi crescendo
 
progressivamente, em quantidade e abordagem, e muitos correlacionam os micro e macronutrientes à formação e
5
manutenção dos tecidos orais e, consequentemente, à conservação da saúde. 
 
Uma dieta equilibrada está correlacionada ao estado de saúde oral (na manutenção da saúde dos tecidos
 
periodontais e elementos dentários), bem como à qualidade e quantidade de saliva. O inverso também é verdadeiro.
 
Indivíduos com doenças orais, como ausências dentárias, comprometimento periodontal, xerostomia, lesões com 
 
sintomatologia dolorosa, apresentam dificuldade na ingestão alimentar. Assim, pode‐se afirmar que a nutrição afeta a
10
saúde bucal, e a saúde bucal afeta a nutrição. 
 
A dieta influencia a cavidade oral ainda no período embrionário e durante toda a vida do indivíduo. Durante o
 
período de formação do embrião, a insuficiência de vitaminas e minerais pode provocar deficiência no crescimento
 
mandibular, malformação dentária, bem como baixa absorção proteica, o que pode levar à atrofia das papilas gustativas, 
 
alteração na cementogênese e dentinogênese e hipoplasia de esmalte. Já o consumo excessivo de gorduras pode causar
15
degeneração do parênquima glandular, além da hipossalivação da parótida. 
 
A alimentação está diretamente relacionada também com o aparecimento da cárie dentária, que requer a tríade
 
presença de bactéria, do açúcar ou de outros carboidratos fermentáveis e da secreção salivar. Assim, os metabólitos da
 
transformação dos  açúcares  pelas  bactérias  promovem a  desmineralização dos tecidos do dente (esmalte  e  dentina), 
 
afetando o seu componente proteico, o que resulta na sua deterioração. 
20
O clássico estudo com os inuítes, membros da nação indígena esquimó do Alasca, corrobora a tese de que o alto
 
consumo de carboidratos aumenta a incidência de cáries dentárias, dada a verificação de baixa incidência de cáries nessa
 
população. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda baixo consumo de açúcar, até 5% do consumo total diário,
 
em virtude da forte associação entre esse alimento e a presença de cáries. Uma alimentação saudável também é capaz de
 
prevenir a formação de cáries. Indica‐se, para tanto, o consumo de queijos com propriedades cariostáticas; de leite,
25
por conter cálcio, fósforo e caseína; de fibras, castanhas e gomas de mascar sem açúcar, por estimularem a salivação; além 
 
do chá preto, por aumentar a concentração de flúor. 
 
Uma alimentação com quantidades adequadas de vitamina A, que  participa da formação das
 
glicoproteínas/mucinas, também exerce um importante fator de proteção contra a formação das cáries. 
 
Outra condição influenciada pelo estado nutricional é a formação do esmalte dentário, que depende das vitaminas
30
A e D e do consumo energético e proteico. Já o baixo consumo de ácido fólico, vitamina C e cálcio pode agravar as doenças
 
periodontais.
Internet: www.localodonto.com.br (com adaptações).
O objetivo do texto é

Questão 3

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
1
No século XIX, o cientista americano W. D. Miller foi o primeiro autor a apontar o consumo de açúcares como fator
 
causal da cárie dentária. No século XX, na década de 1960, Paul Keyes, dentista e pesquisador, consolidou o conceito da
 
tríade “microrganismo, hospedeiro e dieta”. A partir de então, o número de trabalhos na área foi crescendo
 
progressivamente, em quantidade e abordagem, e muitos correlacionam os micro e macronutrientes à formação e
5
manutenção dos tecidos orais e, consequentemente, à conservação da saúde. 
 
Uma dieta equilibrada está correlacionada ao estado de saúde oral (na manutenção da saúde dos tecidos
 
periodontais e elementos dentários), bem como à qualidade e quantidade de saliva. O inverso também é verdadeiro.
 
Indivíduos com doenças orais, como ausências dentárias, comprometimento periodontal, xerostomia, lesões com 
 
sintomatologia dolorosa, apresentam dificuldade na ingestão alimentar. Assim, pode‐se afirmar que a nutrição afeta a
10
saúde bucal, e a saúde bucal afeta a nutrição. 
 
A dieta influencia a cavidade oral ainda no período embrionário e durante toda a vida do indivíduo. Durante o
 
período de formação do embrião, a insuficiência de vitaminas e minerais pode provocar deficiência no crescimento
 
mandibular, malformação dentária, bem como baixa absorção proteica, o que pode levar à atrofia das papilas gustativas, 
 
alteração na cementogênese e dentinogênese e hipoplasia de esmalte. Já o consumo excessivo de gorduras pode causar
15
degeneração do parênquima glandular, além da hipossalivação da parótida. 
 
A alimentação está diretamente relacionada também com o aparecimento da cárie dentária, que requer a tríade
 
presença de bactéria, do açúcar ou de outros carboidratos fermentáveis e da secreção salivar. Assim, os metabólitos da
 
transformação dos  açúcares  pelas  bactérias  promovem a  desmineralização dos tecidos do dente (esmalte  e  dentina), 
 
afetando o seu componente proteico, o que resulta na sua deterioração. 
20
O clássico estudo com os inuítes, membros da nação indígena esquimó do Alasca, corrobora a tese de que o alto
 
consumo de carboidratos aumenta a incidência de cáries dentárias, dada a verificação de baixa incidência de cáries nessa
 
população. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda baixo consumo de açúcar, até 5% do consumo total diário,
 
em virtude da forte associação entre esse alimento e a presença de cáries. Uma alimentação saudável também é capaz de
 
prevenir a formação de cáries. Indica‐se, para tanto, o consumo de queijos com propriedades cariostáticas; de leite,
25
por conter cálcio, fósforo e caseína; de fibras, castanhas e gomas de mascar sem açúcar, por estimularem a salivação; além 
 
do chá preto, por aumentar a concentração de flúor. 
 
Uma alimentação com quantidades adequadas de vitamina A, que  participa da formação das
 
glicoproteínas/mucinas, também exerce um importante fator de proteção contra a formação das cáries. 
 
Outra condição influenciada pelo estado nutricional é a formação do esmalte dentário, que depende das vitaminas
30
A e D e do consumo energético e proteico. Já o baixo consumo de ácido fólico, vitamina C e cálcio pode agravar as doenças
 
periodontais.
Internet: www.localodonto.com.br (com adaptações).
Assinale a alternativa correta no que se refere a aspectos linguísticos do texto.

Questão 4

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
1
No século XIX, o cientista americano W. D. Miller foi o primeiro autor a apontar o consumo de açúcares como fator
 
causal da cárie dentária. No século XX, na década de 1960, Paul Keyes, dentista e pesquisador, consolidou o conceito da
 
tríade “microrganismo, hospedeiro e dieta”. A partir de então, o número de trabalhos na área foi crescendo
 
progressivamente, em quantidade e abordagem, e muitos correlacionam os micro e macronutrientes à formação e
5
manutenção dos tecidos orais e, consequentemente, à conservação da saúde. 
 
Uma dieta equilibrada está correlacionada ao estado de saúde oral (na manutenção da saúde dos tecidos
 
periodontais e elementos dentários), bem como à qualidade e quantidade de saliva. O inverso também é verdadeiro.
 
Indivíduos com doenças orais, como ausências dentárias, comprometimento periodontal, xerostomia, lesões com 
 
sintomatologia dolorosa, apresentam dificuldade na ingestão alimentar. Assim, pode‐se afirmar que a nutrição afeta a
10
saúde bucal, e a saúde bucal afeta a nutrição. 
 
A dieta influencia a cavidade oral ainda no período embrionário e durante toda a vida do indivíduo. Durante o
 
período de formação do embrião, a insuficiência de vitaminas e minerais pode provocar deficiência no crescimento
 
mandibular, malformação dentária, bem como baixa absorção proteica, o que pode levar à atrofia das papilas gustativas, 
 
alteração na cementogênese e dentinogênese e hipoplasia de esmalte. Já o consumo excessivo de gorduras pode causar
15
degeneração do parênquima glandular, além da hipossalivação da parótida. 
 
A alimentação está diretamente relacionada também com o aparecimento da cárie dentária, que requer a tríade
 
presença de bactéria, do açúcar ou de outros carboidratos fermentáveis e da secreção salivar. Assim, os metabólitos da
 
transformação dos  açúcares  pelas  bactérias  promovem a  desmineralização dos tecidos do dente (esmalte  e  dentina), 
 
afetando o seu componente proteico, o que resulta na sua deterioração. 
20
O clássico estudo com os inuítes, membros da nação indígena esquimó do Alasca, corrobora a tese de que o alto
 
consumo de carboidratos aumenta a incidência de cáries dentárias, dada a verificação de baixa incidência de cáries nessa
 
população. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda baixo consumo de açúcar, até 5% do consumo total diário,
 
em virtude da forte associação entre esse alimento e a presença de cáries. Uma alimentação saudável também é capaz de
 
prevenir a formação de cáries. Indica‐se, para tanto, o consumo de queijos com propriedades cariostáticas; de leite,
25
por conter cálcio, fósforo e caseína; de fibras, castanhas e gomas de mascar sem açúcar, por estimularem a salivação; além 
 
do chá preto, por aumentar a concentração de flúor. 
 
Uma alimentação com quantidades adequadas de vitamina A, que  participa da formação das
 
glicoproteínas/mucinas, também exerce um importante fator de proteção contra a formação das cáries. 
 
Outra condição influenciada pelo estado nutricional é a formação do esmalte dentário, que depende das vitaminas
30
A e D e do consumo energético e proteico. Já o baixo consumo de ácido fólico, vitamina C e cálcio pode agravar as doenças
 
periodontais.
Internet: www.localodonto.com.br (com adaptações).
São acentuados graficamente de acordo com a mesma regra  de acentuação gráfica os vocábulos

Questão 5

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
1
No século XIX, o cientista americano W. D. Miller foi o primeiro autor a apontar o consumo de açúcares como fator
 
causal da cárie dentária. No século XX, na década de 1960, Paul Keyes, dentista e pesquisador, consolidou o conceito da
 
tríade “microrganismo, hospedeiro e dieta”. A partir de então, o número de trabalhos na área foi crescendo
 
progressivamente, em quantidade e abordagem, e muitos correlacionam os micro e macronutrientes à formação e
5
manutenção dos tecidos orais e, consequentemente, à conservação da saúde. 
 
Uma dieta equilibrada está correlacionada ao estado de saúde oral (na manutenção da saúde dos tecidos
 
periodontais e elementos dentários), bem como à qualidade e quantidade de saliva. O inverso também é verdadeiro.
 
Indivíduos com doenças orais, como ausências dentárias, comprometimento periodontal, xerostomia, lesões com 
 
sintomatologia dolorosa, apresentam dificuldade na ingestão alimentar. Assim, pode‐se afirmar que a nutrição afeta a
10
saúde bucal, e a saúde bucal afeta a nutrição. 
 
A dieta influencia a cavidade oral ainda no período embrionário e durante toda a vida do indivíduo. Durante o
 
período de formação do embrião, a insuficiência de vitaminas e minerais pode provocar deficiência no crescimento
 
mandibular, malformação dentária, bem como baixa absorção proteica, o que pode levar à atrofia das papilas gustativas, 
 
alteração na cementogênese e dentinogênese e hipoplasia de esmalte. Já o consumo excessivo de gorduras pode causar
15
degeneração do parênquima glandular, além da hipossalivação da parótida. 
 
A alimentação está diretamente relacionada também com o aparecimento da cárie dentária, que requer a tríade
 
presença de bactéria, do açúcar ou de outros carboidratos fermentáveis e da secreção salivar. Assim, os metabólitos da
 
transformação dos  açúcares  pelas  bactérias  promovem a  desmineralização dos tecidos do dente (esmalte  e  dentina), 
 
afetando o seu componente proteico, o que resulta na sua deterioração. 
20
O clássico estudo com os inuítes, membros da nação indígena esquimó do Alasca, corrobora a tese de que o alto
 
consumo de carboidratos aumenta a incidência de cáries dentárias, dada a verificação de baixa incidência de cáries nessa
 
população. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda baixo consumo de açúcar, até 5% do consumo total diário,
 
em virtude da forte associação entre esse alimento e a presença de cáries. Uma alimentação saudável também é capaz de
 
prevenir a formação de cáries. Indica‐se, para tanto, o consumo de queijos com propriedades cariostáticas; de leite,
25
por conter cálcio, fósforo e caseína; de fibras, castanhas e gomas de mascar sem açúcar, por estimularem a salivação; além 
 
do chá preto, por aumentar a concentração de flúor. 
 
Uma alimentação com quantidades adequadas de vitamina A, que  participa da formação das
 
glicoproteínas/mucinas, também exerce um importante fator de proteção contra a formação das cáries. 
 
Outra condição influenciada pelo estado nutricional é a formação do esmalte dentário, que depende das vitaminas
30
A e D e do consumo energético e proteico. Já o baixo consumo de ácido fólico, vitamina C e cálcio pode agravar as doenças
 
periodontais.
Internet: www.localodonto.com.br (com adaptações).
Estariam mantidas a correção gramatical e a coerência do texto caso se substituísse

Questão 6

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
1
No século XIX, o cientista americano W. D. Miller foi o primeiro autor a apontar o consumo de açúcares como fator
 
causal da cárie dentária. No século XX, na década de 1960, Paul Keyes, dentista e pesquisador, consolidou o conceito da
 
tríade “microrganismo, hospedeiro e dieta”. A partir de então, o número de trabalhos na área foi crescendo
 
progressivamente, em quantidade e abordagem, e muitos correlacionam os micro e macronutrientes à formação e
5
manutenção dos tecidos orais e, consequentemente, à conservação da saúde. 
 
Uma dieta equilibrada está correlacionada ao estado de saúde oral (na manutenção da saúde dos tecidos
 
periodontais e elementos dentários), bem como à qualidade e quantidade de saliva. O inverso também é verdadeiro.
 
Indivíduos com doenças orais, como ausências dentárias, comprometimento periodontal, xerostomia, lesões com 
 
sintomatologia dolorosa, apresentam dificuldade na ingestão alimentar. Assim, pode‐se afirmar que a nutrição afeta a
10
saúde bucal, e a saúde bucal afeta a nutrição. 
 
A dieta influencia a cavidade oral ainda no período embrionário e durante toda a vida do indivíduo. Durante o
 
período de formação do embrião, a insuficiência de vitaminas e minerais pode provocar deficiência no crescimento
 
mandibular, malformação dentária, bem como baixa absorção proteica, o que pode levar à atrofia das papilas gustativas, 
 
alteração na cementogênese e dentinogênese e hipoplasia de esmalte. Já o consumo excessivo de gorduras pode causar
15
degeneração do parênquima glandular, além da hipossalivação da parótida. 
 
A alimentação está diretamente relacionada também com o aparecimento da cárie dentária, que requer a tríade
 
presença de bactéria, do açúcar ou de outros carboidratos fermentáveis e da secreção salivar. Assim, os metabólitos da
 
transformação dos  açúcares  pelas  bactérias  promovem a  desmineralização dos tecidos do dente (esmalte  e  dentina), 
 
afetando o seu componente proteico, o que resulta na sua deterioração. 
20
O clássico estudo com os inuítes, membros da nação indígena esquimó do Alasca, corrobora a tese de que o alto
 
consumo de carboidratos aumenta a incidência de cáries dentárias, dada a verificação de baixa incidência de cáries nessa
 
população. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda baixo consumo de açúcar, até 5% do consumo total diário,
 
em virtude da forte associação entre esse alimento e a presença de cáries. Uma alimentação saudável também é capaz de
 
prevenir a formação de cáries. Indica‐se, para tanto, o consumo de queijos com propriedades cariostáticas; de leite,
25
por conter cálcio, fósforo e caseína; de fibras, castanhas e gomas de mascar sem açúcar, por estimularem a salivação; além 
 
do chá preto, por aumentar a concentração de flúor. 
 
Uma alimentação com quantidades adequadas de vitamina A, que  participa da formação das
 
glicoproteínas/mucinas, também exerce um importante fator de proteção contra a formação das cáries. 
 
Outra condição influenciada pelo estado nutricional é a formação do esmalte dentário, que depende das vitaminas
30
A e D e do consumo energético e proteico. Já o baixo consumo de ácido fólico, vitamina C e cálcio pode agravar as doenças
 
periodontais.
Internet: www.localodonto.com.br (com adaptações).
No que diz respeito à pontuação no texto, assinale a alternativa correta.

Questão 7

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
1
No século XIX, o cientista americano W. D. Miller foi o primeiro autor a apontar o consumo de açúcares como fator
 
causal da cárie dentária. No século XX, na década de 1960, Paul Keyes, dentista e pesquisador, consolidou o conceito da
 
tríade “microrganismo, hospedeiro e dieta”. A partir de então, o número de trabalhos na área foi crescendo
 
progressivamente, em quantidade e abordagem, e muitos correlacionam os micro e macronutrientes à formação e
5
manutenção dos tecidos orais e, consequentemente, à conservação da saúde. 
 
Uma dieta equilibrada está correlacionada ao estado de saúde oral (na manutenção da saúde dos tecidos
 
periodontais e elementos dentários), bem como à qualidade e quantidade de saliva. O inverso também é verdadeiro.
 
Indivíduos com doenças orais, como ausências dentárias, comprometimento periodontal, xerostomia, lesões com 
 
sintomatologia dolorosa, apresentam dificuldade na ingestão alimentar. Assim, pode‐se afirmar que a nutrição afeta a
10
saúde bucal, e a saúde bucal afeta a nutrição. 
 
A dieta influencia a cavidade oral ainda no período embrionário e durante toda a vida do indivíduo. Durante o
 
período de formação do embrião, a insuficiência de vitaminas e minerais pode provocar deficiência no crescimento
 
mandibular, malformação dentária, bem como baixa absorção proteica, o que pode levar à atrofia das papilas gustativas, 
 
alteração na cementogênese e dentinogênese e hipoplasia de esmalte. Já o consumo excessivo de gorduras pode causar
15
degeneração do parênquima glandular, além da hipossalivação da parótida. 
 
A alimentação está diretamente relacionada também com o aparecimento da cárie dentária, que requer a tríade
 
presença de bactéria, do açúcar ou de outros carboidratos fermentáveis e da secreção salivar. Assim, os metabólitos da
 
transformação dos  açúcares  pelas  bactérias  promovem a  desmineralização dos tecidos do dente (esmalte  e  dentina), 
 
afetando o seu componente proteico, o que resulta na sua deterioração. 
20
O clássico estudo com os inuítes, membros da nação indígena esquimó do Alasca, corrobora a tese de que o alto
 
consumo de carboidratos aumenta a incidência de cáries dentárias, dada a verificação de baixa incidência de cáries nessa
 
população. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda baixo consumo de açúcar, até 5% do consumo total diário,
 
em virtude da forte associação entre esse alimento e a presença de cáries. Uma alimentação saudável também é capaz de
 
prevenir a formação de cáries. Indica‐se, para tanto, o consumo de queijos com propriedades cariostáticas; de leite,
25
por conter cálcio, fósforo e caseína; de fibras, castanhas e gomas de mascar sem açúcar, por estimularem a salivação; além 
 
do chá preto, por aumentar a concentração de flúor. 
 
Uma alimentação com quantidades adequadas de vitamina A, que  participa da formação das
 
glicoproteínas/mucinas, também exerce um importante fator de proteção contra a formação das cáries. 
 
Outra condição influenciada pelo estado nutricional é a formação do esmalte dentário, que depende das vitaminas
30
A e D e do consumo energético e proteico. Já o baixo consumo de ácido fólico, vitamina C e cálcio pode agravar as doenças
 
periodontais.
Internet: www.localodonto.com.br (com adaptações).
Assinale a alternativa em que é apresentada proposta de reescrita gramaticalmente correta e coerente para o seguinte período do texto: “Indivíduos com doenças orais, como ausências dentárias, comprometimento periodontal, xerostomia, lesões com sintomatologia dolorosa, apresentam dificuldade na ingestão alimentar” (linhas 8 e 9).

Questão 8

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
1
No século XIX, o cientista americano W. D. Miller foi o primeiro autor a apontar o consumo de açúcares como fator
 
causal da cárie dentária. No século XX, na década de 1960, Paul Keyes, dentista e pesquisador, consolidou o conceito da
 
tríade “microrganismo, hospedeiro e dieta”. A partir de então, o número de trabalhos na área foi crescendo
 
progressivamente, em quantidade e abordagem, e muitos correlacionam os micro e macronutrientes à formação e
5
manutenção dos tecidos orais e, consequentemente, à conservação da saúde. 
 
Uma dieta equilibrada está correlacionada ao estado de saúde oral (na manutenção da saúde dos tecidos
 
periodontais e elementos dentários), bem como à qualidade e quantidade de saliva. O inverso também é verdadeiro.
 
Indivíduos com doenças orais, como ausências dentárias, comprometimento periodontal, xerostomia, lesões com 
 
sintomatologia dolorosa, apresentam dificuldade na ingestão alimentar. Assim, pode‐se afirmar que a nutrição afeta a
10
saúde bucal, e a saúde bucal afeta a nutrição. 
 
A dieta influencia a cavidade oral ainda no período embrionário e durante toda a vida do indivíduo. Durante o
 
período de formação do embrião, a insuficiência de vitaminas e minerais pode provocar deficiência no crescimento
 
mandibular, malformação dentária, bem como baixa absorção proteica, o que pode levar à atrofia das papilas gustativas, 
 
alteração na cementogênese e dentinogênese e hipoplasia de esmalte. Já o consumo excessivo de gorduras pode causar
15
degeneração do parênquima glandular, além da hipossalivação da parótida. 
 
A alimentação está diretamente relacionada também com o aparecimento da cárie dentária, que requer a tríade
 
presença de bactéria, do açúcar ou de outros carboidratos fermentáveis e da secreção salivar. Assim, os metabólitos da
 
transformação dos  açúcares  pelas  bactérias  promovem a  desmineralização dos tecidos do dente (esmalte  e  dentina), 
 
afetando o seu componente proteico, o que resulta na sua deterioração. 
20
O clássico estudo com os inuítes, membros da nação indígena esquimó do Alasca, corrobora a tese de que o alto
 
consumo de carboidratos aumenta a incidência de cáries dentárias, dada a verificação de baixa incidência de cáries nessa
 
população. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda baixo consumo de açúcar, até 5% do consumo total diário,
 
em virtude da forte associação entre esse alimento e a presença de cáries. Uma alimentação saudável também é capaz de
 
prevenir a formação de cáries. Indica‐se, para tanto, o consumo de queijos com propriedades cariostáticas; de leite,
25
por conter cálcio, fósforo e caseína; de fibras, castanhas e gomas de mascar sem açúcar, por estimularem a salivação; além 
 
do chá preto, por aumentar a concentração de flúor. 
 
Uma alimentação com quantidades adequadas de vitamina A, que  participa da formação das
 
glicoproteínas/mucinas, também exerce um importante fator de proteção contra a formação das cáries. 
 
Outra condição influenciada pelo estado nutricional é a formação do esmalte dentário, que depende das vitaminas
30
A e D e do consumo energético e proteico. Já o baixo consumo de ácido fólico, vitamina C e cálcio pode agravar as doenças
 
periodontais.
Internet: www.localodonto.com.br (com adaptações).
Considerando os mecanismos de coesão no texto, assinale a alternativa em que há correta correspondência entre o termo ou expressão destacados e o respectivo elemento de referência.

Questão 9

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
1
No século XIX, o cientista americano W. D. Miller foi o primeiro autor a apontar o consumo de açúcares como fator
 
causal da cárie dentária. No século XX, na década de 1960, Paul Keyes, dentista e pesquisador, consolidou o conceito da
 
tríade “microrganismo, hospedeiro e dieta”. A partir de então, o número de trabalhos na área foi crescendo
 
progressivamente, em quantidade e abordagem, e muitos correlacionam os micro e macronutrientes à formação e
5
manutenção dos tecidos orais e, consequentemente, à conservação da saúde. 
 
Uma dieta equilibrada está correlacionada ao estado de saúde oral (na manutenção da saúde dos tecidos
 
periodontais e elementos dentários), bem como à qualidade e quantidade de saliva. O inverso também é verdadeiro.
 
Indivíduos com doenças orais, como ausências dentárias, comprometimento periodontal, xerostomia, lesões com 
 
sintomatologia dolorosa, apresentam dificuldade na ingestão alimentar. Assim, pode‐se afirmar que a nutrição afeta a
10
saúde bucal, e a saúde bucal afeta a nutrição. 
 
A dieta influencia a cavidade oral ainda no período embrionário e durante toda a vida do indivíduo. Durante o
 
período de formação do embrião, a insuficiência de vitaminas e minerais pode provocar deficiência no crescimento
 
mandibular, malformação dentária, bem como baixa absorção proteica, o que pode levar à atrofia das papilas gustativas, 
 
alteração na cementogênese e dentinogênese e hipoplasia de esmalte. Já o consumo excessivo de gorduras pode causar
15
degeneração do parênquima glandular, além da hipossalivação da parótida. 
 
A alimentação está diretamente relacionada também com o aparecimento da cárie dentária, que requer a tríade
 
presença de bactéria, do açúcar ou de outros carboidratos fermentáveis e da secreção salivar. Assim, os metabólitos da
 
transformação dos  açúcares  pelas  bactérias  promovem a  desmineralização dos tecidos do dente (esmalte  e  dentina), 
 
afetando o seu componente proteico, o que resulta na sua deterioração. 
20
O clássico estudo com os inuítes, membros da nação indígena esquimó do Alasca, corrobora a tese de que o alto
 
consumo de carboidratos aumenta a incidência de cáries dentárias, dada a verificação de baixa incidência de cáries nessa
 
população. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda baixo consumo de açúcar, até 5% do consumo total diário,
 
em virtude da forte associação entre esse alimento e a presença de cáries. Uma alimentação saudável também é capaz de
 
prevenir a formação de cáries. Indica‐se, para tanto, o consumo de queijos com propriedades cariostáticas; de leite,
25
por conter cálcio, fósforo e caseína; de fibras, castanhas e gomas de mascar sem açúcar, por estimularem a salivação; além 
 
do chá preto, por aumentar a concentração de flúor. 
 
Uma alimentação com quantidades adequadas de vitamina A, que  participa da formação das
 
glicoproteínas/mucinas, também exerce um importante fator de proteção contra a formação das cáries. 
 
Outra condição influenciada pelo estado nutricional é a formação do esmalte dentário, que depende das vitaminas
30
A e D e do consumo energético e proteico. Já o baixo consumo de ácido fólico, vitamina C e cálcio pode agravar as doenças
 
periodontais.
Internet: www.localodonto.com.br (com adaptações).
A oração “por conter cálcio” (linha 25) expressa, no período,  circunstância de

Questão 10

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
Assinale a alternativa em que o trecho apresentado é gramaticalmente correto e adequado à correspondência  oficial.

Questão 11

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
Em uma sacola opaca, há 3 bolas azuis, 4 amarelas  e 5 vermelhas.    

Com base nessa situação hipotética, a probabilidade de se retirar ao acaso duas bolas de mesma cor é igual a

Questão 12

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
Deseja‐se revestir, com azulejos quadrados, um piso retangular de dimensões 2,10 m por 2,40 m.    

Com base nesse caso hipotético, a dimensão do maior azulejo  possível para se revestir o piso de maneira exata (ou seja, sem recortes) é igual a

Questão 13

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
Assinale a alternativa que apresenta a quantidade de anagramas da palavra PARAGUAI que não começam com vogal.

Questão 14

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
Todo palhaço é fraco. 
Todo malabarista é magro. 
Alguns apresentadores não são magros. 
Nenhum trapezista é fraco. 
Alguns domadores são fracos.   

A partir das proposições acima, é correto inferir que

Questão 15

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
3 impressoras imprimem 100 páginas em 12 minutos.    

Com base nessa situação hipotética, 2 impressoras imprimem 150 páginas em

Questão 16

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
Ana dorme ou Manuela corre. 
Se Ana não dorme, então Manuela come uvas. 
Se Manuela não corre, então Ana não come uvas.   

Considerando as proposições acima, assinale  a  alternativa  correta.

Questão 17

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
Sabendo‐se que o número X = 0,2333... é uma dízima periódica, é correto afirmar que X pertence ao conjunto dos números

Questão 18

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
Ao se aumentar a aresta de um cubo em 10%,  seu volume  deverá aumentar em, aproximadamente,

Questão 19

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
A partir da Lei n.º 4.324/1964, assinale a alternativa que apresenta parte da constituição da renda do Conselho Federal.

Questão 20

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
Com relação às penas disciplinares aplicáveis pelos Conselhos Regionais segundo a Lei n.º 4.324/1964, assinale a alternativa correta.

Questão 21

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
De acordo com a Lei n.º 4.324/1964, assinale a alternativa correta acerca da votação no âmbito dos Conselhos Regionais.

Questão 22

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
Compete ao técnico em saúde bucal, sob supervisão do cirurgião‐dentista,

Questão 23

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
Conforme a regulamentação do exercício da profissão de auxiliar em saúde bucal, assinale a alternativa correta acerca de suas competências, sob supervisão do cirurgião‐dentista.

Questão 24

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
No que concerne aos direitos e às garantias fundamentais na Constituição Federal de 1988, assinale a alternativa correta.

Questão 25

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
Com relação aos direitos sociais na Constituição Federal   de 1988, assinale a alternativa correta.

Questão 26

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
Assinale a alternativa correta a respeito da nacionalidade na  Constituição Federal de 1988.

Questão 27

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado

» Esta questão foi anulada pela banca.
No que se refere aos partidos políticos na Constituição  Federal de 1988, assinale a alternativa correta.

Questão 28

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
Quanto aos municípios na Constituição Federal de 1988, assinale a alternativa correta.

Questão 29

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
Com base na jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, assinale a alternativa correta no que se refere ao poder  disciplinar da Administração Pública.

Questão 30

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
Quanto ao entendimento jurisprudencial do Superior  Tribunal de Justiça acerca da improbidade administrativa,  assinale a alternativa correta.

Questão 31

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
Com relação à  jurisprudência aplicada ao concurso público,  assinale a alternativa correta.

Questão 32

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
De acordo com a Constituição Federal de 1988, assinale a  alternativa correta a respeito da nacionalidade.

Questão 33

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
Acerca dos direitos sociais e políticos na Constituição Federal de 1988, assinale a alternativa correta.

Questão 34

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado

» Esta questão foi anulada pela banca.
Com base na Constituição Federal de 1988 e na jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, assinale a alternativa correta  quanto ao controle de constitucionalidade.

Questão 35

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
Conforme a Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro,  assinale a alternativa correta.

Questão 36

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
Considerando a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, assinale a alternativa correta a respeito da responsabilidade civil e dos danos morais.

Questão 37

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
Segundo o Código de Processo Civil (Lei n.º 13.105/2015),  assinale a alternativa correta.

Questão 38

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
Quanto à intervenção de terceiros, assinale a alternativa correta de acordo com o Código de Processo Civil (Lei n.º 13.105/2015).

Questão 39

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
Assinale a alternativa correta no que concerne às limitações  ao poder de tributar.

Questão 40

CRO/RS 2019 - QUADRIX - Advogado
A respeito da obrigação tributária, assinale a alternativa correta.



Provas de Concursos » Quadrix 2019